segunda-feira, 26 de julho de 2010

TEMPO

..

..

Lutavas contra o tempo
Em sobressalto
Vendo as folhas cair
E não reparavas
Que a cor outonal
Era a satisfação
Dum desígnio cumprido
E que a queda
Suave
Era a chave
Do desvendar do segredo
Debatias-te
Angustiada
Na visão do espelho
E esquecias
O passo a dar
Para entender
A arquitectura do ciclo
Programada
Na palavra primitiva
Sentia-te a inquietude
Mas nada podia fazer
Para apaziguar o medo
De sentires
O vazio do abraço.
.
.
Reedição
.
.

52 comentários:

  1. AC, lírio e ao mesmo tempo filosófico. E, lindo. "Esquecias o passo a dar para entender a arquitetura do ciclo". Profundo..

    bjs.

    ResponderEliminar
  2. O tempo envelhece, indubitavelmente, nas nossas mãos.
    E, contra isso, nada há a fazer. A não ser, talvez... Um abraço!

    L.B.

    ResponderEliminar
  3. Foi um prazer lhe receber no Rembrandt...

    Espero q volte

    abraço

    ResponderEliminar
  4. lindo
    muito lindo
    Beijão

    ahhh
    tem conto no meu blog

    ResponderEliminar
  5. É verdade que, por vezes, sentimos o vazio do abraço e até que já fizemos tudo. Nada de mais errado. Mesmo no Outono e depois da colheita há sempre necessidade de continuar a semear, nem que seja para os outros colherem. É a Lei da vida. E como diz um Grande Professor, a quem este País não dá o devido valor, "se soubesse que morria amanhã, hoje ainda plantaria uma macieira".
    Este sentimento de positividade faz com que enfrentemos um hoje, melhor do que ontem, na expectativa de um amanhã melhor do que hoje.
    Abraço amigo
    Caldeira

    ResponderEliminar
  6. O vazio do abraço é tão triste..

    Um abraço meu!

    ResponderEliminar
  7. O vazio do abraço é algo que me doi, e muito.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. E bem assim é, a falta do abraço doi tanto que tudo fica na indiferença, na necessidade absoluta de mudanças, por tantas vezes anunciada, obrigada por seu carinho na visita ao meu espaço, beijos.

    ResponderEliminar
  9. A dor de um abraço vazio e do tempo que passa.
    Lentamente vamos perdendo aquilo que não podemos controlar e que passa pelas nossas mãos.

    ResponderEliminar
  10. Inquietude... muito ruim!
    Grata pela visita!
    Bjs!

    ResponderEliminar
  11. Tão abrangente e tão profunda a dor de um abraço vazio...

    Abraço

    ResponderEliminar
  12. Olá, AC

    As folhas sempre caem após cumprirem o seu ciclo... mas que nós possámos desvendar o segredo a tempo! E mesmo se contra o Tempo nada podemos fazer, contra o medo do abraço vazio, isso sim... nós podemos reverter!

    Teu espaço é muito lindo, rico em sabedoria e em poesia. Que bom que te aventuraste na criação de um blog. Lucramos nós... lendo-te!

    Vim retribuir as amáveis visitas ao meu Encantaventos! Voltarei mais vezes!

    Bjs,
    Wania

    ResponderEliminar
  13. Voltei.
    Já na altura fiquei com o entender a arquitectura do ciclo na cabeça, e continuo a ficar. Fazes-me pensar, homem!
    Repito-me, o poema é lindo!

    Abraço

    ResponderEliminar
  14. TAMBÉM ASSUSTA-ME ESSA IDEIA ...DE SENTIR QUE NÃO SOU MAIS A MESMA...SEI QUE FAZ PARTE DO CICLO NATURAL DA VIDA...NO ENTANTO CUSTA ACEITAR ...

    ADOREI O POEMA

    BEIJO

    ResponderEliminar
  15. "E esquecias
    O passo a dar
    Para entender
    A arquitectura do ciclo"

    Dá que pensar.

