terça-feira, 26 de abril de 2011

RIO SEM FOZ

.Hélio Cunha, Estranha Melodia
.
.
.
Procuras, na penumbra, indícios das minhas mãos, mas a água do meu rio corre em múltiplas direcções. A ânsia de tudo querer absorver há muito ficou para trás, e há na sua inquietude uma espécie de serenidade, pois sabe da importância do verdadeiro nome das coisas. É por isso que no meu silêncio há sempre vestígios de aromas silvestres e do canto dos pássaros.
Tu, que queres entender, diz-me: haverá maneira de encontrar um rio sem foz?
.
.
.

90 comentários:

  1. "Tu, que queres entender, diz-me: haverá maneira de encontrar um rio sem foz?"

    Uma questão essencial na corrente inquieta das palavras.
    Reconfortante é saber a "importância do verdadeiro nome das coisas"
    "É por isso que no meu silêncio há sempre vestígios de aromas silvestres e do canto dos pássaros."

    É a serenidade de quem sabe desejar só o possível.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. Não, poeta não.
    De rios, por mais que o lamente
    só conheço o meu,
    já tão esquecido da nascente...

    ResponderEliminar
  3. O rio caudaloso dos desejos poderá eventualmente não chegar a sua foz...ou desaguar num delta...quem sabe?

    abraços

    ResponderEliminar
  4. Só se for o rio de seus desejos. Que no meu caso ja se perdeu a muito.
    bjs uma linda semana carissimo para ti.

    ResponderEliminar
  5. Lindíssimo. Delicado. Inteligente. Profundo. Adorei. Nossa, adorei muito!
    bjs.

    ResponderEliminar
  6. Todo silêncio sempre é cheio de aromas e outras coisas que nem percebemos.
    Ele assim fala.
    Só que gosta do silêncio sabe ouvi-lo.

    ResponderEliminar
  7. Se teu rio corre em diversas direções, és um rio afluente, e pra ser assim, precisas de uma nascente.
    Mesmo que na veracidade das tuas aguas, existam vestígios passados, haverá em algum ponto do caminho a falta do que deixou pra trás.
    E a quietude de quem ficou!
    Lindo!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. não meu amigo...creio que não...

    rios caudalosos de sentimentos precisam desaguar para renovar-se...

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  9. Acredito que não...Linda reflexão.,Instigas... abraços,chica

    ResponderEliminar
  10. O rio que corre em várias direções e não termina na foz, é o rio poético: é o rio de lágrimas que termina não em encontro das águas, mas no encontro com a pessoa amada.

    AC, parabéns por mais essa pérola!

    Até mais!

    ResponderEliminar
  11. ... até já vi um rio

    que não sabia ...

    ... nas corria para o mar

    ResponderEliminar
  12. ".....com o nome Paciência
    Vai a minha embarcação
    Pendulando como o tempo
    e tendo igual destinação
    Para quem anda na barcaça
    Tudo, tudo passa
    só o tempo não" ( do Xote de navegação de Chico Buarque)

    Se chegar à foz ainda resta o Mar.

    ResponderEliminar
  13. as coisas existem antes do nome; mesmo quando ainda não sabemos qual é o nome...

    não considero tão importante o início, nem o fim...o percurso, o curso, o caminho, o fluxo... é onde está meu coração.

    Beijo grande!

    Saudades!

    ResponderEliminar
  14. Meu amigo

    Fases da vida...estações de tempo, serena o caudal do rio transformando em brisa as tempestades encontrando nas palavras a foz do rio.
    Adorei como sempre e deixo um beijinho.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  15. Não há rio sem foz, nem foz sem rio. Beijinhos ;)

    ResponderEliminar
  16. Uma prosa que dá que pensar...
    Eu não sei de nenhum rio sem foz...as águas nascem, correm e se libertam na imensidão do mar...como os afectos que não podem viver apertados entre margens e precisam de se expandir...
    Beijos,
    Manuela

    ResponderEliminar
  17. Talvez aquele que corre nas veias da terra e da alma... :)
    beijo.

