sexta-feira, 3 de setembro de 2010

GRANDE IRMÃO

.Imagem tirada da Net
.

..

Olha para o mundo
Em filtro de números
Mapas
Grelhas
Planos
Instrumentos infalíveis
Na projecção de resultados
Fabricados
Em função dos objectivos
Delineados
Em gabinetes inspirados
Não gosta da cor
Mas é sonhador
Dum pesadelo geral
Imagina o mundo
Em plano de fundo
Uma enorme aldeia
Simulacro de colmeia
De robôs operários
Sem qualquer paragem
Na cadeia de montagem
Se saísse à rua
Como simples mortal
Talvez a verdade
Nua e crua
Tomasse de assalto
O que restasse
Do seu coração
E fizesse tremer
(Ainda que de leve)
O alicerce
Da sua convicção
Mas está protegido
Na torre envidraçada
Encoberto
Em cortina fumada
E a sua alma
Há muito sem perdão
Ficou abandonada
Perdida e rejeitada
No cesto de papéis
Dum qualquer saguão.
.
.
O poema já foi reformulado desde que foi publicado. E pode não ficar por aqui.
.
.

60 comentários:

  1. formigas operarias, um belo retrato da multidao a trabalhar e um que se esquiva/que se deprime- refletindo nos outros sua fraqueza - eu sempre viajo nas tuas poesias rsrs

    beijo

    ResponderEliminar
  2. Belo post para época de eleição no Brasil!

    Que tudo não acabe numa cesta de velhos papéis.

    Beijos!

    Suzana/LILY

    ResponderEliminar
  3. Boa reflexão AC, aliás, excelente!
    bjs

    ResponderEliminar
  4. Esta protegido na torre envidraçada, encoberto
    em cortina fumada. E olha para o mundo e sendo sonhador vê um plano de fundo de comeia de abelhas operárias... Como é bonita a imaginação de um sonhador!

    BeijooO*

    ResponderEliminar
  5. Conheço-as
    as abelhas
    não mudam assim
    já as vespas
    não sei

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Não sei você, mas eu fiquei com uma raiva danada de um senhor chamado deus.

    ResponderEliminar
  7. E é magnífico! Assim mesmo é o 'grande irmão': um 'voiyeur', sem alma, das pequenas-grandes tragédias alheias, inerte e indiferente.
    Se não ficar por aqui, votos de uma boa continuação :)

    ResponderEliminar
  8. AC gosto de vir aqui e ler os seus posts, sempre excelentes...perfeitos...

    Beijo

    ResponderEliminar
  9. Pois é! O Big Brother, que é como quem diz, o(s) tipo(s), que ninguém sabe quem é, mas sabemos todos, que nos está a ver para nos entorpecer.

    ResponderEliminar
  10. Quase...quase...lamela em microscópio...celulazinha em banho maria, atordoada peça íris que a lente amplia...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  11. Ressalva: não "peça íris" mas "pela íris"
    :)

    ResponderEliminar
  12. cada vez mais parecemos autómatos controlados mas sem percebermos o quanto.
    BJ

    ResponderEliminar
  13. Olá, amigo!
    Passei para uma visitinha e conhecer seu espaço...
    Gostei de tudo que vi e li.
    Você é muito talentoso.
    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    Itabira
    Brasil

    ResponderEliminar
  14. Fez-me lembrar os "tempos modernos" de Charlot! e acredito que o poema vai continuar a ser reformulado.
    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Descreveste um sensível retrato da sociedade contemporânea, e como ela está sempre mudando, acho que teu poema ainda será reformulado.
    Beijos

    ResponderEliminar
  16. Magnífico!

    Robôs electrónicos ou comandados por um fio.
    Atrás da cortina o fazedor de marionetas
    ri-se do golpe
    que transforma a qualidade num número...
    manobra a seu favor um mundo vazio
    onde a mentira impera!