    ResponderEliminar
  16. se eu pudesse passar
    para o outro lado do espelho

    aquele lado de lá
    que me deixa por inteiro
    desvendar o outono de todas as folhas

    ...

    o tempo é assim mesmo AC!

    um abraço

    Manuela

    ResponderEliminar
  17. Muita gente não aceita o passar dos anos, e esquece-se de viver o presente.
    O segredo é aceitar as rugas, que são prémios da vida.
    Adorei, muito profundo!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. E quando o outono se faz inverno torna-se tudo ainda mais angustiante.

    Irei, de seguida, apaziguar alguns outonos :)

    Bjinhos

    ResponderEliminar
  19. O pior desse ciclo que se fecha é aguentar o vazio do abraço... Mas já que é ciclo... Beijo grande, Tati

    ResponderEliminar
  20. Ai... que lindo poema, AC!! Carregado de simbolismos,maravilhoso.Ciclos fazem parte da vida... Parabéns!!

    Mas nada como um abraço e um lindo poema "de presente".[rs] Obrigada pela visita, pelos parabéns e pelo poema. Repliquei seu belo comentário.Quando tiver um tempinho, dê uma olhadinha.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  21. Lindo seu blog...
    e suas palavras...
    Por que um abraço
    precisa ser tçao triste...?

    beijos
    Leca

    ResponderEliminar
  22. Por temer o passar do tempo perdemos tanto da beleza que o tempo nos concede.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  23. Houve época que fui assim. Hoje eu entendo as estações e suas cores. E espero calmamente pela minha primavera.


    beijos

    ResponderEliminar
  24. Deixo-te aqui o comentário que na altura escrevi.
    "Tenho de confessar que fiquei "parada" no tempo.
    É sem dúvida um poema...
    ... demasiado profundo para ficar indiferente;
    ... demasiado nostálgico para não o relacionar com a "inevitável partida";
    ... demasiado angustiante para não o associar à luta pela vida;
    ... demasiado transparente para não querer ver as folhas que vão caindo;
    ... demasiado belo para não receberes "O carinho do abraço" de quem retira das tuas palavras sentimentos e reflexões que o Tempo não apagará.
    Simplesmente intemporal!
    Magnífico, Agostinho!"

    Acrescento que já passou algum tempo e realmente o tempo não apagou sentimentos nem reflexões que continuo a retirar das tuas palavras.
    Carinhosamente, envio-te um abraço e nele segue o desejo de o tempo nunca me roubar o tempo que vivo lendo o que escreves.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  25. Há que acolher, com doçura, o que o tempo nos traz, e deixar partir, em paz, o que já não nos pertence...

    Abraço

    ResponderEliminar
  26. Sim isso e muito mais...
    Só que escrito nessa bela forma poética nem parce tão doloroso. Como é, de facto...

    ResponderEliminar
  27. A luta contra o tempo faz-nos esquecer a beleza que pode ser viver se valorizarmos os nadas da vida. Todas as fases da nossa vida têm são importantes e é a idade que nos traz o conhecimento e a calma.

    ResponderEliminar
  28. Olá...
    Muito Bom seu Blog.
    Gostei muito..!!!
    Grande Abraço.

    ResponderEliminar
  29. nós medimos o tempo, mas o tempo é intemporal e passa sem passar
    Bj

    ResponderEliminar
  30. Achei que j[a tinha comentado essa poesia tão bela, enfim acho que tu pintas muito bem com as palavras cada verso.

    Beijo!

    ResponderEliminar
  31. Senti-me agraciada pela sua visita e comentário:obrigada! Gostei demais do seu espaço e mais ainda desta forma concreta de poetar sobre o Tempo, perfeita! Abraços.

    ResponderEliminar
  32. Palavras sempre tão fortes e certeiras!

    ResponderEliminar
  33. Encantemo-nos simultaneamente...
    Abraços no coração!

