sábado, 16 de junho de 2012

PÁRA-RAIOS DE DESASSOSSEGOS

.

.
A seara ondulava, obedecendo aos caprichos do vento, salpicada aqui e ali com o vermelho das papoilas. A colheita prometia fartura, e já se adivinhava o chiar do velho moinho de água, entretanto recuperado, a debitar a farinha de todos os contentamentos.
A quinta, desde que chegaram, parecia outra. As paredes da velha casa, devidamente reparadas, sustentavam agora um sólido telhado. Não era a casa de ninguém, que o conceito de propriedade estava bem definido, era a casa de todos. Ali reuniam, ali funcionava a escola, ali estavam todos os livros que trouxeram. De dinheiro não se via rasto, todos sabiam que não era nessa base que deviam construir o seu futuro. Nas reuniões procuravam esbater as diferenças, e às vezes a discussão era acalorada. Mas acabavam sempre por se entender, pois todos respiravam o sentido de partilha. O dia a dia ensinara-os, mais que a teoria, que tudo era relativo, estavam mais interessados em encontrar pontos de encontro, por mais ínfimos, que em provocar tempestades. Conviviam bem com as diferenças.
Em volta novas edificações foram surgindo. Pedra não faltava por ali, e alguns descobriram, pela primeira vez, um particular deleite na construção das paredes de xisto. Talvez fosse a ideia arreigada de estarem a começar algo, talvez fosse a ideia do cultivar do espírito de partilha. Ou ambas em simultâneo. O certo é que, a pouco e pouco, os redutos foram surgindo. Para cozinhar, para dormir, para guardar alfaias e colheitas.
Tiago e Diana eram diferentes, a inquietação vivia neles como quem respirava. Ela acabara por partir, não resistindo às sugestões do para lá do sol-posto, mas ele ficara. Não fazia nada de especial. Ajudava a semear, mas não mondava, não moía. E falava pouco. Quando o fazia falava de angústias, de equilíbrios, de dores de alma. Estando sempre presente, o seu olhar perdia-se algures. Mas encontrava-se no voo dos pássaros. Era capaz de subir e descer montes só para acompanhar o voo de um melro, prender-se naqueles movimentos que o fascinavam. Também o contacto com as crianças o tornava mais atento, mais doce, os olhos chegavam mesmo a sorrir. Todos respeitavam aquela figura inquieta, desassossegada, sabiam que era a fronteira da sua parca segurança. Não fazendo, fazia muito, era o seu cata-vento. A sua presença lembrava-os dos limites daquele ermo, que a cadência das coisas vai muito para lá de nós. E aquele sentir, quase de forma inconsciente, irmanava-os na vontade de fazer algo por eles próprios. 
.
.

60 comentários:

  1. Gosto da tua narrativa. Vejo detalhes, sinto o desassossego das almas, tanto da que foi quanto da que ficou. Penso.
    Um grande bj querido amigo e bom final de semana

    ResponderEliminar
  2. Gostei de tudo mas sobretudo de "Conviviam bem com as diferenças."
    Creio que isso faz falta em todo o lado que estivermos!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. A (re)construção de uma sociedade utópica, com a saudade doentia(?) do futuro?

    ResponderEliminar
  4. "Não fazendo, fazia muito, era o seu cata-vento. A sua presença lembrava-os dos limites daquele ermo, que as cadências das coisas vão muito para lá de nós."

    Não fora a beleza do texto integral- quase me mudo para esse recanto- o excerto acima já justificaria esse post.

    "Gosto de amora comida
    com sol,
    a vida chamava-se :
    agora." Guilherme de Almeida - hai-kai

    Bom domingo, AC. Beijooooo.

    ResponderEliminar
  5. A inquietação! São tantos aqueles Tiagos e Dianas que existem, apenas hoje não se conseguem entender, muito menos sentir o sentido da partilha, perdem-se valores que infelizmente são importantes demais.
    Bom fim de semana meu querido amigo

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  6. Se não fizermos por nós... não haverá quem faça.

    ResponderEliminar
  7. na perfeição de um paradigma em que tudo se bastava e era partilhado

    vem o ser inquieto que desinquieta, mas define os limites e faz-nos pensar para lá deles

    eu gosto do Tiago

    um beijo, AC

    ResponderEliminar
  8. Muito para lá de nós

    ... e já
    e tanto

    ResponderEliminar
  9. À luz de valores parecidos, é tão verosímil o que contas que me sinto fazendo parte desse grupo. Sinto a partilha.
    Recebo tuas palavras e, em troca, te devolvo emoção...
    É pouco?
    É o que posso, deste lado do teu texto.

    ResponderEliminar
  10. Excelente texto. O mundo seria outro se a humanidade fizesse essa partilha também. Ao Tiago não adiantaria sair ao encontro do mundo. O seu desassossego, segui-lo-ia.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
  11. Olá, AC... gostei desta quinta, do sentimento de partilha e sobretudo do "Tiago" pois eu acho, que tudo o que ele faz é especial... emocionou-me! Parabéns! Um beijinho com amizade e carinho!