    Parabéns pela "verdade nua e crua".
    Um grande bem-haja e muitos vivas! :)

    ResponderEliminar
  17. O seu poema foi me levando a uma reflexão, a um olhar crítico, do outro, dos políticos principalmente, e foi se voltando para mim....quantas vezes a nós é dada o poder de olhar para fora, para o mundo, podendo colaborar mais, até mesmo de mudar realidades e não o fazemos.

    abraço!

    ResponderEliminar
  18. Ultimamente tem me chamado a atenção seus comentários em alguns blogs que visito. Pode ser que já tenha vindo por aqui a algum tempo atrás. Li outros textos, outros poemas, me impressionou a qualidade da sua escrita.

    Você tem livro publicado? Ao ler os textos me deu vontade de ler em um livro.

    abraço

    ResponderEliminar
  19. Olá meu caro,

    texto expressivo que reflete aspectos sociais amplos e conduz á reflexão. Ótima postagem...
    Também gosto de burilar meus textos... Um abraço amigo.

    ResponderEliminar
  20. Miragens escondendo a lida
    traços de almas, encadeadas vencidas.
    medo, conceitos, mundo cão,
    máquinas bolinadas, vidas arrisca.
    Serões, questões, duvidas se debatendo
    e a gente se buscando entre encontrões..
    Mas não foi assim a história vivida
    por esse grande irmão, poucos entenderam,
    outros nada não...

    Profundo e forte meu amigo
    Reflexivo!

    Lindo fim de semana pra ti
    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  21. Obrigada por teu carinho querido.
    Sabes bem como impressionar com as palavras...
    Virei em momento melhor, não estou muito bem.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  22. Um poema em constante mutação, que nao se revela completamente, como nossas almas voláteis de sentimentos transitórios, o moto-continuo da cidade, a falta de imaginação do cotidiano... mas restam sonhos...
    Forte e belo texto.
    Beijokas e um lindo fds.

    ResponderEliminar
  23. ... e como é inquietante senti-lo em cada movimento que a gente faz...

    gosto da tua escrita inteligente AC!
    beijo.

    tem fim de semana descansado

    ResponderEliminar
  24. .

    . a prova . que de mãos.dadas ruma [também] a poesia com a visão certa de fora para dentro .

    .

    . onde é então visionária de todos os acrescentos .

    .

    . um abraço .

    .

    ResponderEliminar
  25. A.C.,
    tristemente belo .

    Quero acreditar que um dia , ao reformolares o poema , acrescentes ... alguém passou no saguão , pegou na alma " dizendo " _ não é aqui o teu lugar _


    Um beijo ,
    Maria

    ResponderEliminar
  26. Tudo muda o tempo todo, paz.
    Beijo Lisette

    ResponderEliminar
  27. Acredito, que tudo se transforma com o passar do tempo, belo texto.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  28. Agostinho,
    Ainda bem que centraste o teu grito na intervenção cívica, precisa e urgente. Fizeste-o da forma brilhante e poética, como só tu sabes fazer. A forma adocica o conteúdo mas este é, altamente corrosivo, para quem queira aprofundar o seu intrínseco objectivo e saiba entender o que lhe está subjacente.
    Parabéns
    Caldeira

    ResponderEliminar
  29. AC
    Na triste previsão da morte das colmeias com vida, este poema, a arrepiar-me...

    Acredito que, por detrás dos gestos planeados e comandados, na linha de montagem que nos preparam, existirão sempre os olhares partilhados e com eles a força que impedirá que nos ceguem os voos.

    Um beijinho e obrigada, sempre!

    ResponderEliminar
  30. O poema pulsa como a vida; por isso, não pode estagnar nunca. Está sempre em movimento, querendo mai e pedindo mais, sejam mudanças, evolução, versos, sentimentos...O TEMPO NÃO PARA E a VIDA também não.

    Tenha um lindo fim de semana!!!

    BEIJÃO!!!

