sábado, 12 de novembro de 2011

A GARGALHADA DO MELRO-AZUL

.
José Pio, Serra da Gardunha
.
.
.
Nas encostas da Gardunha as folhas vão-se despedindo, lentamente, dos carvalhos e dos castanheiros, atapetando os passos em busca da linguagem do silêncio. Piso-as, agora mais expostas que nunca, quase com receio de as magoar na sua dignidade final. Mas tudo parece tranquilo no seu destino, até o ruído do esmagar das folhas aparenta fazer parte da harmonia envolvente, um quase agradecimento pelo acelerar da passagem a matéria orgânica que sustentará outros crescimentos. A grandeza adormecida das penedias da Estrela, mesmo em frente, é testemunha tranquila do equilíbrio das coisas.
A natureza, porém, é livro sempre aberto, lembrando-nos constantemente que tudo é efémero. Não muito longe, a aconselhar prudência, sente-se o fossar dum javali, e a tensão do perigo altera as tonalidades do silêncio. A sensação do todo, aliada da quietude da alma, esvai-se no instinto de sobrevivência, e o bom senso aconselha a retirada.
Do alto de um pinheiro, em nota de epílogo, irrompe a presença dum melro-azul, em canto com sabor a gargalhada.
.
.
.

82 comentários:

  1. Acho que a gargalhada foi da estrela!!!

    um beijo
    rromí

    ResponderEliminar
  2. Que maravilha! Adorei! Sento contigo toda a emoção! abraços,chica

    ResponderEliminar
  3. Linda a foto.
    Lindo o texto.
    Linda a voz do melro.

    ResponderEliminar
  4. a natureza nos encanta e nos faz ver Deus..
    beijos querido..
    um lindo final de semana..

    ResponderEliminar
  5. Como gostei dessa sua Gardunha! E do texto… quase me fez “adorar” o outono… quase! : )
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Esse canto, que pareceu gargalhada, foi o da vida !

    belo texto!
    :)

    ResponderEliminar
  7. AC.
    Bonita esta gargalhada!!! Adorei meu amigo.
    Beijo e uma flor

    ResponderEliminar
  8. nas penedias
    onde se pressente o começo do mundo, o eco faz gargalhar o chamamento dos melros

    vocalizações com significados diferentes

    se lhe tivesse respondido ainda agora lá estaria, à conversa, com o melro-azul

    um beijo, AC

    manuela

    ResponderEliminar
  9. AC, me pus ao teu lado, a te observar nesse momento de contemplação e palavras à natureza.
    Foram sentidas.

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  10. Olá, grande AC!
    Tua obra é sempre de grande erudição.
    Os vocábulos são coloridos e melífluos a embelezarem e a darem sabor especial a narrativa.
    Cantar a natureza bem assim é privilégio de poucos.
    O melro-azul gorjeou ao perceber a presença do poeta.

    Estás sempre de parabéns pelo virtuosismo.

    Abraços fraternos do amigo dalém mar.

    ResponderEliminar
  11. quis sábio pássaro se por em estado de canto e algazarra,


    abraço

    ResponderEliminar
  12. É ele nos lembra que não podemos voar e observar esta livro entre as nuvens de braços abertos.
    beijos caríssimo tenha um lindo final de semana

    ResponderEliminar
  13. Tudo é efémero, sem dúvida, por isso há que observar e sentir profundamente a beleza da simplicidade que nos rodeia... como um cantar dum melro-azul ou o cair das folhas que já cumpriram a sua missão.

    Adoro lê-lo.
    abraço
    oa.s

    ResponderEliminar
  14. Não sei... talvez o Melro-azul lhe tenha previsto o susto e acertado no seu gesto de se afastar. No fundo, ali, não passava de um intruso... tenho a certeza de que se ria de si. Eu... eu não ri.

    ResponderEliminar
  15. Riu-se do coachar do sapo que teimava em sonhar ser cantos...Bjos achocolatados

    ResponderEliminar
  16. passou a emoção de estar no meio da natureza e saber como é perfeita... obrigada!


    Rosário

    ResponderEliminar
  17. Gostei muito deste texto e da fotografia.
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  19. Meu querido Poeta

    Tudo na vida são momentos efémeros que devemos prender e torná-los eternos.

    Deixo um beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  20. E porque não adiantaram a conversa e riram mais um pouco? Olhos de aprendiz, alma de montanha.
    bjs das 5

    ResponderEliminar
  21. Sou uma apaixonada pela natureza AC , daí o motivo de achar lindo sua prosa seus poemas, voce.
    Também gostas e dela fala com sabedoria.
    obrigada
    um bom domingo

    ResponderEliminar
  22. AC

    Os melros sabem da natureza das coisas. Vigiam-nos no folhear do livro e espantam-nos, depositando em nós o eco do seu próprio canto.

    Lindíssimo!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  23. A.C. ,

    estive lá , apanhando algumas folhas do caminho e deliciando - me com a gargalhada do melro azul .
    Obrigada pela viagem .

    Um beijo ,
    Maria

    ResponderEliminar
  24. Respira-se uma paz... inesquecível...sonhadora...
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  25. Que belo texto, amigo! Senti-me em casa embora a localização geográfica esteja a muitos quilómetros de distância da que aqui é referida. A Natureza prepara-se para o sono profundo, os choupos perdem as folhas e pisá-las dá-me uma sensação triste e quase pecaminosa. Eu sei que elas irão transformar-se em matéria orgânica e "ressuscitarão" mas custa-me espezinhá-las.
    Bem-hajas!

    Abraço fraterno

    ResponderEliminar
  26. Blue bird? só conheço o melro preto
    kis :=)

    ResponderEliminar
  27. Olá, AC!

    É lindo o Outono, revestido a folhas de tons quentes que nos transmitem beleza e paz de espírito. Gosto muito dela; só é pena que seja precursora do Inverno...

    Bonito texto; um abraço.
    Vitor

    ResponderEliminar
  28. Caro Agostinho,

    Picasso não pintaria melhor essa paisagem.Julgo conhecer bem a Serra da Gardunha, a biodiversidade, os cogumelos (uns comestíveis, outros não).A sensibilidade, a sua sensibilidade dá um toque de magia, a esse verde acastanhado que o Outono nos proporciona.Fantástico!
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  29. Um perfeito cenário de sentimentos ao olhar...abraços de boa semana pra ti amigo.

    ResponderEliminar
  30. Cenário maravilhoso!

    Sempre me encanta o coração os pensamentos humanos, as palavras em torno da natureza, com inspiração vinda dela, de sabedoria.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  31. Emerge deste texto uma certa dicotomia na relação do homem com a Natureza, naquilo que esse contacto tem de desejo, respeito e sonho. Desejo de encontro com as raízes, com a essência da vida. Mas para além deste aspecto surge um outro que se lhe opõe. Há, na Natureza, um lado oculto e misterioso que se reveste de uma certa ideia de tragicidade muito bem representada por Munch em "O Grito".
    Não será também o homem, só por si, esse retrato duplo da Natureza: Espanto e Medo?

    Um beijo

    ResponderEliminar
  32. A natureza é, de fato, um livro sempre aberto...e tu fscinas-m com a tua escrita...fazer-me pecar! Ah, pois que a inveja +e pecado e eu invejo a forma doce e tão bem conseguida como falas da natureza que eu tanto amo...
    Obrigada por me permitires beber caa palavra tua como se minha fosse...
    Obrigada por escreveres dessa forma inspirada pela divindade, decerto...
    Obrigada, apenas...
    BShell

    ResponderEliminar
  33. Lindo este texto, dá uma roupagem muito harmoniosa a um outono que nem sempre nos oferece um rosto bonito. Como hoje, olhando lá para fora :)
    Os ciclos da Natureza deveriam ser os grandes mestres. Mas nós desaprendemos, criamos ciclos demasiado artificiais, que nos vão devorando, sem hipótese de fuga.
    Um beijinho e obrigada por este momento.

    ResponderEliminar
  34. Porque gargalha o melro? Porque é ele o senhorio da encosta!
    Caríssimo AC, fabulosa narrativa, como sempre!
    Beijinhos e bom domingo!
    Madalena

    ResponderEliminar
  35. A natureza realmente tem muitas tonalidades para quem quiser estar atento...os seus (des)equilibrios são fonte de novos ciclos!
    tenhamos nós a sabedoria para os desafiar e contemplar!
    Bela imagem este texto...e tb com um melro (estamos a pedir Primavera AC? lol)

    ResponderEliminar
  36. Agostinhamigo

    Um melro-azul e a gargalhar só pode ser em Portugal... onde nem sequer um pardal...

    Mais um excelente desarrincanço, mais um excelente texto, mais uma excelente ilustração. Vir aqui - creio que ainda to não tinha dito - é um verdadeiro refrigério. Obrigado

    Abç

    ResponderEliminar
  37. "deixai-me com as coisas fundadas no silêncio"
    . sophia de mello andresen

    um pouco mais de poesia para o já tão
    belo e poético espaço ^^

    beijos!!

