sábado, 25 de janeiro de 2014

TORGANDO

.
.
.
.
.
Nasceu na severidade do granito, a acreditar na honra, temperado na discreta tonalidade da urze.
A alma, movida a inquietude, era tão grande que mudou de lugar. E quis saber, indagar, questionar.
Depressa percebeu que, na severidade dos muros, tudo era pequeno, no espaço e nas intenções. Nas areias movediças da vida ressentiu-se da omissão do  espelho dos olhos, da ausência da simplicidade de respirar. Para manter a dignidade à tona esbracejou, gritou, recusou pactuar. Até ao fim.
Ciclicamente regressava à urze, ao simbolismo da força das raízes da torga. Desistir, nunca, a força da terra-mãe nunca o abandonou. E, entre o cá e o lá, foi forjando convicções, alimentando afectos, por mais raros, preciosidade em paisagens humanas inspiradas em cata-ventos.
Vi-o passar. Era dos que deixava rasto. As portas que se fechavam, apesar das ferroadas, apenas inchavam o peito de dignidade.
.
.

49 comentários:

  1. "Na severidade dos muros tudo é pequeno"

    Existem versos que se impõem no texto
    pela profundidade que alcançam
    no impressionismo que induzem
    na sublimação de uma representação

    São versos que perduram num rasto intemporal

    Assim como Torga perdurará

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Necessidade de um horizonte muito mais alargado...

    ResponderEliminar
  3. E como eu gosto de Miguel Torga!
    Obrigada pela lembrança!

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Caríssimo poeta tenha um lindo final de semana.
    bjs

    ResponderEliminar
  5. "As portas que se fechavam"...
    hoje, são portas abertas
    que sempre se fecham a horas certas
    na severidade dos dias...


    ResponderEliminar
  6. Gosto de Miguel Torga e confesso que gosto muito do teu Torgando!
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Que belo poema minha querida. Um lirismo encantador
    Um domingo maravilhoso
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida...

      Está a falar com O professOr A C ...

      Eliminar
  8. Adorei te ler! Lindo! bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
  9. Poeta , suas palavras torcem e se retorcem como
    fios de um lindo bordado . Obrigada . Beijos

    ResponderEliminar
  10. Confesso que nao conhecia o poeta Miguel Torga... apos ler aqui e gostar, fui procurar mais de seus escritos e fiquei maravilhada...

    ResponderEliminar
  11. O texto está soberbo, mesmo no estilo de Torga, tanto, que nos sentimos confundidos.
    O título vem colocar ordem na análise, está muito conveniente e interessante.

    Uma hábil e fecunda arte de usar palavras e conceitos adequados para urdir textos belos e coerentes, eis...
    ~ A ~ e s c r i t a ~ c r i a t i v a.~

    ~ Beijinho.~

    ResponderEliminar
  12. "Nas areias movediças da vida"; texto todo tao bem identificado esse toma lá da cá de inseguranças, mas que não podemos nos mover por elas. Lindo texto!

    ResponderEliminar
  13. Precisávamos de muitos homens com o seu espirito, a sua garra, a sua tenacidade, e força de vontade. Ainda que como ele não tivessem veia poética. O País apesar de pequeno é demasiado grande para a mediocridade atual.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  14. Olá, AC!

    Mudou-se para a aldeia grande, mas sempre se sentiu ligado à terra e vida dura onde nasceu - e a que nunca deixou de pertencer.

    Bonito resumo da longa história de vida dum homem bom como hoje "já não se vê", ou vê muito pouco...
    Um abraço e boa semana
    Vitor

    ResponderEliminar
  15. Quando nos dispomos a transpor os muros que nos colocam internamente, descobrimos que após a dor, há o horizonte todo pela frente, e a sensação de vitória sobre as próprias limitações. Lindo escrito, um abraço!

    ResponderEliminar
  16. Divino! Impressionante... intenso...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  17. Um belo texto,gostei bastante do que escreveste nesta tua postagem. Quero desejar-te uma excelente semana,espero que o teu mês de janeiro termine da melhor maneira possivel. Muitos beijinhos,fica com deus e até breve!! http://musiquinhasdajoaninha.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  18. Poético, cada trecho leva ao recolhimento, à reflexão. Além disso a indicação de um poeta, novo para mim. Obrigada pela partilha do texto e do conhecimento que a ele subjaz. Abraços, boa semana.

    ResponderEliminar
  19. Era dos que deixava rasto e era raro, aposto!
    Muito boa narrativa, como sempre!
    Beijinhos, bom domingo!

    ResponderEliminar
  20. Quantas palavras felizes!
    com carinho Monica

    ResponderEliminar
  21. AC,
    Obrigada pelo registo que deixou. :))
    A homenagem a Torga é das mais bonitas que já li.
    Igualmente a imagem é uma beleza.
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
  22. Intensidade não falta na leitura, muito interessante, AC!