    ResponderEliminar
  31. Que a vida nos livre de "tipos" assim.

    beijo

    ResponderEliminar
  32. Apaguei sem querer a frase anterior ap beijo, s+o que não sei como.
    dizia eu que;
    poema actualíssimo. gostei muito.

    ResponderEliminar
  33. A mutabilidade do poema sintetiza bem o que é a vida, inconstante a espera de uma completude. Carinhosamente Óleo.

    ResponderEliminar
  34. Esse poema olha fundo a "humanidade".

    Beijos, meu caro!

    ResponderEliminar
  35. Ninguém lhes tomaria o coração,AC, porque robôs não os tem.

    E à alma sem perdão sobraria o cesto de lixo.

    Simplesmente aterrador, porque SOMOS NÓS.

    Bom domingo, meu querido! Que texto!!!!

    Beijos

    ResponderEliminar
  36. Sómente o poeta tem "licença" para substantivar ou adjetivar coisas, objetos e até mesmo pessoas!Esse ente invisível e aparentemente abstrato vive
    conosco diuturnamente e nos corrói a passos largos sem que nos apercebamos, subliminarmente, de uma forma bem CONCRETA, sem dó nem piedade!

    Beijos e bom final de semana!!

    ResponderEliminar
  37. Gosto de me confronatar com várias versões do mesmo texto. Acontece-me isso muitas vezes. Reformule as vezes necessárias, nas já está excelente. O resto já está tudo dito.
    E que tal um abraço de boa noite?

    ResponderEliminar
  38. AC
    e a gente vai teimosamente reformulando conceitos e conflitos.
    Gostei da sua visita , obrigada
    Fique bem , deixo um abraço nesse domingo

    ResponderEliminar
  39. AC

    basta um pequeno poder
    ou um poder pequeno, talvez

    para o grande irmão
    sentar-se exactamente à nossa frente
    ou quem sabe, dentro de nós?

    pois não é assim que os professores se sentem quando atolados de fichas e avaliações e outras reuniões, deixam de ter tempo para as crianças?

    e os médicos, com o computador enfiado no nariz

    e já nem levantam os olhos para a pessoa à sua frente, paciente, nome exacto para tanta paciência...

    as mudanças apenas escritas no papel,
    são armadilhas que espreitam
    quem as tem que aguentar, desfasadas da realidade e muitas vezes de humanidade!

    e se não percebi bem a questão, peço desculpa, meu irmão...

    um beijo

    manuela

    ResponderEliminar
  40. há muitos mundos

    para lá desse

    saguão


    *abraço*

    ResponderEliminar
  41. Este poema, profundíssimo, impressiona-me particularmente, não só pelo que a sociedade actual faz de alguns homens, ou pelo que eles fazem a si próprios, isolados nas suas torres de des(afectos).
    Muito bom.

    Um abraço.
    Branca

    ResponderEliminar
  42. Intenso e lindo...fez-me ir longe! Bjos, carinho.

    ResponderEliminar
  43. Obrigada pela visita. Fico muito contente por saber de um sentir assim como este que aqui encontro. Parabéns uma vez mais. Vai bem ao cerne das questões. Gosto.
    Abraço
    Rosário

    ResponderEliminar
  44. Uma semana de paz, vim desejar. Obrigada por sua visita, lá estarei a espera-lo com o que tenho de melhor pra dar-te,o amor de Deus em Palavras. Beijos no coração.

    ResponderEliminar
  45. Já havia lido, voltei para reler: li e suspirei.

    ResponderEliminar
  46. Ac...
    Gosto muito de vir aqui ler tua poesia.
    É linda...
    Me ahabita...
    Amei...