    ResponderEliminar
  18. O caminho faz-se caminhando e de facto é andando que se evolui.
    Nessa caminhada encontram-se problemas e soluções, emoções, afectos,companhias incessantemente renovadas.
    É bom
    Reforçará a nossa humanidade.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  19. Sem foz?
    Só se for em nós porque somos nascente...
    Tolice minha, não é?!

    Abraço

    ResponderEliminar
  20. A força de um rio inquieto, que corre em todas as direções, terá uma única foz?
    Um bj querido amigo

    ResponderEliminar
  21. O meu silêncio tem aroma de alfazema, e o teu rio corre num turbilhão de poesia.
    Bjs

    ResponderEliminar
  22. Tio AC *-*
    Lindo o Poema!
    Rio seguro para todas as idas e vindas da vida, onde poema e poeta navegam em sintonia!

    Abraços e tenha uma Ótima semana!

    ResponderEliminar
  23. Tio AC *-*
    Lindo o Poema!
    Rio seguro para todas as idas e vindas da vida, onde poema e poeta navegam em sintonia!

    Abraços e tenha uma Ótima semana!

    ResponderEliminar
  24. Lirica perfeita!
    bom passar por aqui para ler-te !

    um grande abraço!

    ResponderEliminar
  25. Não, mas pode-se navegar nele até o inicio e o fim, em doces águas. beijos.

    ResponderEliminar
  26. O rio corre em direcção à foz, inquieto para poder chegar ao mar...
    «Tu, que queres entender, diz-me: haverá maneira de encontrar um rio sem foz?»
    Não, não existe maneira de se encontrar um rio sem foz!
    Perfeito lirismo interrogativo.
    Excelente.
    Abraço amigo

    .

    ResponderEliminar
  27. Não há rio sem foz, nem coração sem amor...

    Lindo, lindo, meu querido!

    Beijos

    ResponderEliminar
  28. Para encontrar o verdadeiro "nome das coisas",leva o seu tempo.
    Por isso, a necessidade da serenidade que nos leva à persistência... mas julgo que esta (serenidade) continua inquieta como sempre, em busca de um percurso desconhecido e sem fim!
    Porquê? Afinal, aquilo que somos jamais deixou de procurar o novo... de desejar o que não tem explicação...de viver mediante o desconhecido!
    Belo o seu texto, apenas divaguei em torno dele... não respondi à pergunta, não era para responder!
    ABÇ

    ResponderEliminar
  29. Muito bom!!!

    Se achas que ia falar em água!!! Não gosto de me repetir:)

    ResponderEliminar
  30. Bela imagem, belo texto e um paradoxo que nos põe a pensar: "há na sua inquietude uma espécie de serenidade".

    Beijos e boa semana, AC.

    ResponderEliminar
  31. podemos até forjar a inexistência de uma foz,mas o encontro será inevitável um dia...Como desaguar tudo que nos corrói ou aniquila? fELIZ pÁSCOA !

    ResponderEliminar
  32. Quando torna-se rio, todas palavras fluem verdadeiramente.

    Que tuas palavras espalhem-se e alcancem os sedentos de mais.

    Abraços AC e ótima semana amigo!

    ResponderEliminar
  33. Creio que não, amigo.

    Mas tuas palavras, deslizam como a água do rio... belas, suaves e profundas.

    Te desejo um ótimo restante de semana.

    Abraço fra[terno]

    Cid@

    ResponderEliminar
  34. Tu és a própria poesia, AC. Minha admiração é incessante...

    E a água há de sempre querer correr em múltiplas direções, numa dessas, acaba encontrando o caminho perfeito.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  35. Querer entender, sempre um beco sem saída, melhor sentir.
    Sempre me encontro por aqui.
    Bjão, querido AC e super semana

    ResponderEliminar
  36. Há rios sem foz na hidrografia do corpo e da alma.
    Sempre tão bom ler-te.
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  37. não há…mas por vezes tem rios que correm na mesma direção...