    Um grande abraço por seus textos tão bons de ler.

    ResponderEliminar
  23. Meu amigo

    Há pessoas que ficam marcadas na memória de que as conheceu. Deixam no tempo a sua marca.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  24. Se, apesar das vilezas impostas, ainda assim alimentava afetos, que maravilha poderiam ser os dias!

    Um beijo, poeta.

    ResponderEliminar
  25. necessidade de ser diferente, ainda isso custe muita coisa....

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  26. Bom dia, AC. Dignidade é algo que não devemos perder ou vender, ainda que tudo se mostre contrário ao que queremos e vivemos, temos de caminhar e ver que adiante poderemos encontrar um caminho mais sereno, mas preservando o que especial temos, nosso caráter.
    Bela inspiração.
    Tenha uma semana de paz!
    Beijos na alma!

    ResponderEliminar
  27. Uma belíssima homenagem ao autor de Contos da Montanha e Novos Contos da Montanha, dentre as dezenas que ele nos deixou, apreendendo-lhe numa condensação em que a poesia se rende à tua pena, meu caro AC.
    Ah! Do outro lado da margem, emocionado, Miguel Torga lhe agradece.
    Grande abraço,

    ResponderEliminar
  28. Bela homenagem expressada na excelência da tua escrita,acompanhada

    de grande sentir. Os seres humanos assim, marcam de forma

    especial o caminho.

    Uma semana luminosa,Ac!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  29. Excelente homenagem meu amigo!
    Existem pessoas que ficarão para sempre nas nossas memórias.

    boa semana AC

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  30. Riquíssima homenagem ao grande Torga, homem de uma rústica solenidade que precisava sair do consultório para voltar de vez em quando a essas raízes de urze que lhe emprestaram o nome.
    xx

    ResponderEliminar
  31. Palavras levadas a um ritmo delicioso de leitura.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  32. Maravilhosa esta leitura, AC.

    Beijo

    Sónia

    ResponderEliminar
  33. Para além de uma belíssima homenagem, deparo-me com uma escrita envolvente, que nos prende e nos faz pedir mais...
    Bravo AC!!!

    Abraço amigo!!!

    ResponderEliminar
  34. Torga, o telúrico. Que gratificante continua a ser a sua escrita.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  35. Num excelente texto literário homenageias um SENHOR GRANDE das letras. Por isso é que o espaço era tão pequeno, apesar do cenário idílico em que nasceu. Contudo, esse mesmo espaço, parece ter-se moldado num carácter de "antes quebrar que torcer". Houvesse assim HOMENS (em certos espaços...).
    Bjo, AC :)

    ResponderEliminar
  36. indagar, questionar, perquirir

    eis o mister


    abraço

    ResponderEliminar
  37. Estive a ler e a ver não só esta postagem mas uma parte de seu blog,e gostei, dou-lhe os parabéns pelo blog por seu trabalho e obrigado por partilhar.
    Ficarei muito feliz se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais,
    decerto que vou seguir também o seu blog.
    Deixo as minhas cordiais saudações, e muita paz.
    Sou António Batalha.

    ResponderEliminar
  38. Depois que cria raízes impossível desistir, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  39. Gostei muito do texto. Tenho uma enorme admiração por Miguel Torga, Homem e Escritor. Da escrita li tudo ou quase tudo. O Homem fui conhecendo através da verticalidade da sua vida. Obrigada por lembrá-lo aqui.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  40. Miguel Torga
    Alguém que eu gostava de ter conhecido
    não é fácil ser vertical por excelência e nunca pactuar
    ser igual a si mesmo gera uma factura muito cara de pagar
    gostei muito deste teu texto a transbordar poesia, como é teu hábito :)

    beijo.

    ResponderEliminar
  41. °♪♬♫º°

    Belo texto para homenagear um homem de verdade.
    °º✿♫ Bom fim de semana!
    °º✿ Beijinhos.
    º° ✿✿ ♫° ·.

    ResponderEliminar
  42. AC, não sei definir como me sinto após ler teus textos. Talvez assim: "A alma, movida a inquietude, era tão grande que mudou de lugar." É uma profusão de coincidências, de um pensar tão parecido que chega a assustar. Cada palavra escolhida com cuidado, lapidada, arrancada. Entendo disso. Tu estás entre os que deixam rastro.
    Magnífico.

    Abraço, Magali.

    ResponderEliminar
  43. " As portas que se fechavam, apesar das ferroadas, apenas inchavam o peito de dignidade." , assim se vê os grandes . Miguel Torga é um deles .

    Um beijo , AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  44. Quem nasce com essa ânsia de mais, dificilmente se aquietará ao longo da vida. Ainda bem. Listo-me entre esses eternos insatisfeitos com os horizontes que lhes impõem.
    Beijinho, um doce fim-de-semana e perdoe a minha ausência, mas tem sido muito complicado gerir o tempo
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar