sábado, 26 de novembro de 2011

OXIGENAÇÃO

.
Fotografia de al-Farrob
.
.
.
Desmontou da bicicleta no cruzamento que dá acesso à Pedra d'Hera, no caminho rural que liga o Souto da Casa a Alcongosta, e prendeu-a com o cadeado no tronco carcomido dum velho castanheiro. Olhou em volta e, por momentos, deixou que a vista se espraiasse na tonalidade outonal dos cerejais que se espalhavam pelo vale do Alcambar, verdadeira sinfonia pinturesca em tons cambiados de verde, amarelo, castanho, laranja... Resistiu à tentação de se perder naquela beleza e iniciou a marcha que a levaria ao Picoto, local privilegiado onde costumava sentir uma serenidade que estava longe de encontrar na cidade.
À medida que subia apercebeu-se que as surribas feitas pelos plantadores de cerejeiras continuavam a trepar a serra com uma avidez feroz, pondo a nu as fragilidades da política ambiental para aquela zona, se é que realmente havia alguma. Aquilo doía-lhe profundamente, pois a mancha de castanheiros e de carvalhos, que caracterizavam a Gardunha, estava a desaparecer a olhos vistos, com o silêncio cúmplice duma opinião pública que nunca se assumiu como tal.
Tentou alhear-se do problema, pois estava ali com outros intuitos, e alargou o olhar. Em volta, para seu deleite, e impregnando a paisagem de uma dignidade nostálgica, os castinçais começavam a mudar de cor, com uma policromia que tocaria a mais indiferente das criaturas. Inês começou a sentir o efeito da atmosfera envolvente e, a pouco e pouco, foi apaziguando os seus pequenos demónios interiores. Nem a carcaça duma velha máquina de lavar, a cinco metros do caminho, lhe conseguiu desfazer aquela sensação reconfortante. Os diabinhos do seu descontentamento ainda deitaram a cabeça de fora, tentando explorar a pouca fé que lhe restava na espécie humana, lembrando-lhe a notícia sobre os detritos perigosos que alguém, com certeza com as mãos muito bem untadas, andava a depositar na Serra dos Candeeiros. Mas Inês estava a entrar no seu território, e ali era-lhe relativamente fácil resistir a negativismos. Continuou a subir, sentindo-se cada vez mais ligada à paisagem.
Quando chegou ao Picoto, o seu refúgio de eleição, trepou os rochedos e instalou-se no cume. À sua frente tinha a majestosa Estrela, o enorme gigante adormecido, e entre as duas serras espalhavam-se os promissores campos da Cova da Beira, iludidos durante décadas com a promessa de um regadio que já usava bengala carunchosa. Assomando dos lados de Belmonte, vindo duma Estrela generosa em recursos hídricos, o Zêzere era um arremedo do rio cheio de vida de há uma trintena. Vítima de uma mistura explosiva - ignorância, incompetência e ganância - em poucos anos transformara-se num rio moribundo, suscitando nas populações ribeirinhas a nostalgia dos refrescantes banhos estivais e de frutuosas pescarias que patrocinavam animadas tertúlias. Reparou, sem surpresa, que o casario entre o Fundão e a Covilhã era cada vez mais intenso, trazendo à liça da memória as previsões daqueles que auguram, a médio prazo, a formação de uma pequena metrópole.
Inês recostou-se sobre um grande bloco de granito e deixou-se invadir pela quietude do local. Quando ali estava os pequenos dramas da sua vida relativizavam-se, como se tudo fosse ínfimo perante a transcendência da vida. Acabara há pouco tempo a relação com o Fernando, e precisava de oxigenar o cérebro. O antigo companheiro, que tanto prometera nos tempos de enamoramento, fora uma desilusão. No final, quando tudo se resumia a nada, Fernando refugiara-se no sofá da sala, base da sua central de zapping. Pôr-lhe as malas à porta, mais que o corolário de uma relação falhada, fora o sinal de que continuava a lutar contra a resignação, que não desistia de encontrar o seu lugar no mundo.
O espírito do local invadia agora Inês na sua plenitude. Deixou que a alma absorvesse aquela amálgama de tranquilidade, sentindo um equilíbrio interior que a fazia estar de bem com o mundo, e deixou que a noção de tempo se fosse esvaindo, a pouco e pouco, até desaparecer por completo.
Enquanto descia, liberta dos seus diabinhos, foi enchendo a pequena mochila de castanhas. Juntamente com uma boa jeropiga, seriam um excelente pretexto para, ao serão, juntar meia dúzia de amigos. A felicidade, estava cada vez mais convicta disso, também passa pelo usufruto dos pequenos prazeres da vida.
.
.
reedição
.
.
.

64 comentários:

  1. Isso sim é oxigenar a alma.
    Bela crônica.
    Beijos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. uma mensagem muito boa para nunca desistir do sonho de pertencer

    um beijo em ti A.C.

