sábado, 10 de julho de 2010

LAMENTO

..
.
Costumavas vir
Pela vereda
Onde às vezes
À tardinha
Colhias amoras
Com que enfeitavas
Em devaneio
A harmonia dos dias
Esperava-te
No laranjal
Onde as mãos
Ansiosas
Absorviam o olhar
Com vestes de ternura
O tempo
Passava ao lado
E sentíamos
Na paixão das cigarras
A razão mais próxima
Da cumplicidade das estrelas
E até a brisa
Conciliadora
Espalhava no ar
O perfume das laranjeiras.
.
Hoje não vieste
E só eu
Sem esteio
Senti a dor da tua ausência.
.
.
.

43 comentários:

  1. Sempre me emociono com a ternura da tua poesia.
    É isso sim, enfeitamos os nossos dias devaneando pelos doces vermelhos frutos, ou os campos coloridos de flores.
    Iludimos as verdades sonhando como desejariamos degustar-nos delas.
    Às vezes o sonho foge..., é quando mais magoa a dor da ausência.
    Sonhar, não é demência!
    Cantar a felicidade que ansiamos, não é arte!

    E quem sabe, a ausência não será sentida a dois?!

    Teus poemas são sentidamente singelos e belos!
    Beijo, AC.

    ResponderEliminar
  2. Olá AC, primeiro quero agradecer as tuas visitas cheias de carinhos, fico feliz, obrigada.
    Aqui tem um lugar lindo, tu relatas o amor de forma suave e terna, encantadora, sem os meus dramas...kkk, mulheres, sempre tão dramaticas,kkk, me sinto bem em ler-te, lindo, beijos e lindo tb seja teu finm de semana.

    ResponderEliminar
  3. Belíssimo,Agostinho.Forte conteúdo lírico, alicerçado com metáforas de dimensão semântica pura e leve.

    ResponderEliminar
  4. Olá AC, enfeitar a harmonia dos dias com amoras colhidas. Tocou-me.

    bjs.

    ResponderEliminar
  5. Bonita fotografia. Sabes...deu-me uma vontade grande de sair e procurar amoras.
    Um destes dias irei pois ali para os lados da linha do oeste costumam ser muito boas.
    O poema é um encontro de amor com amoras e flor de laranjeira.
    Com palavras simples transformou tudo isso num entardecer feliz.

    ResponderEliminar
  6. as amoras e as cigarras. a brisa e o entardecer. motivos e pretextos para evocar memórias doces.
    apesar da ausência.

    ResponderEliminar
  7. Com coisas simples e palavras exactas e concordantes, se faz um retrato da vida. O poeta é assim. Tem o dom de nos emocionar com o a paisagem da ruralidade autêntica. Do amor puro e/ou da falta dele.
    Mas há sempre alguém que nos segue, mesmo que invisivel, para que nunca nos sintamos sós.
    Parabéns amigo e abraço.
    Caldeira

    ResponderEliminar
  8. "O tempo passava ao lado", porque os instantes de amor são eternos. Assim são também a espera e a ausência, eternamente dolorosas.
    Lindo.

    ResponderEliminar
  9. Que percurso aprazível com sabor a amoras!
    Umas tão doces, outras mais amargas, naturalmente. Nesse cenário, a dor sentida é espelhada na cor das amoras em aromas de sonho. Uma dor infinda, uma espera eterna!
    Olhando a palavra "amora" ela é capicua do "aroma", desse lamento num entardecer diferente, que só pode ser feliz no intenso desejo da presença.
    Um poema que desperta desejos, entre outros, a vontade de trincar amoras! :)
    Lindo, lindo!

    ResponderEliminar
  10. Que amanhã seja outro dia e possas sentir o cheiro das amoras na tua vida
    Bj

    ResponderEliminar
  11. Pior dor: Ausência e dor maior é saber que não fomos esquecidos e sim abandonados! Amei seu poema, voltei a velha infância... Muito lindo!
    Bom final de semana!

    ResponderEliminar
  12. Com simplicidade se escreve um bonito poema!
    Bom fim de semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. "À tardinha
    Colhias amoras
    Com que enfeitavas
    Em devaneio
    A harmonia dos dias"

    Gosto da ideia de movimento implícita no "Em devaneio" ao qual se opõe de imediato "A harmonia", o que nos permite "ver" a emoção que perpassa da lembrança desse gesto de colher amoras.

    L.B.

    ResponderEliminar
  14. AC
    Muito agradecida vim retribuir sua visita e encantei-me com seus escritos!
    Quanta sensibilidade...
    Maravilha!
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  15. Olá!
    Vim retribuir a linda surpresa que encontrei agora mesmo no meu cantinho e aproveitei para passear pelo seu!

    Passei um momento muito agradável e de certeza vou voltar;o)

    ***
    Feliz domingo e até breve*******

    ResponderEliminar
  16. É a 3ª ou 4ª vez que venho...as palavras que li (e foram tantas) tocaram de forma tão especial que as respostas se calaram. Hoje não poderia deixar de dizer: Estou aqui.Gosto.Gosto muito.Obrigada

    ResponderEliminar
  17. Venho agradecer o carinho da sua visita e te desejar um Domingo de muita luz e alegrias.

