quarta-feira, 6 de março de 2013

ESCONJUROS EM TONS DE VERDE

.
Hélio Cunha, A Estação dos Pássaros
.
.
.
Avesso a conjuras e maus presságios, o ressoar da madeira ecoava pelo vale, entoando cantilenas de pássaros em construção.
Sentias-me habitado, emaranhado em equações de verdes desígnios, e subias ao alto da colina para me trazeres novas do horizonte.
Oferecias-mas ao serão, imbuída de cores, retribuía com relatos da arquitectura das aves. Já os sabias, já a sentias. Nessas horas éramos crentes, o ritual apenas acentuava o brilho das palavras primordiais.
.
.
.

52 comentários:

  1. E era só então, que nessa íntima comunhão, os pássaros verdes, que atravessavam o sentido primeiro das palavras, nos vinham poisar nas mãos...

    Beijo

    Laura

    não resisti :)

    ResponderEliminar
  2. Há sempre um rumor de água límpida, a correr entrelinhas da foz para a nascente.


    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. Tanta profundeza em tão poucas palavras...
    "A arquitectura das aves"... poesia do voo.

    Como sempre, é uma viagem ler as suas publicações.
    Grata pela magia do momento.

    => Crazy 40 Blog
    => MeNiNoSeMJuIz®

    ResponderEliminar
  4. Por aqui há sempre uma magia nas palavras, um tom encantatório, um lirismo repegado, revivificado. Uma elaboração cuidadosa da escrita. É sempre um renovado prazer fazer a leitura da palavra dita, entredita em cada postagem.
    Abr.,

    ResponderEliminar
  5. Três parágrafos que tanto dizem, que tanto sentem.

    beijinho meu amigo

    ResponderEliminar
  6. ...e eis um quadro pintado com a maestria de quem sabe plantar cantilenas verdes nas colinas e a calma silenciosa do horizonte!
    Fraterno abraço

    ResponderEliminar
  7. Palavras coloridas soltaram-se do alto dessa colina de vida :)

    ResponderEliminar
  8. Há sempre uma unida crença,
    há sempre uma clara conivência
    uma profunda intimidade
    com quem nos traz novas do horizonte
    ...e ouvem-se o bater das asas
    por entre a geometria das palavras
    ditas em cada serão

    Ah, meu amigo, não há quadro mais colorido...

    ResponderEliminar
  9. A poesia é instrumento da arquitetura dos sonhos... lindo!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. A arquitectura das aves emitem o mistério, a beleza dos sons e a

    paz do silêncio que ecoa em nós em asas...

    E as tuas palavras ecoam a beleza profunda e muito bela!!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. equações de verdes desígnios: demais



    abraço

    ResponderEliminar
  12. Não era mais preciso, mas evocava as sensações em fortes tons.

    Um toque divino, AC!

    Abraços poeta.

    Paz e Luz

    ResponderEliminar
  13. Olá AC:)
    Muita esperança aqui se encontra! Apelo à fé... e pergunto: de forma proporcional, seremos também senhores de uma maior angústia!?
    bjs:)

    ResponderEliminar
  14. Verdes desígnios, que coisa larga e pulsante...Lindo!

    Beijos, AC

    ResponderEliminar
  15. Venho deixar um abraço imenso e retribuir o carinho, seja por tantos anos, ou por alguns dias. Mas principalmente, pela troca e bonitezas que surgem e dos amigos que conquistamos e que no fundo, no fundo, não são tão virtuais assim...

    Tem um presente pra você aqui: http://ancoradanoriso.blogspot.com.br/2013/03/vasto-coracao.html

    Espero que se sinta num abraço e que goste.
    Deixo o meu carinho.
    Beijo na alma,
    Sam.

    ResponderEliminar
  16. Verde esperança. Profundo este verde- Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Neste caso, tambem sou o avesso!


    Beijos

    ResponderEliminar
  18. Uma excelente elaboração de poesia, tal como a construão dos pássaros que não desitem da luta, da conquista!

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  19. "Pagãos e puros" - inocentes no "brilho das palavras primordiais...

    belo texto.

    abraço

    ResponderEliminar
  20. Olá, AC!

    Com inspiração e talento, muito pode ser dito com poucas palavras; bonito, como sempre.

    Um abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  21. E das palavras se fez poesia....
    lindo....
    beijo e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  22. Belo texto poético!

    Estava com saudades daqui.

    Abraço especial, AC.