    ResponderEliminar
  12. Amigo AC,
    O homem é capaz de conquistar e se adaptar à natureza, mas é incapaz de aplacar o egoísmo do próximo.
    O conto está uma pintura notável com a valorosa insígnia AC.

    Abraços e ótimo fim de semana para ti e família!

    ResponderEliminar
  13. Há sempre essa inquietação, esse vento que sopra do lado contrário ao que se espera...
    Mas é bom sentir esse vento - lembra-nos os limites...
    Interessante....
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  14. Seria uma idealização "mágica" da construção da sociedade onde todos teriam seu lugar e suas diferenças respeitadas e onde o spírito de liberdade fosse respeitado sem cobranças...com lugar até para poesia! Fosse assim...
    Um abraço

    ResponderEliminar
  15. AC,

    Fiquei muito emocionada ao ler este conto.Apesar de ser Diana eu não partiria. Ficaria e com o Tiago exercitaria os valores que acredito ser importantes neste mundo que vivemos:A partilha , o respeito a liberdade aos sentimentos .
    Parabéns, você arrasou!
    Abração.

    ResponderEliminar
  16. Uma bela história de amor meu amigo...que infelizmente termina com a partida,,,o adeus...abraços de boa semana pra ti...

    ResponderEliminar
  17. construir é um trabalho que irmana, ação de alma e gesto,



    abraço

    ResponderEliminar
  18. Mesmo os lugares mais perfeitos albergam inquietações...

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  19. Mesmo os lugares mais perfeitos albergam inquietações...

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  20. O SILÊNCIO LIGA-ME AO MUNDO
    Vem ouvir mil palavras do meu silêncio


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  21. °`♥✿✿⊱╮
    ♡¸¸.•

    Boa semana!
    Beijinhos.
    Brasil
    ¸.•°`❤✿⊱╮

    ResponderEliminar
  22. AC,
    Criou uma utopia, como tal um mundo o mais próximo do perfeito. Mas todos os mundos têm um limite, uma fronteira e o para lá dela é sempre aliciante. Partir em constante procura, o desassossego eterno, para quem parte e para quem fica. Todavia, só alguns são senhores desta inquietude.

    Parabéns pela metáfora. Devia publicá-la.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  23. Ressalta a aproximação do homem às origens, a vida no contacto com a natureza, em pequenas comunidades. Um caminhar na berma dos desassossegos.
    Somos levados até ao movimento contracultura dos anos 60,(comunidades hippies) em que os jovens procuravam um modo de vida, de costas voltadas para uma sociedade demasiado tradicionalista, como forma de protesto contra as práticas político-sociais da época. Defendiam uma espécie de socialismo-libertário ou estilo de vida nómada.
    John Lennon, claro!

    Um beijo

    Gostei muito

    Lídia

    ResponderEliminar
  24. As histórias nem sempre terminam como gostaríamos!
    Mas a vida é mesmo assim!
    Um belo ensaio literário.
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  25. É incrivel, mas quando te leio viajo em devaneios...São magicos teus textos...
    Bjos achocolatados

    ResponderEliminar
  26. Muito lindo este conto de partilha e paz, que me fez lembrar alguns sectores de vida quase comunitária, que frequentei algum tempo ali para os lados da Beira Alta, zona de Sabugal.

    Um tempo em que o dia de hoje é o dia em que se vive e se é feliz, é o momento de estar com os outros e de ser.

    "Você pode dizer
    Que eu sou um sonhador
    Mas eu não sou o único
    Eu tenho a esperança de que um dia
    Você se juntará a nós
    E o mundo viverá como um só."

    Assim, sem conceitos de raças ou fronteiras, assim num sentimento de paz, há sempre alguém que se inquieta para a conquistar e que é a força e o pára-raios da comunidade.

    Muito belo.

    Beijinhos
    Branca

    ResponderEliminar
  27. delicadeza que não se desfaz, não se desmancha mesmo em meio aos tumultos do desassossego...
    lindo, AC :)
    beijoss

    ResponderEliminar
  28. Voltei a ler o título, para confirmar se ali não estaria a palavra "utopia". Talvez esta não seja atingível, mas creio que algum tipo de contra-cultura necessita emergir.
    Gostei muito do seu texto, AC. Apeteceu-me continuar a ler...
    Um abraço de boa semana

    ResponderEliminar
  29. A vida é cheia de histórias que nem sempre terminam como gostaríamos!
    Sempre excelentes os teus textos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  30. AC, acho que você escreve histórias como quem escreve música. Leio nelas mais sentimentos do que significados concretos. As vezes me perco na leitura, mas nunca no encantamento de ver o bailado que você faz tão harmoniosamente com as palavras. Um abraço, querido.

    ResponderEliminar
  31. Belo belo texto, AC. Sensível, humano, delicado.

    Abraço grande.

    ResponderEliminar
  32. Há locais físicos exatamente assim e outros dentro de nós, se soubermos levá-los.

    Abraços poeta e uma linda vida!

    ResponderEliminar
  33. Uma verdadeira utopia!
    A inquietação...o desassossego...gostei do Tiago.
    Belo texto AC

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  34. Uma bela segunda feira pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  35. Gostei do que senti, para além da vontade de viver neste sítio.