    Beijos de coração prá coração! M@ria

    ResponderEliminar
  18. Um regresso à infância, não pela dor, mas pelo sabor silvestre. Um sabor há muito ausente em mim.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  19. Perfume dos laranjais,cumplicidade das estrelas,paixão das cigarras,as amoras,os sentidos aguçados e...ausência de quem se ama.

    O que fazer com tudo isso quando a essência não está?

    Beijos.

    ResponderEliminar
  20. Olá.
    Sua poesia realmente carrega em si muita ternura...gostei muito daqui.
    Obrigada pelas gentis palavras no meu cantinho.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  21. O lirismo da poesia, socorrendo-se dos elementos naturais, é encantador.
    Com o calor que faz, este lamento sabe a brisa fresca.

    Amigo, um abraço

    ResponderEliminar
  22. Essa ausência de esperas,
    essa latência dos sentidos.
    A palavra silencia e a poesia não dorme.

    BeijooOo

    ResponderEliminar
  23. Amoras vermelhas...verdes
    frescas e ternas emoções...
    Amoras pretas...maduras
    perdidas nas doces recordações...

    Olá meu Vizinho...gostei das amoras... e da bela poesia que a "Natureza" de um profundo e sublime sentir nos oferece...parabéns! Obrigada pelas palavras carinhosas e um bom Domingo!

    ResponderEliminar
  24. Assim, mergulho nas entrelinhas...
    (Obrigada pela visita)

    ResponderEliminar
  25. .

    . da ausência proliferam as sílabas que vogalizo junto à nascente de um conto . sendo poema na supremacia de um tema . bel.íssimo .

    . entre.dedos.tarsos.de.espera .

    . abraço .

    .

    ResponderEliminar
  26. "A razão mais próxima
    Da cumplicidade das estrelas"
    ...
    Gosto desta imagem. Como se nela estivessem contidas, todas as emoções ( e são muitas) deste poema.

    Muito bonito e terno

    ResponderEliminar
  27. Senti o perfume das laranjeiras, o azedinho/doce das amoras e viajei com as cigarras até as estrelas.
    Lindo, sensível e romântico poema.
    Parabéns pelo talento!
    Um beijo

    Obrigada por suas poéticas visitas. São sempre bem-vidas, acredite.

    ResponderEliminar
  28. Que lamento lindo, colorido e perfumado!!

    Abraço

    ResponderEliminar
  29. A maneira suave deste poema conduziu-me por esses caminhos colhendo amoras, numa cumplicidade encantadora! muito lindo!
    Bjs

    ResponderEliminar
  30. Por vezes a ausência do ser amado , serve para valorizarmos um pouco mais , os cheiros , as cores , os brilhos ... até o próprio ser que deixou de vir .
    Lindo !

    Beijo

    ResponderEliminar
  31. Grata pela visita, logo postarei a primeira história.
    Fiquei com vontade de ler suas lindas poesias... Também observo-te!

    ResponderEliminar
  32. "À tardinha
    Colhias amoras
    Com que enfeitavas
    Em devaneio
    A harmonia dos dias"_________perfeito!
    ...
    agora as amoras abriram-me o apetite....que faaaaaaço? ;)

    beijo, AC

    ResponderEliminar
  33. Ê, coisa bonita! Ao som das cigarras senti o cheiro das laranjeiras daqui.

    Lindeza, querido.

    Beijoca

    ResponderEliminar
  34. "A distância pode causar saudades, mas nunca o esquecimento."
    Uma boa semana
    bjs

    ResponderEliminar
  35. "E sentíamos
    Na paixão das cigarras
    A razão mais próxima
    Da cumplicidade das estrelas"
    Muito belo!
    Beijos

    ResponderEliminar
  36. O poema é bonito

    as amoras devem ser deliciosas...

    Saudações poéticas

    ResponderEliminar
  37. sinta saudades mas não lamente o importante foi que veio um dia!

    bjinhus...

    ResponderEliminar
  38. Gosto muito de amoras, e essas ai na foto estão mesmo a apetecer...
    Lindo e cheio de ternura, este poema.
    Só quem sentiu a dor da falta sabe o que é... a dor da falta.

    Noite feliz. Beijinhos

    ResponderEliminar
  39. FICAM AS IMAGENS POÉTICAS COMO CONSOLO DE QUE ELA VINHA ...E TRAZIA COM ELA O PERFUME DAS LARANJEIRAS...

    BEIJO

    ResponderEliminar
  40. É... hoje, não sei se foi pelo perfume das laranjeiras (que senti da minha janela, ou do sabor das amoras que quase pude saboreá-las num campo de cores verde-limão ou talvez só porque ele não veio. Mas hoje, me fizeste chorar. Um choro bom.
    Obrigada!
    Um beijo
    Com carinho
    Bruna

    ResponderEliminar
  41. "Na paixão das cigarras
    A razão mais próxima
    Da cumplicidade das estrelas..."

    Lindo!!

    ResponderEliminar