    ResponderEliminar
  38. Encontra sempre a foz...O caminho até lá é duro, difícil, mas o que aprendemos faz com que haja esta paz, esta serenidade em que o teu texto mergulha....
    Adorei...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  39. Que esse rio encontre varias vertentes do amor...grande abraço de bom dia...

    ResponderEliminar
  40. AC amigo querido,
    questionamento delicado na profundidade do teu escrito..nele deságua tanto!
    sempre tão bom por aqui..
    beijos perfumados...
    obrigada pelo abraço carinhoso..

    ResponderEliminar
  41. é como um vagar vazio sobre o leito,

    abraço

    ResponderEliminar
  42. Um rio sem foz...é como uma vida sem cor...
    não faz sentido...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  43. "... pois sabe da importância do verdadeiro nome das coisas."
    Falou tudo. Sem mais.

    E, nunca se sabe, o interesante é ir até a fonte.

    Um beijo, e um belo dia!
    Fique com DEUS

    ResponderEliminar
  44. Amigo
    Quando encontrares a foz do teu rio...não aprenderás mais o nome das coisas!!
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  45. "...no meu silêncio há sempre vestígios de aromas silvestres e do canto dos pássaros." LINDO ISSO!

    Abraço!

    ResponderEliminar
  46. Olá...
    ''pois sabe da importância do verdadeiro nome das coisas''...este retalho sacudiu meu espírito.
    Te falo de todo o meu coração que há muito tempo não leio um texto-poema tão denso e real, parece que posso tocá-lo com as mãos.

    ''Procuras, na penumbra, indícios das minhas mãos''..perfeito isso...absolutamente perfeito.

    Você nunca achará um rio que não possua foz, embora possa encontrá-lo sem,no entanto, achar a foz primeiro.

    Obrigado por me deixar descobrir este Blog maravilhoso...agora que sou seguidor, estarei aqui constantemente. Posso? rsrsrs


    Grande ABRAÇO...

    ResponderEliminar
  47. haverá um jeito de encontrar?

    eu já vi, pessoastao perdidas q n sei como tiveram coragem de me deixarem entrar nesse barco, e nem sber a direção, e dps me abandonar no meio d caminho.

    ResponderEliminar
  48. AC,
    Gostaria de conhecer a serenidade mas a palavra que mais ecoa é a inquietude!
    A dupla face do silêncio pode ser acutilante...
    Beijo. :)
    Ana

    ResponderEliminar
  49. na inquietude de um rio, reina a serenidade...
    Beijos achocolatados

    ResponderEliminar
  50. Muito difícil calibrar a importância das coisas: atribuir-lhes o espaço e relevância que merecem, a cada momento. Vivendo e aprendendo, não poderá ser de outra forma.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  51. AC, O deságüe pode ser possível sim, se o outro se fizer lago.

    Beijo meu amigo.
    Com carinho
    Fernanda

    ResponderEliminar
  52. AC,

    Se olharmos para o texto, as tuas palavras são como um rio que corre nas Interioridades de cada um e desagua na foz do leitor…
    Se percorrermos as tuas palavras, transbordam os sentires em diversas direcções e o rio galga as margens (antes mesmo de chegar à foz, a existir... :)
    O durante agrada-me, pois pelo caminho é um rio que cresce com a beleza dos indícios que vão despertando em nós, alimentando-se das serenidades e inquietudes dos seus braços, saboreando o silêncio dos sentidos, o interior do seu “caudal”…
    Um rio que cresce sozinho sem partilhar o seu caminhar talvez nunca chegue a encontrar a “importância do verdadeiro nome” da sua foz…

    Beijo

    ResponderEliminar
  53. haverá maneira
    de saber o nome de todas as coisas?

    quem sabe dos subterrâneos rios, conhece a serenidade inquieta de cada pergunta, AC!

    um beijo

    manuela

    ResponderEliminar
  54. coisas e nomes na confluência dos rios sem foz. e sem margens...

    abraços

    ResponderEliminar
  55. Amigo AC
    Rio sem foz evapora-se ou, então, transforma-se em charco! Na foz, os rios transcendem-se: então, tudo ganha novo significado!
    Abraço

    ResponderEliminar
  56. Um rio sem foz é um rio condenado a não saber da imemsidão de um mar que o espera e onde desaguando se espalha e se mistura nele esquecendo-se de si.
    Tornando-se dois num só.
    Maior,
    Grandioso,
    Único.

    Um rio sem foz?
    É morrer...

    Isabel

    ResponderEliminar
  57. Há rios que não têm foz. Tantos! Na sua ânsia desmesurada, nas suas múltiplas escolhas no seu desnorte, perdem-se e não mais encontram um caminho que os oriente no verdadeiro sentido. O da foz! Oxalá, este rio por onde corremos, encontre a foz certa, metaforicamente falando.

    Beijinhos

    Bem-hajas!

    ResponderEliminar
  58. Um belo dia pra ti mmeu amigo,,,paz e muita poesia...abraços fraternos....

    ResponderEliminar
  59. AC, eu diria que sim, sem dúvida! Excelente narrativa, como sempre!
    Beijinhos,
    Madalena

    ResponderEliminar
  60. Um rio com aromas e sabores e cores...

    Mas sem nome.
    Silêncios que são pura poesia.
    Lindo isso!!!

    ResponderEliminar
  61. Creio que sim, AC. Que existem rios sem foz... secam na permeabilidade dos terrenos que, absorventes, os reduzem a metáforas ou, no desnorte do rumo, caminham nos afluentes de si mesmos, e, na fragilidade das suas águas, secam de igual forma.

    AC bem-haja. O seu texto é sabedoria pura - sentido de vida.

    Fraterno abraço
    Mel

    ResponderEliminar
  62. Ninguém encontra a corredeira , o mar para desembocar se não tiver a essência de querer nascer sempre,reviver,iniciar -se.
    Nascer é ser e carregar seu próprio rio. Fonte inesgotável para quem sabe amar.

    p.s: obrigada ppelo carinho de smepre

    ResponderEliminar
  63. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  64. Ou seria a vida como um rio sem nascente e sem foz, que sai do nada e jamais alcança um destino?

    ResponderEliminar
  65. Um beijinho
    SER PALHAÇO


    Ser palhaço...
    É ser gente...
    E é saber...
    Rir...
    Quando apetece...
    Chorar...
    Ser palhaço...
    Muitas vezes...
    É vida...
    Muito dorida...
    Mas...
    O palhaço...
    Pinta a cara...
    Faz palhaçadas...
    Faz rir...
    E ao ver...
    A alegria...
    Dos outros...
    Também ele...
    Se sente feliz...
    E acaba por...
    Deixar de chorar!...

    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  66. Não seria a foz o mar, AC? Pois o rio não há que correr sempre para o mar? Eu sou um rio à procura do meu mar, e por vezes ele me parece estar em tantos lugares. Noutras vezes, serenamente, o encontro sem procurar.
    Para encontrar um rio sem foz, talvez seja necessário navegá-lo...

    Beijos, poeta

    Carla

    ResponderEliminar
  67. Com foz ou sem ...navegar nos seus textos é uma inenarrável aventura, querido amigo.

    Que delícia poder aportar aqui mais uma vez.

    Beijos e obrigada pelo carinho, sempre.

    ResponderEliminar
  68. Os aromas silvestres e o canto dos pássaros são igualmente apaziguadores...
    Muito bom... como sempre!