    E, também às vezes chamo-me Tiago :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  36. As searas só são completas, se nelas houver, aqui e ali, o salpico colorido das papoilas.
    Excelente metáfora esta, construção bela de inspiração serrana.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  37. será este o lugar que dizes ter encontrado?

    [construir e depois ficar a ver partir, e porque não partir também? talvez este seja o lugar esperado...]

    beijinho

    ResponderEliminar
  38. Sublimes suas palavras e todo o sentimento que delas emana. Adorei.
    Boa semana amigo, beijos,
    Valéria

    ResponderEliminar
  39. Lindo texto AC.
    Belíssimo sentimento de partilha! São valores que foram plantados e que permaneceram.
    Abraços,
    Mariangela

    ResponderEliminar
  40. A.C.terminei a leitura com lágrimas que brotavam espontâneas e reconhecidas . Me vi no teu texto, há algum tempo que já havia percebido como "pessoas" são referências comportamentais que tocam e impulsionam quem está ao seu redor, e as vezes não nos apercebemos disto...Você de forma magistral foi um fio condutor que expôs de forma poética e linda o quanto todos são importantes. Abraços.

    ResponderEliminar
  41. Um retrato perfeito de tantos desassossegados que vivem neste país.

    beijinhos meu amigo

    ResponderEliminar
  42. a poesia é Utopia... que bem necessária se torna.

    viva portanto a Utopia.

    abraço

    ResponderEliminar
  43. Tiago e Diana, inquietos ao extremo? Já gosto bem deles...

    Assim como dessa tua escrita que nos permite mergulhar e ser parte do cenário.

    E que cenários!

    Beijos, querido.

    ResponderEliminar
  44. desassossegos e memórias.
    vivências e historias - nossas - e de outros como nós.

    belo texto como sempre.

    beij

    ResponderEliminar
  45. Hola!

    Excelente narrativa!

    Levou-me a refletir sobre a vida, valores, e como nos posicionamos diante do que nos é oferecido.

    Viajei para este cenário tão lindo!
    Bjs.

    ResponderEliminar
  46. (re)Construir várias vidas distintas com apenas uma alma. Utopia que me encanta!
    Um textaço pra ninguém colocar defeito, meu amigo AC.Sua sensibilidade me espanta!
    bj imenso, poeta

    ResponderEliminar
  47. Uma bela narrativa. Viajei. Um beijo carinhoso em você. Até.

    ResponderEliminar
  48. eu viajo contigo
    tb subo e desco montanhas
    kis .=)

    ResponderEliminar
  49. ..."a farinha de todos os contentamentos". Suas imagens poéticas, são tacadas de mestre, AC. Um beijo!

    ResponderEliminar
  50. "...
    Estando sempre presente, o seu olhar perdia-se algures. Mas encontrava-se no voo dos pássaros. Era capaz de subir e descer montes só para acompanhar o voo de um melro, prender-se naqueles movimentos que o fascinavam. Também o contacto com as crianças o tornava mais atento, mais doce, os olhos chegavam mesmo a sorrir.
    ..."

    Metáforas que ombreiam a calma do campo e nos trazem sorrisos de esperança...

    Adorei o texto.
    Grata.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  51. Mais redutos como estes eram tão precisos!!! Soberbo conto, como sempre!
    Beijinhos,
    Madalena

    ResponderEliminar
  52. Olá.
    Seu blog é muito legal,conteúdo interessante e muito bem escrito.
    Parabéns.
    Até mais

    ResponderEliminar
  53. AC, amo esse estilo tão envolvente, tão peculiar e perfeito.

    O modo como descreve cada detalhe, da uma certa magia, um "q" todo seu aos textos q nos são presentes unicos!

    Bjo

    ResponderEliminar
  54. Simplesmente fantástico! Uma narrativa perfeita com o sabor de todos ingredientes. Parabéns pela excelente qualidade do texto.
    Abraços

    ResponderEliminar
  55. Meu querido Poeta

    Como sempre ler-te é uma viagem por dentro de tantos sentires...tantos anseios e tantos voos que gostariamos de fazer.

    Um beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  56. Mais interessados em encontrar pontos de encontro *.*

    ResponderEliminar
  57. Um belo final de semana pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  58. Observar o voo dos Melros como quem observa os próprios sonhos.

    Vc me emociona, AC.É lindo o que escreves.Benditas sejam essas mãos e essa inspiração.

    Beijinhos, querido e ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  59. Adoro ler os seus textos.
    Boa semana!
    Beijinhos.
    Brasil.
    ¸¸.º°❤♫♫♪¸¸.°
    °º✿⊱╮

    ResponderEliminar
  60. Meu amigo todos iguais e todos diferentes. Uns necessitam de ver o que existe realmente para além do horizonte e saem nessa procura, como foi a Diana. Outros criam raízes e necessitam apenas de divagar nas asas da imaginação, tal como o Tiago. Há que respeitar a maneira de ser de cada um. Um texto brilhante como sempre.
    Bom domingo e uma excelente semana.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar