sábado, 24 de março de 2012

RESPIRARES DA LUA NOVA - 2

..
.
Pablo Picasso, O poeta
Pegou num monte de sapatos, observou-os com atenção e separou os que lhe pareciam em melhor estado. A alguns ainda se aproveitava a base, mas não durariam muito. Cada vez mais se socorria dos pneus de automóvel, em grande abundância nas redondezas, resquícios de emblemas da era dos combustíveis fósseis. Havia ali material para muito tempo.
O maior proveito via-se nas partes laterais. Os saltos, mais sujeitos ao desgaste, eram a parte que exigia maior atenção, mas ainda havia em stock muitos exemplares de salto alto, que agora já ninguém usava. A vida prática que levavam abolira por completo o supérfluo, e os saltos arranha-céus eram agora manancial para muitos outros mais adequados ao andar.
A princípio custara-lhe a entrar na morfologia do calçado, nada condizente com o antigo teclar, mas ganhou-lhe o jeito em pouco tempo. No acampamento, com o passar das luas, todos foram ganhando consciência do fundamental, e uns sapatos robustos e resistentes satisfaziam qualquer um. Mas não a ele. Tinha alma de artista, diziam, e sentia necessidade de pôr a sua marca naquilo que fazia. 
Quando lhe sobrava algum tempo começou a tentar dar vida aos sapatos. Aprendeu a gravar figuras no couro, a amaciá-lo, mas poucos ligavam aos seus devaneios, preocupados que estavam com a sobrevivência.
Ana, perfeitamente integrada no espírito do acampamento, só recorria ao sapateiro quando os sapatos que trazia já se revelavam inúteis. Chegado o momento, um acto banal tornou-se a porta de entrada na alma do artesão. Quando viu uns sapatos, mesmo à sua medida, com uma flor gravada no rosto, não hesitou: calçou-os e mirou-os como coisa preciosa. Na luta pelo sentido das coisas, aprendera por ali que muitas são as formas de fazer poesia.

.
.

63 comentários:

  1. E assim é a vida, se deixarmos os "sapatos" jogados esquecidos deixaremos para trás a alma deles como meros objetos que não servem mais.
    Amei.
    bjs

    ResponderEliminar
  2. Ana pés de palavras escreve no chão, e a gente encontra, vagando pelo interior, esses trechos de viagens, prosas e poesias.
    Você é mesmo um escritor :)
    beijoss

    ResponderEliminar
  3. "Todo o tempo é de Poesia..." sobretudo em tempos emergentes em que é preciso mudar o jeito de nos calçarmos!
    Calcemo-nos então com uma flor gravada...no rosto do sapato!

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Gostei.

    A poesia está em tudo e em todo o lado.

    Bom fim de semana.

    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Muitas são as formas de fazer poesia, e muitas são as formas de felicidade, desde o essencial ao supérfulo, com tudo o que está no meio.
    Muitas são as formas de fazer poesia, este texto e este blog contam-se entre essas formas.
    Gostei muito das mensagens que li ao longo do texto, todas elas para reflectir!
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  6. Se fores falar sobre uma pedra jogada a esmo, imperceptível para olhares comuns, se fores falar do nada, do que nem existe, ainda assim a poesia se fará pelas tuas palavras.

    Imensa admiração.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  7. Viver a vida a sorrir é das formas mais inteligentes de enfrentar a vida!

    ResponderEliminar
  8. Mesmo quando se tem de viver apenas com o essencial, a beleza e a poesia são fundamentais.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  9. no acampamento

    prodigioso é o sapateiro
    e Ana

    belo, é tudo o que tem rosto

    um abraço, AC!

    ResponderEliminar
  10. No fundo, o sapateiro era um poeta que sabia que nem só com palavras se faz poesia. Bonito, AC. Um beijo!

    ResponderEliminar
  11. A minha é uma luta inconstante de coração sangrando de sofrimento pelas coisa que fazem sentido na minha vida. infelizmente não consigo ver,nem sei se alguma vez voltarei a ver o meu sorriso.

    Beijinho e uma flor meu amigo

    ResponderEliminar
  12. Olá, AC!

    Bela imagem, esta do sapateiro poeta, escrevendo os seus versos nuns humildes par de sapatos.

    Bom fim de semana; abraço amigo.
    Vitort

    ResponderEliminar
  13. há tantas formas de se fazer poesia, tantos espaços para os versos, e tantas mãos para o labor poético,



    abraço

    ResponderEliminar
  14. Faz-se poesia quando o simples se torna belo.
    Mágico!

    bjs AC
    cvb

    ResponderEliminar
  15. Puxa AC,não sei dizer qual o melhor trabalho deste artesão : consertar os sapatos dando-lhes vida nova ou se imbuído desta simplicidade tornar-se mágico das palavras, criativa comparação que você traduziu neste conto ...O cotidiano também é poesia.

    ResponderEliminar
  16. E esses são os momentos mais marcantes da nossa vida...
    O reencontro com a nossa alma, por vezes esquecida, com a simplicidade da beleza...mesmo que os outros considerem banal...
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  17. Pequenas coisas que nos fazem crescer...:)
    Beijos AC

    ResponderEliminar
  18. E como é lindo quando chegamos a esse entendimento! Lindo demais!!abração,chica

    ResponderEliminar
  19. AC, meu queridão, um belíssimo texto!
    Há na poesia um universo de infinitudes, cabe ao olhar sentir as claridades e sombras.
    Um bj imenso, poeta

    ResponderEliminar
  20. Surpreendente essa sua lapidação da sensibilidade.
    Um sapateiro poeta!...
    Sempre haverá uma "Ana" para perceber isso!
    Boa semana!
    Beijinhos.
    Minas.

    ♫♫.•*¨*•♫♫¸

    ResponderEliminar
  21. Lua de tantos suspiros e tantas poesias...abraços de boa semana.

    ResponderEliminar
  22. Temos que nos adaptar aos novos tempos sem perder o gosto e a sensibilidade, não é?
    A flor encanta sempre. Picasso foi uma escolha interessante... o prisma em que queremos ver.
    Beijinho. :)

    ResponderEliminar
  23. Enquanto houver vida haverá poesia pois ela alimenta-se dos olhares e sentires do sangue que pulsa...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  24. Que maravilha. Voce conseguiu simplificar e entender a alma poetica do artesão principalmente aquele que faz sapatos tão belos.
    com amizade e carinho de Monica

    ResponderEliminar
  25. A poesia tem origem na alma e se exprime de muitas maneiras,Vê-se muita poesia na arte das mulheres que fazem rendas,por exemplo...no seu sapateiro que soube expressar a delicadeza de uma flor que entrou de cheio no coração da moça.Muito bonita a imagem.Uma menina do "meu tempo" nunca esqueceria o seu primeiro par de sapatinhos de "salto alto".
    Um abraço

    ResponderEliminar
  26. Realmente, basta querer, que a gente consegue enxergar poesia em tudo.

    Obrigada, amigo, por escrever coisas tão lindas!
    :)

    Receba meu abraço afetuoso.

    Tenha uma semana bem linda e feliz, repleta de poesia.

    Cid@

    ResponderEliminar
  27. Surpreendente!

    Para ler e guardar na vitrina das coisas belas.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  28. Eu gosto do que você escreve, AC.

    A poesia está em todo lugar... só precisa de olhos pra ver e alma pra sentir.

    Feliz semana, poeta!

    ResponderEliminar
  29. Com o teu toque poético e grande sensibilidade,transformas algo vulgar num belíssimo texto!
    Bjs

    ResponderEliminar
  30. para ler e reler querido..
    teu escrever encanta..
    beijos de carinho e saudade.

    ResponderEliminar
  31. Aquilo que não faz sentido é procurar em tudo sentidos :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  32. Pelas mãos do artesão vemos a beleza da sua alma. Um jeito silencioso de fazer poesia. Lindo texto!

    ResponderEliminar
  33. consertava sapatos com mais amor e talento que muitos concertos de rabecão...

    o texto é uma deliciosa metáfora.

    abraço

    ResponderEliminar
  34. A arte que dá mais sentido a existência. Bela forma de narrar esse salto da humanidade. O ser fazendo do barro uma existêncao apenas contemplativa, a cigarra que canta para tornar o trabalho da formiga menos tedioso. Muito bom!

    ResponderEliminar
  35. A ARTE que nos toca a alma... Expressões que somente os sábios e os sensíveis são capazes de compreender em seu todo, ou pelo menos quase todo.
    Abraços e grata pela presença no IN...

    ResponderEliminar
  36. Muitas são as formas de fazer poesia e arte...aqui está uma prova...*

    ResponderEliminar
  37. A poesia está na alma , por isso ela se manifesta num sorriso , olhar , silêncio ...
    e claro está , num texto que até pode parecer simples .

    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  38. E não é que tem razão? A poesia pode estar no desabrochar duma flor, no sorriso de uma criança, no olhar de um idoso ou até na gravura de um par de sapatos.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  39. Meu querido Poeta

    É mesmo isso...a poesia encontra-se nos mais pequenos gestos, nem só que rima é poeta.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  40. Grande amigo AC,
    que conto precioso!
    A narrativa, a linguagem, a gramática, tudo maravilhoso e impecável.
    Tua escrita em si já é uma poesia.
    Há tempos não lia algo assim tão saboroso.

    Parabéns pela técnica!

    Abraços do amigo de além-mar!

    ResponderEliminar
  41. Um belo conto. Bem escrito e sem palavras rebuscadas. Trata-se de um género de escrita que, confesso, não domino.

    ResponderEliminar
  42. Muito belo meu amigo, que a poesia seja sempre essa porta de entrada da alma,,,dos bons sentimentos...abraços fraternos de bom dia.

    ResponderEliminar
  43. , Num quarto do hospital onde três doentes oncológigos faziam pela vida, no dia em que um deles, muito jovem, teve alta, a sua mãe trouxe para os outros uma trança de cebolas. Houve poesia.E lágrimas!


    PS- Não consegui submeter os seus comentáriosamigo fiel. Um forte abraço.

    IBEL

    ResponderEliminar
  44. Mais um belíssimo texto onde a sensibilade é uma constante.
    Um sapateiro pode ser um POETA maior.

    Beijo

    ResponderEliminar
  45. A poesia está mesmo por toda parte. Um texto sólido e delicado.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  46. Powwow e bringer com aa palavers, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  47. Gosto desses "respirares" AC
    sem comentarios, a poesia é mesmo pra comer como diz o poeta... não pra explicar.
    um abraço e saudade de ti

    ResponderEliminar
  48. Oh, sim...a poesia não se faz apenas de e com palavras...muito do que nos rodeia é "poesia" se a soubermos apreciar!
    EXCELENTE!

    ResponderEliminar
  49. Pela longa ausência minha,"fui" à Lua Nova I...para respirar mais beleza poética, além de outras paragens anteriores...Tudo tão lindo!

    Um beijo,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  50. Tenho para mim AC, que a diferença entre um poeta e uma aprendiz de poeta como eu, é que o poeta vê poesia em todo o lugar. Ainda me custa muito encontrá-la e as vezes quando encontro, as palavras não alcançam e eu me canso.

    Seu texto é belíssimo e grata pelo carinho.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  51. Um belo final de semana pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  52. AC,

    Acredito que a gente só conhece uma pessoa, quando vamos à casa dela, mas, é nos sapatos das pessoas que eu consigo decifrar sua personalidade real. Eles retratam quem o outro é.

    Bela imagem! Adorei!

    Saudades!

    O tempo está a correr de mim...

    Suzana/LILY

    ResponderEliminar
  53. Caro Agostinho,

    Que sapatos em forma de pedra angular.Diamante em bruto nas tuas mãos.
    Abraço,

    ResponderEliminar
  54. Nos momentos mais simples, nas coisas mais insignificantes é quando pode nascer uma grande obra.
    Gostei imenso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  55. Fascinante, AC! A poesia nasce de uma sutil delicadeza.

    Beijo,
    I.

    ResponderEliminar
  56. Lindo este seu texto. Muito interessante esta sua forma de «fazer sapatos. Abraços

    ResponderEliminar
  57. Um belo sábado pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  58. É caso para dizer...encontras poesia nas mãos do sapateiro...no avental da cozinheira...nos olhos do pescador...haja estética, bom gosto...sentido de humor, arte e a tua "pena" encontra logo terreno ideal para a construção de belíssimos textos!!!És o maior!!!:) Beijo

    ResponderEliminar
  59. Feliz Páscoa!!
    Eu, cá do meu canto, peço (Je vous en prie, vraiment) que deixe o texto andar mais. Ana cruzou o portal do Labirinto? Fico esperando, ansioso. Estou seguindo, e aprendendo. O seu texto não tem defeitos. Além de provocar. Ora, ora: "dar vida aos sapatos"... Só tenho que parabenizar e agradecer por nos mostrar.
    Grande abraço.
    Gilson.

    ResponderEliminar
  60. Quantas estórias encontram-se sob as solas de um par de sapatos! E o bom artesão da palavra sabe muito bem como contá-las, não é, Agostinho?

    beijo :)

    ResponderEliminar