    ResponderEliminar
  3. Como são alentadores os textos deste blog. Sempre que leio um ou outro, saio daqui mais leve.
    Saudades, A.C!

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Que maravilha, texto e foto!!! abraços,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  5. Ac
    A gente precisa de todo tipo de oxigenio para sobreviver na vida. Uma boa leitura então é uma delicia!
    com carinho e amizade Monica

    ResponderEliminar
  6. AC
    Belissima imagem e texto!!! Adorei.
    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Caro AC, não me dê ideias, que tenho ali um monte de castanhas! Não tenho é jeropiga, e agora?
    O conto: denso, envolvente.
    Beijinhos, bom sábado!
    Madalena

    ResponderEliminar
  8. nos detalhes germinam os alumbramentos, quando a vida faz viço nos olhos e nos sentidos



    grande abraço

    ResponderEliminar
  9. Pela palavra
    também se dá a calma
    (e oxigena a alma)

    Tenho castanhas
    Batatas doces
    Jeropiga
    Amigos
    ...e assim se passará um serão
    ganhe quem ganhar
    no jogo que vai passar
    daqui a pouco na televisão

    ResponderEliminar
  10. AC,
    gostei muito da tua prosa, dos pormenores subtis e destes aromas de outono!

    Um grande beijinho!

    ResponderEliminar
  11. Uma caminhada para a oxigenação do cérebro.
    Nesta vida todos precisamos de espaços assim abertos, convidativos para nos libertamos de pressões interiores.

    E para concluir nada melhor que juntar-se aos amigos e com eles saborear castanhas ou simplesmente falar e acertar ideias.

    ResponderEliminar
  12. na verdade é nos pequenos prazeres da vida , na sua simplicidade que encontramos a felicidade, e quando os nossos diabinhos queres aprontar nada como um passeio pela natureza para os apaziguar
    bjs

    ResponderEliminar
  13. e como são importantes para nossa felicidade AC..
    lindo texto como sempre..
    beijos perfumados querido.

    ResponderEliminar
  14. tão calmo o caminho

    e Inês

    o oxigénio alimenta as serras e as mulheres
    e torna doces as castanhas

    um beijo

    manuela

    ResponderEliminar
  15. Lindo.
    No meio do caos que é às vezes a vida, temos que procurar a felicidade onde é possível. E está muitas vezes nas coisas simples.

    ResponderEliminar
  16. E, às vezes esquecemo-nos que a vida é feita de pequenos prazeres que não devemos desperdiçar...
    Porque temos que respirar.....
    Lindo....
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  17. Apesar do desconforto de vermos a deterioração da natureza e a exploração desatinada de seus recursos, apesar de falharem os sentimentos que se sentiam verdadeiros, ainda assim, é preciso manter no coração uma chama de esperança para retirar dos momentos da vida a paz possível e sentir prazer no que ela generosamente nos concede.Linda a mensagem do seu texto!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  18. Um deambular por caminhos diversos, a caminho da tranquilidade e da paz interior.
    No regresso, a disposição renovada para a partilha.

    Muito bom!

    Lídia

    ResponderEliminar
  19. Nada como ver um problema resolvido para nos sentirmos em paz e de bem connosco próprios.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  20. Um texto soberbo: eu, tal como Inês, preciso de ir à aldeia paa fazer essa terapia mental...

    Pena que haja pessoas insensíveis à beleza e pureza da terra e não tenhm pejo em nela dsepejar detritos...
    lamentável.
    Te abraço.

    ResponderEliminar
  21. º°❤
    Olá, amigo!
    Castanhas eu conheço mas não sei o que é jeropiga.
    Boa semana!
    Beijinhos. º° ✿
    ♫° Brasil
    ·.♪
    ❤♥

    ResponderEliminar
  22. Tivesse eu certeza de "reencarnação", teria eu sido esta Inês. A visão da Estrela, já tive uma única vez, quando fui ao lindo Norte dessa linda terra. Que paz me deu, essa leitura, AC.

    Obrigada, por essa Oxigenação! Perfeita, para minha manhã de Domingo.

    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  23. Olá AC

    Nada melhor para lavar a alma e acalmar pequenos diabos interiores do que andar pela Natureza e aspirar o ar a plenos pulmões ...

    Mesmo assim, tal como Inês, não podemos deixar de notar o descaso de quem de direito e de nós próprios, como cidadãos, perante o corte de árvores e a poluição de rios.

    Mas haja castanhas quentinhas e boas e jeropiga para afogar as nossas mágoas... :))

    Texto lindo e profundo!

    Abraço

    Olinda

    ResponderEliminar
  24. Subscrevo inteiramente o pensamento que remata este texto. A par da descrição exemplar, é igualmente notável a demonstração do efeito terapêutico que produz o contacto com a natureza. De tal modo, que a simples leitura é, em si mesma, reconfortante.

    Parabéns e um abraço :)

    ResponderEliminar
  25. Arrepiante AC
    A natureza é sempre uma boa conselheira...comungar com ela é dos maiores prazeres que sinto quando preciso refugiar-me e ficar só. O bom é saber que parece existir um recanto algures à nossa espera que nos transmite esta sensação de paz e plenitude! :)
    Vir aqui, neste momento proporciou-me isso
    Abraço e BFDS

    ResponderEliminar
  26. A beleza harmoniza o pensamento e relativiza os problemas. Quem não se rende à Natureza?
    A sua magistralidade cria laços mais fortes que o micro-mundo onde vivemos e nos relacionamos. A dor pode ser difícil de esquecer... mas o tempo apaga-a.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  27. Lá fora, desde ontem, chove a cântaros, mas aqui, aconchegada no meu ninho, oxigenei o cérebro, e colhi castanhas com Inês...
    E foi tão bom!
    :)

    Obrigada por isso!

    Forte abraço, e seja feliz.

    Cid@

    ResponderEliminar
  28. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  29. AC

    Quando nos deixamos encontrar com a natureza, percebemos pelas cores e pelos silêncios, nos aromas ou nos sons que nos acordam os sentidos, o quanto dela fazemos parte. Nesses momentos, doem-nos as suas feridas como se fossem chagas sem remédio na nossa pele, e compreendemos o quanto lhe fazemos mal enquanto nos esquecemos que a terra é parte da vida que possuímos.

    É-me tão familiar a viagem de Inês...

    Excelente trabalho!!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  30. Uma gostosa leitura. Fui criando as imagens em minha retina. Um lugar tranquilo, silencioso, bonito...Esse contato com a natureza nos deixa mais leves, relaxados, mais bem dispostos. Um lugar de paz. E foi isso que seu texto me proporcionou, um momento de paz e relaxamento. Grata pela visita e comentário em meu blog. Bj.

    ResponderEliminar
  31. INTERIORIDADE invadida pela paz e quietude da paisagem.
    abço

    ResponderEliminar
  32. a natureza por vezes faz milagres.

    um texto muito bom, como já nos habituou o seu autor.

    bom fim de domingo e uma bao semana!

    beij

    ResponderEliminar
  33. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  34. Quando temos estes encontros com a natureza, sentimo-nos invadidos por uma tranqulidade que nos desperta os sentidos. Lindo o teu texto!

    ResponderEliminar
  35. Voltar a casa...retornar sem regredir. Belo.

    um beijo,

    rromí Zerafim

    ResponderEliminar
  36. Agostinhamigo

    Reeditaste e fizeste muito bem. Lembrar as coisas boas é uma virtude e um mérito.

    Entretanto, aviso-te de que Hjtksdt ywsqjhr mjvnzxc (*)

    (*) Na nossa Travessa há extraterrestres

    ResponderEliminar
  37. Pquenos prazeres nos geram garnde sfelicidades, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  38. Muitas vezes precisamos desse momento de retorno...uma bela semana pra ti meu amigo.

    ResponderEliminar
  39. Tudo que sai de sua escrita nos enaltece, nos encanta. Acredito que a felicidade está na simplicidade.

    BeijooO*

    ResponderEliminar
  40. Olá, AC!

    Primeiro o olhar de desencanto, depois o reencontro:Desse nicho só nosso onde tantas vezes nos reencontramos connosco e com a Natureza, oxigenando o corpo e o espírito, para de novo olhar a vida.

    Que pena que tão mal tratemos aquilo que nos é indispensável para viver - e sobreviver; é a mais pura cegueira...e uma pena!

    Abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  41. A natureza faz milagres que as pessoas não conseguem: alimenta-nos a alma, tranquiliza-nos o coração que, ás vezes,bate por quem não deve e devolve-nos a paz primitiva sacudindo
    a tempestade.
    Belissimo texto.
    Bj e boa semana.
    Graça

    ResponderEliminar
  42. Fantástico e delicioso.
    Quando a infância era infância... A descrição de uma paisagem pela qual sou apaixonado.
    Parabéns por todo este brilho.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  43. Enquanto lia o seu conto, parecia-me estar viajando por essas plagas desconhecidas... Um beijo, AC!

    ResponderEliminar
  44. Oi Ac,

    Mais uma vez me levas em viagem em tuas palavras.
    Adorável.

    Estou precisando de contato com a natureza, ando nessa mar de prédios e cinzas.

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  45. Olá, grande amigo!
    Seu conto está uma maravilha.
    Não há nada para recompor uma fase desiludida da vida do que o cenário descrito tão bem pelo narrador onisciente e extradiegético. Nossa heroína Inês, procurou sua catarse psíquica, pois já possuía a pureza física, na natureza, para se refestelar e seguir seu curso vital empós a intempérie.
    És deveras um mestre também na narrativa. Esse colorido lembrou-me de Homero.

    Parabéns pela versatilidade!

    Abraços fraternos do amigo de além-mar.

    ResponderEliminar
  46. Perfeito texto.
    Levou-me ao topo do monte e a vislumbrar alguma felicidade.
    Castanhas e vinho, um excelente pretexto para juntar amigos...

    Beijo

    ResponderEliminar
  47. A Natureza tem o poder de nos restaurar, de nos
    renovar e sempre nos traz de volta o que pensávamos haver perdido: o oxigênio para VIVER!

    beijoss :)

    ResponderEliminar
  48. lavar os olhos na paisagem e mergulhar no horizonte...

    "perco-me" em paisagens assim...

    gostei muito do texto.

    ResponderEliminar
  49. Tão belo este texto AC!

    Ao mesmo tempo feito de tantas e actuais realidades e de tanto boculismo que faz retornar à paz interior da comunhão com a natureza que somos e na qual nos encontramos.

    Saudades que tive de um sítio ali bem perto destes que descreve, em Sabugal, a aldeia do Soito, é assim mesmo a sua toponímia, apesar de alguns mapas lhe chamarem Souto, como aliás seria lógico ser, pois são imensos e centenários alguns dos seus castanheiros, alguns já com os troncos secos, mas mesmo assim muito belos.
    Passei por lá alguns tempos que me souberam muito bem.

    Deixo beijos e saudades.
    Branca

    ResponderEliminar
  50. Depois da leitura, leveza...

    Muito bom!

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  51. Uma descrição perfeita e muito bucólica. Um encanto só.
    Grata pela sua atenção nas minhas páginas na revista LETRAS ET CETERA
    Abraço

    ResponderEliminar
  52. Seja na Beira ou na Madeira :), a natureza é uma verdadeira benção. Pagaremos caro o constante desrespeito.
    O texto é magnificamente sensorial :)
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  53. Da beleza do bucólico...A vi toda aí.

    =)

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  54. "Enquanto descia, liberta dos seus diabinhos, foi enchendo a pequena mochila de castanhas. Juntamente com uma boa jeropiga, seriam um excelente pretexto para, ao serão, juntar meia dúzia de amigos. A felicidade, estava cada vez mais convicta disso, também passa pelo usufruto dos pequenos prazeres da vida."
    És perfeito até na reedição, AC!
    Bjo, querido.

    ResponderEliminar
  55. A simplicidade da natureza.
    As saudades do ar...simplesmente do ar.
    Nem que fosse para fechar os olhos por um instante e voltar a respirar assim.

    ResponderEliminar
  56. Gostei de sentir esta interioridade bonita, do sentir das serras da vista delas!
    Vi a vista da Gardunha a norte, mas não esqueço a austeridade da Gardunha de sudeste, a de Castelo Novo e de Alpedrinha!
    Foi lindo ler-te... obrigado.

    ResponderEliminar
  57. Um texto muito bonito, em que Inês parece procurar na beleza da natureza, força interior para deixar de vez as recordações de uma relação falhada. Gostei.
    Peço desculpa por não ser muito constante este mês, porque nesta época sempre tenho alguns trabalhos de artes decorativas para fazer e fica-me menos tempo para a escrita e para as visitas.
    Um abraço e muito obrigada pelas visitas ao Sexta.

    ResponderEliminar
  58. Um texto ao meu jeito: a natureza...a procura , o encontrar-se...
    Na natureza me alheio de tudo qaunto me magoa e encontro a Paz...
    Obrigada...Bj
    BShell

    ResponderEliminar
  59. Um belo sábado pra ti meu amigo...abraços fraternos.

    ResponderEliminar
  60. º°♥❤ Olá, amiga!
    ❤ BOM FIM DE SEMANA!!!
    º°❤ Beijinhos.
    ♥❤ Minas.

    ResponderEliminar
  61. Bem precisamos de oxigénio, sim...que o país está asfixiando!

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  62. Muitas vezes é difícil encontrar a beleza crua entre a marcas da presença hostil do ser humano, mas nem por isso devemos deixar de apreciar as pequenas coisas.

    Alguns textos trazem palavras que não usamos mais por aqui, nada que um dicionário não resolva, mas é meio triste pois percebemos como a linguagem está cada vez mais pobre deste lado do mar.

    Abraços

    ResponderEliminar
  63. fazes magia com as palavras mais simples..
    amo estar aqui..
    beijos sempre...

    ResponderEliminar
  64. Vou publicar numa rubrica há muito tempo parada:)))

    Se não quiseres ordena que eu retiro:)

    Beijocas

    ResponderEliminar