    ResponderEliminar
  34. É complicado lutar contra o tempo tem sempre o perigo de se perder...
    de um tempo na luda...

    bjs
    Insana

    ResponderEliminar
  35. AC

    Às vezes é inquietante a aceitação do tempo, na inevitabilidade do ciclo que, não sendo interminável, tem um princípio, um propósito e um fim, para todas as coisas.
    Há o medo da perda, no vazio dos abraços ou dos laços desatados... mas há também a atracção constante pela descoberta de todos os segundos seguintes, enquanto no relógio rodarem constantes e previsíveis os seus ponteiros.

    Feliz a hora em que alguém lhe sugeriu a criação deste blogue!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  36. A mim, o tempo me faz refletir sobre a inércia que muitas vezes dedico a minha vida...
    Gostaria que o tempo me fizesse sorrir ao lembrar do que deixei pra trás, com a sensação da missão cumprida, ainda que não findada...

    Ah, como gostei desse poema.
    Minha admiração, AC.
    Meu abraço também.

    ResponderEliminar
  37. Profundo o teu olhar sobre o tempo, como quem olha o rosto da estrada já percorrida, sem ter que voltar atrás.

    beijos pra ti

    ResponderEliminar
  38. Eu sou outono e gosto, me sinto renovação....não há nada imutavel em mim, nenhuma folha permance em minha arvore por muito tempo...é essa a sensação que tenho...sou mais outono mas sei ver em mim tb a ciclicidade de termim todas as estações...toda mulher é meio cíclica, e a nossa magia está em sermos assim.

    Um beijo ao menino.

    Erikah

    ResponderEliminar
  39. Quarto Motivo da Rosa
    Cecília Meireles


    Não te aflijas com a pétala que voa:
    também é ser, deixar de ser assim.

    Rosas verá, só de cinzas franzida,
    mortas, intactas pelo teu jardim.

    Eu deixo aroma até nos meus espinhos
    ao longe, o vento vai falando de mim.

    E por perder-me é que vão me lembrando,
    por desfolhar-me é que não tenho fim.

    ResponderEliminar
  40. belo texto, ac!
    cheio de sementes e raízes.

    abraços!

    ResponderEliminar
  41. A estação que me desenha é o Outono...
    Cheia de mistérios, despertares e recomeços...

    Texto intenso, filosófico, cíclico...
    Adorei!!!


    *Obrigada pela visita e por ficar em meus despertares...

    Beijos

    ResponderEliminar
  42. um belo poema, pleno de contrapontos,
    vívidos sentimentos


    abraços a ti,
    El

    ResponderEliminar
  43. olá querido, como estás?
    __Um beijo
    Luana

    ResponderEliminar
  44. Olá AC, vim agradecer-te a visita e o link que fizeste em meu blog. Gostei daqui, achei muito interessante a tua entrevista, bastante original!
    Voltarei em breve, para conhecer melhor o teu espaço.

    Abraços

    ResponderEliminar
  45. Oi AC (não tenho com não ler essa sigla, e não pensar em ac/dc..rs).

    O tempo e suas fases... necessárias. belo pensar.

    Grata pela presença tua
    Beijo meu

    ResponderEliminar
  46. O tempo que escorre...

    (Antes de tudo, obrigatório deveria ser abraçar apertado a si mesmo.)

    Beijo, querido

    ResponderEliminar
  47. Que, no momento da verdade, tenhamos mais do que um abraço vazio...
    Gostei. Muito.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  48. Não há melhor lugar para se estar que dentro do abraço de quem se ama. E este espaço, não deve nunca ficar vazio...
    Retribuindo a visita... vc é um poeta e tanto!

    ResponderEliminar
  49. Dolorosamente lindo!

    rsrsrs...brincadeira. Naturalmente lindo!

    Beijo!

    ResponderEliminar
  50. "Que a cor outonal
    Era a satisfação
    Dum desígnio cumprido"
    Me encantei, me identifiquei, amei!

    ResponderEliminar