segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A DANÇA

.Mal saem para o recreio, imediatamente se posicionam na zona mais maneirinha para a função: a parte cimentada do recinto, mesmo à entrada da escola. A corda, manuseada por mãos hábeis, convida as assistentes para a dança, num apelo irrecusável, qual Fred Astaire de braço estendido para Ginger. Aceite alegremente o convite, é vê-las então pular, sozinhas ou em grupo, num ritmo cadenciado mas cheio de ginga, capaz de as transportar para outros mundos.
Quando o cansaço as vence, imediatamente entra em acção outro grupo, ávido da mesma volúpia libertadora. E por ali ficam, cavalgando os anseios, às vezes subindo, subindo no ar, até a escola se desmaterializar no tempo...
Uma voz, que parece vir de longe, começa a insinuar-se no grupo, anunciando a entrada. O despertar é brusco. As viajantes, a muito custo, acabam por aceder a sair da dimensão alcançada, e Ginger Rogers, contrafeita, tem que largar o braço do parceiro, dirigindo-se para a zona dos lavatórios.
Quando, finalmente, chegam à sala, já o equilíbrio está restabelecido.
.
.

2 comentários:

  1. Adorei este texto. Que bem expressa o universo interior destas aves em dança de cordas.E que feliz esta passagem" A corda, manuseada por mãos hábeis, convida as assistentes para a dança, num apelo irrecusável, qual Fred Astaire de braço estendido para Ginger".
    É mesmo como conta.Eu fui uma dessas aves.Era tão bom!

    Ibel

    ResponderEliminar
  2. Às vezes tambem salto à corda na escola.Eu acho que é uma boa forma de exercitar-mos o salto que andamos a treinar na ginástica à bastante tempo.Saltar à corda é uma coisa que eu gosto de fazer quando estou livre!!!!
    Micaela Amaral

    ResponderEliminar