sábado, 31 de agosto de 2013

POSTAL ILUSTRADO DO TEMPO SEDUZIDO

.
Júlio Resende, Voo de aves
.
.
.

A ribeira serpenteava, por entre outeiros, apaziguando o canto das cigarras. 
Junto da velha azenha, rodeada de salgueiros, onde a água ensaiava uma lagoa, o canto da pequenada era plena celebração. Não havia amanhã, apenas o encanto contava.
Os deuses, na penumbra, sacudiam o tédio. Rendidos, afastavam para longe o lado breve do tempo.
.
.

50 comentários:

  1. Sempre lindo te ler! beijos,ótimo domingo!chica

    ResponderEliminar
  2. Há realmente momentos em que o tempo pára, deixa de ser breve para ser eterno, por instantes. É o encantamento, do agora, sem ontem nem amanhã.
    Muito bonito, AC. Delicio-me a lê-lo.
    xx

    ResponderEliminar
  3. Há realmente momentos em que o tempo pára, deixa de ser breve para ser eterno, por instantes. É o encantamento, do agora, sem ontem nem amanhã.
    Muito bonito, AC. Delicio-me a lê-lo.
    xx

    ResponderEliminar
  4. Muito importante essa sedução do tempo!
    AC, encontro aqui sempre mensagens inspiradoras!
    Beijinhos e bom sábado!

    ResponderEliminar
  5. E o tempo parou num momento de encanto. :)

    ResponderEliminar
  6. Tocável, a eternidade que se derrama nas linhas lisas deste texto.


    Muito belo!

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Eu diria que este postal ilustrado era um postal encantado. Tão belo, tão poético.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. O tempo parou para contemplação? Que lindo. Que mágico. Que beleza encher os olhos com a tua poesia.

    Beijo, querido A.C.

    ResponderEliminar
  9. Ás vezes, ficamos apenas a olhar o infinito, sonhar na linha de horizonte...
    Deixamos que nos seduzam, mesmo que por momentos....
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  10. Poeta ,

    O encanto de sua escrita é similar ao canto da pequenada .
    Obrigada
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Você tem um talento impressionante de dar nome às suas postagens! Que título espetacular!!!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  12. Concordo. O título já é um poema! A ilustração com Pomar leva-nos a esse ambiente de frescura e de esperança...

    bjs

    ResponderEliminar
  13. O tempo é sempre um rio, jamais o apreendemos, e a tua sensibilidade, não a prendemos, sentimo-la em cada novo texto.
    Abraços, AC

    ResponderEliminar
  14. Olá, AC!

    Um encanto de recanto, este aqui tão bem ilustrado.
    Senti-me lá, já que estes lugares sempre me encantaram.
    Belo texto!

    Abraço e boa semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
  15. e ei fiquei com o lado breve do tempo a me tocar de imensidão



    abraço

    ResponderEliminar
  16. Essa imensidão dá uma sensação de paz. Lindo! Muita paz!

    ResponderEliminar
  17. ¸.•°❤❤⊱彡

    Belas recordações de infância!
    Boa semana, amigo!
    Beijinhos.
    ¸.•°❤❤⊱彡

    ResponderEliminar
  18. Lindo, lindo,lindo!...estive aí em alma e coração...os deuses do tempo adormeceram e nos permitiram sonhar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  19. Gostava muito de ter esse condão de "afastar o lado breve do tempo" e simplesmente entrar no encantamento...
    Muito bonito.
    Bj. :))

    ResponderEliminar
  20. A beleza e simplicidade da natureza,

    numa dinâmica de celebração e ritual

    do "agora e sempre", nos captura

    num encantamento profundo...

    Belos e encantadores também, são os teus textos poéticos, AC!

    Bj.

    ResponderEliminar
  21. Recordações encantadoras, AC!

    Abraço grande.

