domingo, 26 de setembro de 2010

QUANDO AS COISAS TINHAM NOME...

.Imagem tirada da Net
.
.
.
Saltitava nas pedras
Pé ante pé
Para lá do ribeiro
E o canto do melro
Apelo irresistível
Conduzia os anseios
Do pequeno potro
Na descoberta genuína
Da vida em harmonia
Temperada em odores
De giesta e rosmaninho.
Não havia temores
Nas esguias veredas
Que levavam ao pinhal
E o mundo lá longe
Era aqui tão perto
Num fervilhar de vida
Em vão escondida
Em pleno céu aberto.
Sentia a voz da mãe
Inquieta com a cria
Mas os dias eram seguros
Na pacatez do lugar
Num mundo natural
Encostado às montanhas
Em que o nome das coisas
Forjado pelos deuses
Em feitiço profundo
Ainda era o mesmo
Das palavras ditas
No primórdio dos dias
Da criação do mundo.
.
.
.
Reedição
.

64 comentários:

  1. Infelizmente, assim não se eternizou...
    Bjs e um excelente domingo!
    Madalena

    ResponderEliminar
  2. AC, querido...

    É um doce balanço de esperança uma imagem que mostra a origem da vida conjugada com o feitiço de eternizar o que deveria ter sido.

    Que nome se dá a essa " coisa " que sentimos , sem explicação?

    beijos.

    ResponderEliminar
  3. Tu és um lindo!

    Ler-te faz um bem danado!

    Beijo e um domingo mágico para ti AC querido.

    ResponderEliminar
  4. Maravilhosa poesia, tem um ritmo suave e envolvente, a gente se transporta às paisagens descritas.
    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Olha que linda a tua criação... me encanto! bjs

    ResponderEliminar
  6. Meu amigo, a vida tem muitos encantos e só as
    pessoas verdadeiramente sensíveis(como é o seu
    caso)os conseguem captar.
    Gostei de estar aqui.Voltarei.
    Saudações/Irene

    ResponderEliminar
  7. Maravilhosa poesia q me remeteu ao meu melhor tempo(o tempo da infância).

    Beijos

    Maria

    ResponderEliminar
  8. .

    . que se e.ternize então o regresso à Criação .

    .

    . abraço .

    .

    ResponderEliminar
  9. Lindo poema AC,
    Como sempre um encanto teus escritos.
    Beijo amigo.

    Fernanda

    ResponderEliminar
  10. Lindo poema! A suavidade da infância.
    Bons tempos aqueles ...

    bjs

    ResponderEliminar
  11. Oi , AC !

    Que poesia gostosa , leve, de
    uma doce nostalgia ...
    Acho que ainda tenho um cado
    disso comigo.

    Que o Sol inunde seu dia ,
    o amanhã , ah!
    o amanhã é o amanhã , ...
    BjO ! :)

    ResponderEliminar
  12. EEEEEEEEEE!! Maravilhoso AC, a criação do mundo, gestação da terra, o ninho é uma imagem tão boa para essa poesia da criação.

    beijo!

    ResponderEliminar
  13. AC que lindo...
    Adorei a imagem do 'mundo lá longe
    Era aqui tão perto'...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  14. AC,
    Magnífica musicalidade - a da criação do mundo!
    Bom final de Domingo.
    Abraço! :)

    ResponderEliminar
  15. esse blog é sempre um luxo!
    lindo lindo lindo poema!
    Beijos

    ResponderEliminar
  16. conheci um lugar exatamente assim, foi em sonhos.

    obrigada por me trazer.


    um beijo.

    ResponderEliminar
  17. Olá AC!
    Era o tempo do prazer da descoberta, feito de coisa simples, mais próximo da natureza, num mundo mais simples e seguro para quem ia crescendo sem pressas. Eram lugares bonitos; os meus ainda os guardo comigo, e, de quando em vez, sabe-me bem lá voltar... ainda que só em pensamento.

    Abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  18. Esses lugares conheci e vivi na minha infancia...Saudades imensas.
    Lindp poema.
    bjos achocolatados

    ResponderEliminar
  19. AC

    no príncipio do mundo, as coisas não existiam

    criaram-se, porque lhes demos um nome

    e eram tantas
    como o pinhal e o potro e a voz da mãe!

    e é belo "Quando as coisas tinham nome..."!

    um beijo

    manuela

    ResponderEliminar
  20. AC,

    Essa desenvoltura de nascer e crescer é sem dúvida a maior prova da vida. Em certos casos dispensa proteção de terceiros. Há descobertas unicelulares que são únicas!

    Bjuxxx e xeroo amigo.

    ResponderEliminar
  21. A suavidade da sua poesia nos conduz para um mundo acalantador. Carinhosamente Óleo.

    ResponderEliminar
  22. Reminiscências da idade do ouro onde saber os nomes era saber as coisas.

    Um privilégio poder ler-[te] aqui.

    L.B.

    ResponderEliminar
  23. Um encanto esta poesia, leveza suavidade...fiquei por aqui lendo, relendo...
    Bjs

    ResponderEliminar
  24. Nasce-nos o medo nos sinónimos que inventámos...perdemos a inocência!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  25. AC, estava a ler Al Berto e antes de me deitar passei por aqui, interessantemente, enquanto lia a bela métrica do poema lembrei-me de um outro que deixo aqui... espero que goste. Beijo.

    Inominado Nome

    Persigo-o no ininteligível arbítrio
    dos astros, na clandestina linfa
    que percorre os túrgidos corredores
    do indecifrável, nos falsos indícios
    que, de fogos fátuos, escurecem

    a persistente incógnita do nome.
    Em persegui-lo persisto onde, bem
    sei, não lograrei achá-lo, que nunca
    achado será em tempo ou espaço
    que excedam meu limite e dimensão.

    Um nome, ainda obscuro, pressinto
    no sal da boca amarga, Conheço-lhe
    o rosto familiar, desfocado embora,
    no halo do tempo e da distância.
    É, creio, a face indefectível de tudo

    quanto tenho de calar. Este nome
    (este rosto) habita-me silente, contra
    a recusa, a mentira, ou a calúnia.
    Na epiderme, nos nervos e na carne,
    sobre a língua e o palato, adivinho-lhe

    forma, sabor e propósito. Ouço-o
    dentro de mim, mau grado
    o queira ou não, que em mim
    só está sofrê-lo porque em mim
    vive e dura, enquanto eu dure e viva.

    E não por meu mal, que meu
    mal seria, mais que perdê-lo,
    sem ele viver.
    Um rosto persigo,
    um nome guardo no sal da boca

    amarga, na pedra árdua da memória,
    no discurso penosamente reiterado
    do sangue. Nenhum silêncio
    lhe dará cobro, nem fim que
    não sejam meu fim e meu silêncio.

    Rui Knopfli

    ResponderEliminar
  26. Uma doçura, esse poema!
    Um beijo por ele.

    ResponderEliminar
  27. Lindo!
    Não é preciso nome para os sentimentos.
    Aqui há sempre um ninho de magia em cada palavra.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  28. Olá AC,
    Bonito poema!
    Saudades desse tempo!

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  29. Texto belo e profundo

    quase um hino ao nome das coisas

    e aos afectos

    ResponderEliminar
  30. O verbo ainda é verbo... O nome disso é poesia!

    ResponderEliminar
  31. lindo o seu poema ! A vida plena sempre existe em algum lugar e o mais importante é termos a consciência disso e principalmente sentir a sua poesia.Deus com certeza privilegiou o poeta! Um abraço

    ResponderEliminar
  32. Olá
    Um lindo poema, onde, sub-repticiamente, aparece a figura maternal, tão habitual nos seus poemas/textos.

    Não tenho sido muito assídua :( e assim continuarei nos tempos mais próximos.
    Não é por minha vontade, mas "outros poderes mais altos se alevantam"...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  33. AC
    Ah que saudade dessas encostas nas montanhas , dessa quietude e silencio onde só ouvia o cantar dos passarinhos e não havia o medo , portas e janelas ao vento e as coisas tinham nome rs
    Achei lindo seu poema quase um conto musicado
    e deu saudades!
    ... de volta ao convívio dos ammigos virtuais , esses que só nao vemos o rosto nao podemos tocar ,mas vemos o essencial - o coração, os sentimentos expostos com essa coisa mágica - as palavras!
    Parabéns, boa semana , espero recuperar totalmente e voltar muitas e muitas vezes pra suas "Interioridades"
    abraços

    ResponderEliminar
  34. Tu és um querido que adoro visitar!
    Obrigada por seu carinho e deixo um beijo com cheiro de mar.

    Boa semana!

    ResponderEliminar
  35. Tem um convite especial pra ti em meu humilde blog....dá uma espiada lá...espero que vc tope!

    ResponderEliminar
  36. Vou também eu re.comentar:
    Ao espreitar no “ninho” do Interioridades, saltitei ao ritmo de cada verso, palavra a palavra, e deparei-me com coisas(extraordinárias!) que não têm nome.
    Tomei a liberdade de ouvir "o canto do melro para lá do ribeiro" e descobri que...

    O nome das coisas
    Que não têm nome,
    São simplicidades do ninho
    Que ganham dimensão
    No aconchego da mãe
    Sempre que abre o coração…

    O nome das coisas
    Que não têm nome,
    São riscos apetecidos
    Que perdem na escuridão
    o lugar sabido
    de um voo cativo
    na palma de cada mão.

    O nome das coisas
    Que não têm nome,
    São memórias escondidas
    Que ganham emoção
    No impulso da palavra
    Que tempera a recordação.

    O nome das coisas
    Que não têm nome,
    São sentimentos de um mundo
    Que em pleno céu entreaberto,
    A medo, nos ensina
    Que o mundo lá longe,
    Afinal, continua tão perto…

    Há coisas que, pela sua grandeza e valor, continuam simplesmente a não ter nome! (e, acreditando que assim seja, nunca poderão deixar de o ter)
    Tentar adjectivar a tua poesia continua a ser uma delas.:)

    Beijo

    ResponderEliminar
  37. Oi , AC !

    Normalmente as coisas são simples,
    nós que temos o mau hábito de as complicar ...

    BjO. :)

    ResponderEliminar
  38. Bonito:
    "E o mundo lá longe
    Era aqui tão perto"
    Muito poético, AC

    ResponderEliminar
  39. Lia o teu poema... e era como se fosse uma canção de criança deslumbrada com a descoberta da vida, das coisas, pura, simples e tranquila, mas também alegre, cantante e divertida.
    E num dia de saudades reparamos que no aqui tão perto o nome das coisas do ali, lá tão longe, é ainda o mesmo, e há outras sem nome, que são as que a gente sente e não sabe explicar!
    Adorei o poema, a simplicidade criança, uma saudade!
    Beijos AC.
    Adorei passar aqui.

    ResponderEliminar
  40. Há dias em que, antes de acordar, me sinto como o potro saltitante e confortável em sua vida como deve ser.
    Um lindo sonho que me permito ter entre as névoas do amanhecer.
    Absolutamente delicioso seu poema. Me fez até feliz.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  41. Logo-logo chega a continuação. Falta só duas partes. Carinhosamente Óleo.

    ResponderEliminar
  42. AC ,
    Fico neste lugar , com a minha mãe potro .

    "Dou por isso, meu trono de princesa,
    e todos os meus reinos de ansiedade. "

    Um beijo ,
    Maria

    ResponderEliminar
  43. AC querido, obrigada pelo carinho! Compartilho desse gostar de me encontrar com seus versos, desse toque nos olhos.

    beijo

    ResponderEliminar
  44. É... Tudo já não se apresenta como antes. O que era serio, virou uma brincadeira, como até mesmo as águas da Ribeira, ex claras, ex límpidas...
    os pássaros parecem que já não mais cantam, apenas um chilro diferente, meio mudo, meio rouco, traduzido num pedido de socorro...
    Já não mais se ouve o galo cantar as 3:00 horas da matina, nem a criança menina, de roda a brincar. Os filhos gritam, os pais se calam, quanta mudança, nem restando hora pra se deitar,
    porque as TVs fazem o drama e o palcop de fantoches, passou pro lado de cá...

    Belíssimo texto A.C.
    Gosto de tuas postagens bem a contexto reais na atualidade em que sobrevivemos...

    Tenha uma linda noite

    Bjs

    Livinha

    ResponderEliminar
  45. Adorei!! Lindo mesmo!!!
    Aguardo sua visita em meu blog que está atualizado com cinco poemas novos. Beijos!!!!!

    João Lenjob.

    Noite e Dia
    João Lenjob

    Quando eu tinha estrelas você anoiteceu
    Me esperando para enfeitar o seu ser
    Quando me fiz sol você amanheceu
    E assim enfeitou meu brilho com ternura
    Fez-se a hora certa e no dia certo a encontrei
    A conheci quando eu precisei
    Curiosamente precisava também
    E assim amamos dando ao céu a lua
    E deixando a vida mais viva
    E vivos nós dois, como o céu de noite e dia
    Como o céu e a alegria
    Como a alegria.

    ResponderEliminar
  46. Assim como Portugal em meu coração
    "E o mundo lá longe
    Era aqui tão perto"

    :))

    Beijo

    ResponderEliminar
  47. Lindo, AC!! Esse é o paraíso, quem sabe, o abrigo mais seguro. Lindo e lindo.
    Beijo :)

    ResponderEliminar
  48. AC. Lindo. Muitas vezes deixamos e perceber o belo que está ai ao ladinho, em busca de horizontes distantes. Meu Pai quando eu era pequenia me deu o seguinte (que guardo até hoje):"Não deixes que a saudades do dia de ontem ou o medo do dia de amanhã, possa estragar a belesa do dia de HOJE." Me fez perceber que era necessário prestar atenção ao que me rodeava no 'hoje' e deixar o amanhã quando as janelas fossem abertas para vive-los.
    Obrigada pelo comentário no Mínimo Ajuste.
    Se desejar ficarei honrada com sua visita lá na minha Casa Também. Ela tem um tudo de Portugal: Minha filhota!ATÉ JÁ AC!
    Com amor e carinho,
    Sílvia
    http://www.silviacostardi.com/

    ResponderEliminar
  49. Bonita reedição..ehehehe
    Um beijo Enorme Querido...;)

    ResponderEliminar
  50. O nome das coisas é um tema delicioso para brncar. pena que não sei fazer poesia nem rimar.
    com carinho MOnica

    ResponderEliminar
  51. Num mundo natural, encostado às montanhas, onde eu pudesse sempre sentir como seguro, o nome verdadeiro de todas as coisas.... era aí que eu gostava de viver.

    Um abraço AC, o que escreve é sempre particularmente especial.

    ResponderEliminar
  52. Simplesmente maravilhoso e como era bom!!!abraços,chica

    ResponderEliminar
  53. A constância dos lugares e das coisas é quase sempre uma fonte reconfortante de segurança.

    Votos de uma continuação tão feliz quanto a destas palavras.

    ResponderEliminar
  54. QUANDO AS COISAS ERAM COMO ERAM E AINDA NÃO TINHA ACONTECIDO A CONTAMINAÇÃO...REINAVA A HARMONIA...NUM MUNDO FEITO DE TERNURA ...O FEITIÇO DOS DEUSES TÃO PROFUNDO...QUE A FELICIDADE ERA MAIOR...

    BELO O TEU POEMA ...DÁ QUE PENSAR...

    BEIJO GRANDE

    ResponderEliminar
  55. Há algum tempo que aqui não passava.

    O seu blog continua variado, vivo e interessante.

    Saudações poéticas

    ResponderEliminar
  56. Por aqui sente-se identidade, ela é tão profunda que post após post sentimos a tua alma que nos enfeitiça com palavras melodiosas. Beijinhos

    ResponderEliminar