quarta-feira, 14 de julho de 2010

BRUMAS

.Imagem tirada daqui.
.
.
Chegaste de mansinho
Quando a bruma
Asfixiante
Inundava o fundo do vale
E trazias contigo
Sem nada o prever
O aroma das madrugadas
Com o dia por resolver
O verde das faias refulgia
Com a claridade instalada
E a cotovia
Prenúncio de sinfonia
Galgava as alturas
Em ânsia ilimitada
Gostaste do teu papel
Forjado em conto de fadas
E a sorrir adormeceste
Mas esqueceste
A função primordial
(Deixaram de bater as asas)
Então o lume
Exigente na atenção
Lentamente esmoreceu
E a bruma
Expectante
Inundou de rompante
A razão do coração.
.
.
Reedição
.
.

37 comentários:

  1. Como um conto de fadas a transfigurar, a encantar... E quando coração tem razão, ninguém pode perder.

    L.B.

    ResponderEliminar
  2. Gosto do cenário de brumas;
    Gosto das personagens, eivadas de mistério;
    Gosto da mensagem: feitiço ou sentença (?);

    Um poema muito belo!

    E.A.

    ResponderEliminar
  3. AC, uma beleza seu espaço. Aprecio o prenúncio da sinfonia, como citas: Inundou [inunda] de rompante a razão do coração, descongelando, desativando frieza e cálculo.

    Abraços.

    Priscila Cáliga

    ResponderEliminar
  4. que lindo, gosto muito daqui, beijos...

    ResponderEliminar
  5. As brumas...
    O aroma das madrugadas...
    O conto de fadas...

    Fez-me lembrar a sensação de imaginar-me, Senhora de Avalon...

    Por isso estive lá, dentro do poema e é bom quando isso acontece!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. "...Gostaste do teu papel
    Forjado em conto de fadas..." - que belo poema, amigo, fez bem em reeditá-lo! Leitor recente, não tinha ainda tido o prazer de o ler, saboreando a frescura das palavras e a verdade das emoções - "...(Deixaram de bater as asas)... razão do coração" ?!
    Obrigado pela sua visita e palavras simpáticas - já lá deixei resposta para a sua dúvida

    ResponderEliminar
  7. Poema lindíssimo com uma ambiência misteriosa!

    Ainda bém que o reeditou. Gostei imenso;o)

    ***
    Bjs*******

    ResponderEliminar
  8. Quantas e quantas vezes não esquecemos a nossa função primordial. Talvez seja preciso fazê-lo para que a razão nos inunde o coração. Vejo-me em cada palavra sua. Encontro-me e perco-me, nos meus defeitos e nas minhas virtudes. Conheço-me. Lindo poema!

    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Chegaste de mansinho
    Quando a bruma
    Asfixiante
    Inundava o fundo do vale

    Depois de ler essas quadras eu vou esperar pelo amanhã!
    Linda reedição, dizem que o que escreve não muda. Sou do contra. Tudo fica melhor quando reedita, a vida simplifica!
    Ternos beijos

    ResponderEliminar
  10. Olá, AC!

    Seja muito, muito, muito bem-vindo! Gostei do seu espaço. Não pude explorá-lo porque ando muito ocupada ultimamente... Então, infelizmente, não poderemos trocar muitas palavras profundas nos próximos tempos.

    Mas tudo ocorre na hora certa. Quando eu resolver meus problemas, Fênix retornará. Se Deus assim quiser.

    Beijão! Obrigada!

    ResponderEliminar
  11. Olá, AC.

    Lindo poema! Delicado e doce. Traz a sensibilidade nos versos e um ritmo cadenciado, próprio do amor. Lindo mesmo! Parabéns!

    Abraços,
    Patrícia Lara

    ResponderEliminar
  12. Nós (outros), leitores atentos, a saborear os teus versos - doces.

    BeijooO

    ResponderEliminar
  13. Chegaste de mansinho.....
    e ...trazias contigo o aroma das madrugadas...
    Muito bom este poema que nos põe a sonhar em tantas tardes vendo o pôr do Sol ou nas madrugadas em que acordamos no desejo de viver.

    ResponderEliminar
  14. Belíssimo, AC, belíssimo!
    As tuas palavras fluem e flutuam , num magnífico bailado...
    Grande abraço, amigo, preenchido de gratidão pela tua visita

    ResponderEliminar
  15. Não tem como ler uma vez só. Adorei!

    ResponderEliminar
  16. E eu nem sei se a imagem te inspirou ou foi ela a vestir depois o teu sentir...mas que complementou , a mim complementou.

    Q todo coração seja inundado de emoção, nunca de razão meu querido...vale mais é sentir.

    Lindo teu poema..tocante....pungente..leve!

    E agora é minha vez de te dizer, que bom que eu pude vir, que bom que eu pude vir...e é por isso que te sigo, por querer ficar.

    Bjos

    Erikah

    ResponderEliminar
  17. sabes encantar com as palavras, e o cenário em tons lilás combina na perfeição!
    Bjs

    ResponderEliminar
  18. As brumas encantam e fazem sonhar, o mesmo aconteceu com este teu poema.
    Abraço

    ResponderEliminar
  19. Página que exala poesia.


    Parabéns!


    Bom final de semana.


    Linda Simões

    ResponderEliminar
  20. "Tenta te orientar pelo calendário das flores, esquece, por um momento os números,
    a semana, o dia do teu nascimento. Se conseguires ser leve, aproveita, enche tuas malas de sonho e toma carona no vento."


    - Fernando Campanella -

    Te desejo amor e paz...Beijos M@ria

    ResponderEliminar
  21. Olá amigo...
    Na vida a papeis que representamos que, ou que somos forçados a representar que nem sempre nos agradam fazê-los; e tentamos levantar vôos... mas as penas por vezes ainda não estão prontas, não se tem espaço suficiente pra decolagem,,,,, e vamos nos deixando de lado... mesmo porque ninguém nos vê.
    Nunca nada me entrou tão bem como essas letras. obrigada pelo espelho, beijos de boa noite.

    ResponderEliminar
  22. "No teatro do absurdo, o contra-regra põe e dispõe.Através do manto diáfano da clareza, onde será que eu já vislumbrei isto?"
    Com certeza em algum lugar. Conhece a canção do exílio?
    "Minha terra tem palmeiras,
    Onde canta o Sabiá;
    As aves, que aqui gorjeiam,
    Não gorjeiam como lá...
    (Gonçalves Dias)

    Tem várias paródias delas:

    Minha terra tem palmares
    Onde gorjeia o mar
    Os passarinhos aqui
    Não cantam como os de lá..
    (Oswald de Andrade)

    Minha terra não tem palmeiras
    E em vez de um mero sabiá,
    Cantam aves invisíveis
    Nas palmeiras que não há...
    ( Mário Quintana )

    Um sabiá
    na palmeira, longe.
    Estas aves cantam
    um outro canto. (...)
    (Carlos Drummond)

    Isso chama-se Modernismo!

    ResponderEliminar
  23. Li na altura da primeira publicação e lembro-me de ter gostado muito. Curiosamente agora faço novas leituras do poema, o que só mostra a sua riqueza, e parece que ainda gosto mais.
    Amigo, um abraço grande

    ResponderEliminar
  24. Sabe aconto de fadas .
    E como eles , a sedução , encanto e beleza .

    Beijo

    ResponderEliminar
  25. Pura alegria te-la em campos meus de girassois ,obrigado!
    Dagora a partir,és um girassol!
    Em post esse,um amalgamento docê e o contundente sentimento que segunda pele tua,agasalha,protege e eleva,sussurras poesia em ternura forma amei amei amei!

    viva la vida

    ResponderEliminar
  26. Hoje ainda gostei mais do que "Lá".
    Abraço nunca esquecido.

    ResponderEliminar
  27. Muito belo, imagem e palavras, suavizante ao espírito, caminho aberto para o sonho.
    Bjs,
    Manuela

    ResponderEliminar
  28. Um encontro mágico, poético, desses que vale uma vida toda. Muitos lindos teus versos!

    bjs.

    ResponderEliminar
  29. Ah! AC ...acho que coração não precisa de razão para nada.

    Mas esse texto é para guardar no fundo do coração ( com ou sem razão)

    Beijo.

    ResponderEliminar
  30. todo o poema está rico de estrofes escritas com mestria e arte pr+opria dos poetas.

    achei esta frase muito. muito bonita:

    "o aroma das madrugadas
    com o dia por resolver"

    um bom fim de semana

    Beij

    ResponderEliminar
  31. Contos de fadas? Eu não acreditava mais, depois do que você escreveu eu voltei a acreditar. Gostei muito. Abraço

    ResponderEliminar
  32. NÃO SE PODE ESQUECER DE BATER AS ASAS...PODE SER FATAL PARA O CORAÇÃO...APAGA A CHAMA ...E O CORAÇÃO FICA FRIO... NÃO PALPITA NEM SE ALIMENTA MAIS...

    BELO COMO TODOS OS OUTROS. ALGUÉM TE TOCOU COM UMA VARINHA DE CONDÃO...FOSTE FADADO PARA ISTO...

    BEIJO

    ResponderEliminar
  33. Estava convencida que já tinha comentado este post... mas fiz confusão, pois não vejo cá o comentário. Mas já li o poema, anteriormente. Possivelmente quando me preparava para comentar surgiu qualquer impedimento...
    Seja como for, o poema é muito lindo. Acho o ambiente de brumas muito inspirador. A mim inspirou-me um conto, há tempos.
    E esses tons de lilás são lindos! Tudo em conformidade.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  34. e nesses teus versos, entre brumas, me deixei levar...mas minhas asas não se aquietaram, pelo contrário

    Lindo!

    beijos

    ResponderEliminar