    ResponderEliminar
  22. Olá,
    Saí do Travessa direto para o teu blog, realmente tudo que escreves é maravilhoso e te elogio hoje aqui e me desculpe o equívoco.
    Abraço
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  23. Amigo AC, tenho uma fotografia em frente a esse belo painel do Júlio Resende, tirada na Fundação que carrega o seu nome em Gondomar. É uma excelente escolha para ilustrar esse sentimento de contemplação que evoca no texto.
    Um abraço, uma doce semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  24. Perfeito quando o tempo perde a soberania sobre nossos momentos...Um abraço!

    ResponderEliminar
  25. Quando os deuses resolvem presentear o homem , acontece o encanto .
    Temos que aprender a saboreá - lo .

    Este texto , é também um presente , obrigada .

    Um beijo , AC

    ResponderEliminar
  26. Lindíssimo. E não existe mesmo o amanhã :)

    Bjs

    ResponderEliminar
  27. Verdadeiramente idílico este quadro que me aprisionou: adoro esta
    pacatez mansa onde o tempo se perde, eu me perco.
    Abraço AC!

    ResponderEliminar
  28. os deuses por vezes são pródigos...

    belíssimo.

    (pre)sente-se a emanação do tempo.

    abraço

    ResponderEliminar
  29. Oi.
    Interiorizou onde apenas o encanto contava...
    Grande abraço. Em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderEliminar
  30. que encanto!
    obrigada pela visita e volte sempre.
    troquemos afetos através das palavras
    um abraço

    ResponderEliminar
  31. até os anjos ficaram rendidos.
    as palavras sedutoras que nos brindas.
    bem hajas!

    :)

    ResponderEliminar
  32. Esse tempo, fora do tempo, almejado por tantos, conseguido por poucos, encontra-se na natureza, na música e também nas palavras: na harmonia de suas palavras. Obrigada!

    ResponderEliminar
  33. Belo demais! As palavras soam como notas musicais...

    Abraço amigo!

    ResponderEliminar
  34. Agostinhamigo

    Manda novo textículo, sff.

    Hoje sou eu que assino na nossa um texto intitulado Sermão do Lázaro. Aviso desde já que ele não deve ser lido por damas, meninas, solteiras, casadas ou viúvas, cavalheiros com menos de 98 anos e máximo 99, integrados na ordem democrática vigente, e com sólida formação moral e cívica. Aqui deixo um excerto.

    Teodósio acordou rouco. Rouco? Rouquíssimo. E o sermão? Nisto meditava quando se dirigia à igreja paroquial e por isso disse com decibéis negativos ao sacristão Jaquim. Como iria ser? Ninguém o entenderia com aquele falar roufenho. Uma desgraça!

    Abç

    Henrique

    /////////////

    NB – Este texto já saiu na Zorra da Boavista e no Ler, escrever e viver… Um homem não chega para tudo. Tende piedade…

    ResponderEliminar
  35. Meu amigo

    Sem palavras para a imensidão das suas...saio em silêncio para não acordar o tempo.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  36. Depois de ler o texto, fecho os olhos e quase imagino a mansidão das águas!

    Beijinhos dos Alpes

    ResponderEliminar
  37. AC,
    vim retribuir sua visita (e o comentário elogioso que deixou no minasdemim) e me deparo com essa bela prosa, plena de poesia! Que boa surpresa! Amo encontrar boa literatura e foi o que achei aqui.
    Abraço de sua mais nova seguidora :)

    ResponderEliminar
  38. És o encantador de letras ...vestes, despes com muita mestria ! Em tudo o que escreves há melodia ...é como se a natureza saísse desta tela virtual e a imagem invadisse os nossos sentidos ...

    Beijo de cigarra :)

    ResponderEliminar
  39. Um cenário, um momento...Lirismo!

    Bjo, AC :)

    ResponderEliminar
  40. O tempo não existe para os folguedos. E felicidade é isto o "agora" e basta.E você o descreveu com muita beleza.

    Uma boa noite.
    Abraços.

    ResponderEliminar