terça-feira, 8 de outubro de 2013

SINFONIA

.
Hélio Cunha, A Terra Inteira
.
.
.
Quando me pressentias, à tardinha, para lá dos salgueiros, descias, de mansinho, o caminho que ia dar ao ribeiro, enquanto semeavas o aroma das violetas.
Dizias-me, ao ouvido, que a tua respiração se calava para ouvir os meus passos, respondia-te que a minha pele respirava todas as letras do teu nome. E no brilho dos olhos acreditávamos, entre murmúrios comungávamos...
Quando me pressentias, à tardinha, para lá dos salgueiros, era tempo de a ternura se soltar.
.
.

42 comentários:

  1. Que linhas tão românticas, inspiradas e inspiradoras!!! Viva os salgueiros!
    Beijinhos, boa semana ;)

    ResponderEliminar
  2. No amor cúmplice as palavras são desnecessárias...

    De uma ternura imensa, AC.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Agostinhamigo

    Coisa mais bonita é difícil que haja. Pelo menos para lá dos salgueiros, em tempo de a ternura se soltar.

    Malandro, como sempre, para lá de continuares a escrever muitíssimo bem, também continuas a escolher excelentes gravuras. Obrigado pelo que me (nos) dás.

    Na nossa Travessa há prostitutas; não podes faltar...

    E também não pode faltar um novo textículo; vê se te apressas: mal te precatas estamos em Dezembro. A 21 faz o João 20 anos; a 24 e 25 dizem que é Natal, Singular coincidência: é sempre o mesmo dia... A 26, comemoramos as Bodas de Ouro. E a 8 de Janeiro de 2014 - Goa. Votaremos a 1 de Maio; é pouco tempo, mas é o que se pode arranjar... :-) :-) :-)

    Abç

    Henrique

    ResponderEliminar
  4. Que delícia ler seus versos, uma sinfonia tão suave tocou em meu coração...
    bjo

    ResponderEliminar
  5. Coisa mais linda!!! Vou dormir feliz.Bons sonhos.abração

    ResponderEliminar
  6. Quanta ternura se concentra em meia dúzia de frases. Quase senti o aroma das violeta.
    Um abraço, amigo, um doce restinho de semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  7. Olá, Fiquei em silêncio a ouvir os passos ao chão! abração

    ResponderEliminar
  8. Que bela sinfonia, AC. Feita de cumplicidades e ternura.
    Gostei muito! E do quadro, também.
    xx

    ResponderEliminar
  9. Amor...em todas as suas letras e imagens...Lindo!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. Uma sinfonia de traços de ternura e amor,onde em cada letra sai as sementes de vida.Gostei muito,a foto magnifica.
    Beijos e sorrisos.

    ResponderEliminar
  11. Um único entorvo à perfeição: o imperfeito (pretérito) dos verbos.

    Muito lindo, este dizer, este sentir!

    ResponderEliminar
  12. errata - estorvo e não "entorvo" ;)
    Um beijo

    ResponderEliminar
  13. A ternura deveria cercar-nos por todos os momentos. Um abraço!

    ResponderEliminar
  14. Quando existe amor as coisas são mais belas!

    Beijinho AC e uma flor

    ResponderEliminar
  15. a ternura e a cumplicidade de mãos dadas.
    o Poeta está no pleno da sua inspiração.
    gostei tanto!

    :)

    ResponderEliminar
  16. Meu amigo

    Há sempre uma enorme ternura no entardecer e este texto é sublime.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  17. Texto de uma sensibilidade muito terna...

    Gosto de te ler.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  18. tempo de morangos silvestres...

    belíssimo.

    abraço

    ResponderEliminar
  19. A bela sintonia de um casal

    é uma sinfonia

    cantada com os sentires...

    Sublime!!

    A imagem belíssima...

    Bj.

    ResponderEliminar
  20. Olá,AC!

    Tardes de ternura, tempo de encantamento - mais aquele brilhinho nos olhos a completar o momento.Lindo!

    Bom fim de semana, com um abraço.
    Vitor

    ResponderEliminar
  21. Mais um texto arrebatador , poeta ! Obrigada . Beijos

    ResponderEliminar
  22. Um texto feito ternura .
    Lindo!

    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar

  23. É sempre à tardinha que se comungam as sinfonias, na serenidade do aroma a violetas.

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  24. um texto carregado de uma ternura nostálgica, caríssimo AC.

    a arte de escrever em prosa poética, de forma brilhante, confina-se, no universo dos que leio, a poucos. ouso dizer-lhe que o AC se posiciona neste leque restrito - bem haja, pois.

    fraterno abraço
    Mel

    ResponderEliminar
  25. Um texto repleto de poesia...doce, nostálgico, envolvente e esplendorosamente mágico!

    Abraço e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  26. Ternura e nostalgia juntas!
    Um lindo texto.

    Beijo

    ResponderEliminar
  27. Teus versos são sublimes e completamente sinestésicos. Nos faz sentir uma imensa proximidade dos sentidos e sentimentos que estão neles contidos. O congratulo por alcançar tal proeza!

    Bjos

    ResponderEliminar
  28. AC,
    Lindo, de comovente que é a mensagem!
    beijo

    ResponderEliminar
  29. E a ternura anda aqui à solta. Muito belo.

    Beijo
    Sónia

    ResponderEliminar
  30. Você escreve tão "docemente"!
    Leio, e leio novamente, pois suas palavras tem sabor
    de candura!
    Lindo demais!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  31. As palavras tornam-se supérfluas no amor com cumplicidade.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  32. Olá A.C.!
    Lindissimo texto... E esses salgueiros...
    Bjs

    ResponderEliminar
  33. Muita cumplicidade ternurenta! Senti saudades e vim!

    Beijo ;)

    ResponderEliminar
  34. Um texto onde a ternura e o romantismo se fizeram presentes.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  35. E os salgueiros, cúmplices, não deixavam mais ninguém passar para "além dos salgueiros"... Um enleio sem palavras interditas...

    Abraços,

    ResponderEliminar
  36. Que belo retrato de um tarde prenhe de ternura! O diminutivo (tardinha) torna mais aconchegante a memória e a doçura do amor retratado. Lindo mesmo!
    :)

    ResponderEliminar
  37. Voltei aqui...meio apressada, senti de novo a parte colorida de um romance!

    É um prazer ler-te ! :)

    ResponderEliminar