    ResponderEliminar
  69. Estou de volta te seguindo!!
    =D

    Bom final de semana!!
    =)

    ResponderEliminar
  70. Agostinho,
    Talvez não haja rio sem foz. Porém, há rios mais caudalosos e atribulados do que outros mais serenos e calmos. Todos eles são fontes de vida que se vai esvaindo na justa medida da distância percorrida.
    Belo texto.
    Grande abraço amigo
    Caldeira

    ResponderEliminar
  71. Se conheceres a nascente do rio, saberás qual o mar que o aguarda...
    Um poema muito belo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  72. Um belo final de semana pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  73. Sim...pode ser...
    Quem sabe o que se reserva..
    Querido amigo, passo para desejar um cauteloso rio neste fim de semana, mas com algumas cachoeiras e quedas, para ficar emocionante. :)
    Super doces beijos,
    Regina d´Ávila.

    ResponderEliminar
  74. rio sem foz? não sei se ... mas ribeiras sem foz há muitas por aqui. cheias de mato cheias de entulho
    kis BFSEMANA

    ResponderEliminar
  75. me remete um pouco a ânsia pelo conhecimento, porém é necessário paciencia, governar os próprios sentimentos. Belo AC.

    Beijos

    ResponderEliminar
  76. Como é bom essa minha viagem a Portugal!!!
    Amada sempre esqueço de oferecer meu lik ,mais hoje ñ esqueci..
    Sou sua seguidora a algum tempo e convido voçê a passar no meu blog pois estou precisando de blogs de Portugal .
    Uma lindo final de semana beijos e beijos meus,Evanir.
    www.aviagem1.blogspot.com

    www.fonte-amor.zip.net

    ResponderEliminar
  77. AC ,
    quem procura indícios de mãos , com certeza preocupar- se-á em saber o nome das coisas e saberá que há rios que procuram outros rios como descanso do seu correr .

    Um beijo ,
    Maria

    ResponderEliminar
  78. O maior rio somos nós. Andamos tão apressados em busca de tudo, que nos esquecemos de mergulhar nas nossas próprias margens e deixarmo-nos levar pela corrente.

    ResponderEliminar
  79. °º♫ Olá, amigo!
    º° ♥
    Rio sem foz?
    Será que ele se perdeu pelo caminho?!...
    °º
    Um lindo fim de semana!
    Beijinhos.
    ✿♥ Brasil ♫° ·.
    °✿

    ResponderEliminar
  80. Um belissmo sabado pra ti meu ammigo,,,abraços.

    ResponderEliminar
  81. Um rio sem foz...na ânsia de chegar...nesta prosa poética ...de múltiplas direcções...alguém há-de te encontrar...

    Beijo

    ResponderEliminar
  82. ...quem sabe..havendo vontade e acreditando verdadeiramente...que sabemos nós afinal!!
    brisas doces

    ResponderEliminar
  83. lágrimas descem...é compreensao pura da existencia...

    ResponderEliminar
  84. AC, sempre surpreendente.

    Seu rio com certeza tem uma foz inesgotável, a ação do homem ou do tempo, não mudou e nem mudará, tanto que caudaloso foi desaguar em mares dantes antes nagevados, sua participação "Entre Marés" me deixou muito feliz, um texto lindo, bem seu estilo, bom demais ver meu amigo sendo reconhecido e merecidamente.
    Parabéns, e me desculpe o sumiço, ando com uns contratempos e faltando com meus amigos tanto admiro, mas é por pouco tempo.

    Bjus Elaine

    ResponderEliminar
  85. "É por isso que no meu silêncio há sempre vestígios de aromas silvestres e do canto dos pássaros."

    Um sopro de brisa veio, suave, e me preencheu os espaços vazios.

    Beijo

    ResponderEliminar
  86. Querido AC...

    Acho que não existe rio sem foz... mas se encontrar, te digo onde fica.

    Lindo!

    Beijos

    ResponderEliminar