    Beijo.
    Fernanda

    ResponderEliminar
  47. "Talvez a verdade
    "Nua e crua
    Tomasse de assalto
    O que restasse
    Do seu coração"
    Muitooo lindo
    obrigado por visitar meu blog
    tem post novo lá!
    beijos

    ResponderEliminar
  48. Parecemos uma fila de soldados sob as ordens do Grande Irmão...não como robôts...mas como aqueles que não conseguem tirar o espartilho da sociedade e inventam cada dia...o modo de largar a pele...como fazem as cobras, quando estão cansadas delas...
    Dispensamos seráficos cumpridores de normas, mais ainda os talentosos administradores.Gostei do texto e acredito que ainda vai levar novos acrescentos.
    Bj~Graça

    ResponderEliminar
  49. Expressou com perfeição!

    Bom início de semana!
    =D

    ResponderEliminar
  50. ac,
    belo poema..
    e bem atual...perfeito..
    um abraço..

    ResponderEliminar
  51. AC

    profundo e actual.

    belo momento de poesia.

    beij

    ResponderEliminar
  52. Ah, sabia que ele está protegido em algum lugar. Porque se deixasse, se ele se permitisse viver, encontraria poesia nas ruas...


    beijos

    ResponderEliminar
  53. Obrigada, AC, pela visita. Perdoe-me por visitá-lo tão pouco... é que ainda estou passando por ajustes, preciso separar um tempo somente para visitar todos vocês. Logo encontro o meu eixo, se Deus quiser...

    Bju!

    ResponderEliminar
  54. Olá AC!

    Para esses "senhores"sem alma o mundo não é mesmo mais que um linha de produção, a ser regida por comprovadas técnicas de gestão,e que se quer tão robotizada quanto possível.
    Está muito bem escrito, conviadando-nos s pensar no que queremos ser como gente, enquanto andámos por cá.
    Um abraço.
    Vitor

    ResponderEliminar
  55. "Mas está protegido
    Na torre envidraçada
    Encoberto
    Em cortina fumada
    E a sua alma
    Há muito sem perdão
    Ficou abandonada
    Perdida e rejeitada
    No cesto de papéis
    Dum qualquer saguão."

    ESTÁ TUDO AQUI...PELO MENOS MARA MIM...É PARA ISTO QUE CHEGAMOS AQUI?!

    BEIJO

    ResponderEliminar
  56. AC o teu poema fez-me recordar um livro lido há uns anos... Sou forçada a concordar com Michel e Daniel (a personagem) que em toda a narrativa esperam uma existência fora da "ilha"... o problema talvez seja nosso, ao julgarmos que uma "ilha" nos será bastante quando, no fundo, alguns de nós, ambicionamos o Mundo...

    Tornamos o outro em Mundo e verificamos, depressa demais, que esse mundo é demasiado limitado. Nada contra a utopias, excepto quando elas se viram contra nós e nos limitam os movimentos...

    Ainda assim, faço minhas as palavras de Houellebecq que traduzem, um pouco, a forma tola como ainda vejo o mundo e sinto o amor.

    A Possibilidade de uma Ilha

    Minha vida, minha vida, minha muito ancestral
    Mal cumprido o meu primeiro voto
    Repudiado o meu primeiro amor,
    Precisei do teu retorno.

    Precisei de conhecer
    O que a vida tem de melhor,
    Quando dois corpos brincam com a felicidade
    E se unem e renascem sem fim.

    Dominado por uma dependência total,
    Sei o estremecimento do ser
    A hesitação em desaparecer,
    O sol que incide de través.

    E o amor, onde tudo é fácil,
    Onde tudo é dado no momento;
    Existe no meio do tempo
    A possibilidade de uma ilha.

    Michel Houellebecq, in "A Possibilidade de uma Ilha"

    Como a nós a possibilidade da clonagem (e ainda bem) não é uma realidade, resta-nos transformar o nosso mundo, tornando mais Mundo do que quando visto pela primeira vez...

    ResponderEliminar
  57. AC...
    Obrigada pelo carinho amigo.

    Beijo.
    Fernanda.

    ResponderEliminar