    ResponderEliminar
  23. E aqui se lêem palavras primordiais.
    Abraço

    ResponderEliminar
  24. Mais uma vez te vou dizer que, é espantosa a forma como traduzes sentimentos e imagens em palavras!
    Bjs

    ResponderEliminar
  25. Cores e pássaros só são possíveis de serem vistas quando a alma está aberta para a vida. Lindo poema, um abraço!

    ResponderEliminar
  26. o aprendizado da vida talvez nem seja o que dele intuímos, quiçá esteja anteriormente pre-escrito na matéria, quiçá?

    AC, sabe-se sua leitora atenta. Deixe-me, contudo, que acrescente, e que lhe diga que cada texto seu me obriga a questionamento interior e isso, estimado AC, é enorme, e por isso lhe fico grata.

    um abraço amigo
    Mel

    ResponderEliminar
  27. Às vezes queremos chegar às palavras primordiais mas elas não brotam.
    O essencial perde-se... e o silêncio é frio.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  28. Poeta ,

    Suas metáforas ...
    Nos deixa extasiados .
    Lindo texto .
    Agradecemos .
    Beijos

    ResponderEliminar
  29. O que já se sabe e o que já se sente fazem parte de um conhecido ritual, independente das novas que do horizonte chegam. Abraços!

    ResponderEliminar
  30. palavras primordiais, que ecoam no vale e que precisamos a ecoar em nós.

    uma boa semana.

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  31. Lirismo brilhante, que nos encanta.

    Boa semana, abraço
    cvb

    ResponderEliminar
  32. Precisamos , com toda a urgência , ir com as aves buscar os verdes desígnios .

    Um beijo , AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  33. Um texto reflexivo, as vivências que sempre afloram de nossa reflexão mais profunda.Muito bom!

    forte abraço

    c@urosa

    ResponderEliminar
  34. AC, os seus contos nem precisam de ilustração, estão de tal forma bem escritos que criam uma sequência de imagens e paisagens!
    Beijinhos, boa semana!
    Madalena

    ResponderEliminar
  35. "O brilho das palavras primordiais."

    Numa frase, pura poesia!

    Querido amigo, obrigada pela visita e comentário.

    Abraços!!

    ResponderEliminar
  36. Há sempre um prazer imenso em ler as suas palavras!

    Beijo :)

    Sónia

    ResponderEliminar
  37. Me encantei pelos verdes designios...

    bjs nossos

    as cozinheiras

    ResponderEliminar
  38. Ao ler todos os comentários anteriores, que falam de maestria, de encanto, de fé, de palavras primordiais, nada de novo tenho a acrescentar... excepto para dizer que consegue evocar sentimentos muito fortes e positivos com a sua escrita.

    Um abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    P.S. E o frio que não nos larga

    ResponderEliminar
  39. Tao bom ler versos profundos que fazem sentir a grandeza e o lirismo da poesia que escorrem em ti.


    PS:
    Querido, sei que ja ando sumida e vou estar um pouco mais ausente nossa querida blogosfera, mas não poderia deixar de passar por aqui para agradecer o carinho de sua amizade de longas datas!
    Sempre que der estarei passando para matar a saudade de te ler.

    Muito obrigada!

    Beijo grande!

    ResponderEliminar
  40. Todas as palavras são coloridas, para mim... as cores vão-se combinando e podem modificar-se ligeiramente conforme a combinação imposta pelo texto que leio ou escrevo. Nada "do outro mundo", AC... chama-se "sinestesia" e corresponde a uma ínfima mutação, algures no décimo sexto cromossoma...

    Tudo isto para dizer que a "combinação" me foi muitíssimo agradável, nesse aspecto também.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  41. Um texto muito bonito que eu tenho pena de não saber comentar à altura.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  42. verde é uma cor que me faz pensar bonito e crer no amarelo do sol
    vc é imenso, AC, poeta queridíssimo meu!
    bj grande

    ResponderEliminar
  43. Fica-se em paz quando se observa o voo dos pássaros...
    Encontram a rota certa, têm um destino e enfrentam os desafios...
    Foi o que senti ao ler o texto - paz....
    Adorei cada palavra...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  44. Nada como esconjurar os tons de verdes, gosto do verde... Beijos meu querido poeta bom final de semana.

    ResponderEliminar
  45. No contrario do que se vê
    É verde o tom construído já á muito.
    Nas penas espera-se esperança.

    Gostei muito, mesmo.
    Beijo

    ResponderEliminar
  46. É urgente o verde da Esperança! Beijo:)

    ResponderEliminar