    ResponderEliminar
  38. AC,
    Tão bonito o Outono na Gardunha e que feliz por o poder ver da sua janela!
    O silêncio em duas partes distintas: numa quietude serena e no perigo que espreita toda a harmonia como se a fuga se imponha e do belo se proteja.
    Grata pela beleza do texto. :)
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  39. Ac
    Contemplando a natureza, quase espantado com a "gargalhada" do melro azul, também se cresce... é a força da vida!
    Abraço
    Quicas

    ResponderEliminar
  40. Quase caminhei contigo sobre esse tapete de natural exuberância. Linda a tua descrição. Transformaste em poesia o que para muitos poderia ser um simples passeio.

    Maravilhoso!
    Beijo, AC.

    ResponderEliminar
  41. Eterna apenas a certeza da finitude.

    Paradoxo que a gente se atreve a chamar de vida...e gosta.

    =)

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  42. Uma bela segunda feira pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  43. Vendo a natureza com olhos de poesia! é um dom precioso.Belo texto.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  44. A natureza tem uma magia que contempla os nossos sentidos, a nossa alma.

    Beijo
    Carlota Pires Dacosta

    ResponderEliminar
  45. Que o amor e a amizade
    Qua nasceu entre nós, prevaleça !
    Que você jamais me abandone!
    Porque eu nunca te abandorei!
    Não se esqueça estou te seguindo
    E te amando.
    Logo se Deus quiser voltarei com minhas visitas.
    Beijos com infinita ternura .
    Uma linda semana.
    Evanir..

    ResponderEliminar
  46. Maravilha! adorei a garagalhada do melro, corri para o quintal incentivando os melros que por ali habitam mas...não tive a tua sorte...
    Bjs

    ResponderEliminar
  47. belíssimo texto, com todos os cambiantes e tonalidades de Outono. a que não falta sequer o assobio (desafiador) do melro.

    gostei muito,

    abraços

    ResponderEliminar
  48. A gargalhada do melro azul nos revela a sabedoria de que a natureza não morre renova-se constantemente ao cumprir a transição , as folhas secas, cedem aquela posição e passam a cumprir a função maior de voltar à terra e fomentar a vida das folhas jovens ...Agora são adubo fértil para a continuidade.Quão profunda foi tua observação comparativa A.C.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  49. Muito doce, calmo, e tranquilo seu texto... Parece até que ouvi o barulho das folhas secas serem pisadas...
    Já não me sinto tão só quando te leio...

    Beijos
    Ana

    ResponderEliminar
  50. Caro AC

    O outono, para mim, é das estações mais lindas, precisamente pela magia como a descreve tão bem nesse seu texto numa prosa poética belíssima.

    O título, 'A gargalhada do melro-azul', adorei-o! :)

    Abraço

    Olinda

    ResponderEliminar
  51. É verdade!Tudo é efémero!

    Beijos carinhosos!

    ResponderEliminar
  52. metáforas sábias, a que há muito nos habituaste.
    incrivelmente lúcido o raciocínio da Lídia.

    vim matar uma saudade.
    beijo :)

    ResponderEliminar
  53. Meu Deus, amigo, você escreve tão bem, que parece que te leio com os olhos da alma!
    :)

    Lindo, lindo, e lindo!
    Passeei por esse caminho e me deslumbrei.
    Obrigada por isso.

    Tudo de bom pra você.
    Hoje por aqui, estamos no feriado da Proclamação da República.

    Abraços,

    Cid@

    ResponderEliminar
  54. Excelente retrato de um local muito belo. A Serra da Estrela, e a sua flora.
    A natureza é o melhor dos pintores e presenteia-nos com belos quadros, como este que o amigo descreveu com maestria.
    Um abraço e muito obrigada pelas visitas lá no meu cantinho.

    ResponderEliminar
  55. Que texto bonito e aconchegante!, AC, por alguns
    instantes cheguei a entrar nesse livro aberto,
    pleno de harmonia e beleza!!!

    beijos :)

    ResponderEliminar
  56. palavras sábias e ricas para definir a natureza na sua plenitude.

    como sempre um belíssimo texto.

    um beij

    ResponderEliminar
  57. Quanta sensibilidade! Poesia em prosa e a natureza agradece com o canto do melro-azul.

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  58. Um apontamento maravilhoso, não menos que a fotografia que o ilustra.

    Obrigada.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  59. Querido AC,

    As tuas fascinantes palavras deram à natureza, um esplendor singular.

    A imagem da Serra da Gardunha parece uma pintura. É tão linda quanto tudo o que escreves.

    Beijos encantados,
    Inês

    ResponderEliminar
  60. Boa noite poeta...
    Tão sereno e lindo que me fez imaginar e sonhar com a serra da Gardunha.Sempre que passo aqui além do prazer, sinto uma paz interior muito grande.
    beijos da Néia do Palavriando

    ResponderEliminar
  61. Meu Deus, que texto mais lindo! Você me surpreende, não somente com o que escreve, mas com o carinho de sempre me visitar e deixar sabedorias no meu humilde Blog. Longe de mim está tal fineza de estilo que você já conseguiu, mas escrevi agora um texto que, coincidentemente,também, como o seu, fala de uma ave, o Bem-te-vi. A minha ave traz recordações que descrevo. Gostaria que também visse este. Beijão.

    ResponderEliminar
  62. Lindo canto de Outono, a condizer com a magnífica fotografia! Adoro esses chãos atapetados de que fala e o silêncio e a beleza multicolor das árvores nesta estação.

    Beijos
    Branca

    ResponderEliminar
  63. não existe paisagem mais linda que os tapetes de folhas forrando o chão...

    ResponderEliminar
  64. Um belo dia pra ti meu amigo...abraços fraternos.

    ResponderEliminar
  65. Composição perfeita!

    Um beijooO* meu querido amigo

    ResponderEliminar
  66. Hola, muchas gracias por comentar en mi blog, sobre todo porque me ha permitido conocer tus escritos. Aunque el idioma es diferente, se parece tanto que no me hace falta ni traducir. Por eso comprendo la maravilla de tus textos, es como una sensación de belleza que se introduce en el alma mientras vas leyendo. Que preciosidad!
    Besos.

    ResponderEliminar
  67. De todas as flores que colhemos nos campos,
    a Amizade é o único sentimento que os ventos podem soprar,
    mas, suas pétalas jamais cairão.
    Estou com uma infinita saudades.
    A partir do dia 25 estarei voltando se Deus quiser.
    Farei o possivel para ir fazendo visitas visitas a noite.
    Beijos com infinitas saudades.
    Evanir

    ResponderEliminar
  68. Hoje, depois de 9 horas de trabalho seguidas houve tempo para ir à praia surfar, num sol quente que ninguém diria que estamos no Outuno... ;)

    ResponderEliminar
  69. Meu amigo


    Vim partilhar...

    Fins de Novembro tenho um livro novo de Poesia.

    Cantar África
    208 paginas
    Todas com imagens
    Preço 12.50

    se quiseres um ou mais diz para eu reservar e envia-me a direcção

    É um bom presente de Natal..
    beijos

    ResponderEliminar
  70. Lindo texto. Bem poético. Adorei a visita. beijo

    ResponderEliminar
  71. Meu amigo, linda esta sua natureza, e com o remate final perfeito :)
    Imagem linda também.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  72. "A natureza, porém, é livro sempre aberto"...

    e eu acrescento: que neste lugar se lê muito bem.

    obrigada pela leitura lá no chão.

    um abraço

    ResponderEliminar
  73. ♡°
    º✿
    º° ♥✿
    Olá, amigo!
    Se não fosse pelo javali eu também queria passar por esses caminhos e ouvir o melro cantando.
    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    Minas

    ❣✿

    ResponderEliminar
  74. Um belo sábado pra ti meu amigo...abraços...

    ResponderEliminar
  75. .

    . de facto . tudo é efémero . porém permanece a supremacia de um olhar . assim descrito .

    .

    . um abraço .

    .

    .

    ResponderEliminar
  76. brilhante, brilhante, brilhante!
    tantos dos meus sentires enquanto percorria toda a beleza de Manteigas ou Seia. Ai quantas saudades!!!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  77. Tu és esse melro azul...escreves maravilhosamente bem ó encantador de palavras !!!

    Beijo:)

    ResponderEliminar
  78. Uma sinfonia harmônica com um belo canto final.

    Aqui perto de casa há um pedaço de floresta, parecia que estava andando por lá.

    Abraços

    ResponderEliminar
  79. Dignidade final? Quem é digno é digno Sempre até ao final. Sem murros nem bejos, apenas com um leve bailado com um sorriso de um adeus...
    Como é possivel escrever "fossar de um javali" de uma sombra que o acompanha nos ultimos anos? Numa viagem atemporal?E que lhe alimenta o ego, dia após dia...como o refúgio dos seus sentidos? Que está tão longe , mas talvez o perto fosse abismo para ambos...Não terá deixado cicatrizes endógenas a essa e a outras sombras que o seguem...Haja respeito pelas sombras do seu passado, porque isso de escrever bem , não basta! É necessario ter uma Alma elevada e purificada, pois não se reserva apenas a si fazer mal aos outros. Talvez a nuvem 1 tenha tido a função de lhe direccionar o Caminho do Bem e o Respeito por todos os seres humanos com quem vivifica. Mude a atitude seja digno das suas lindas Palavras...

    ResponderEliminar