sábado, 29 de março de 2014

NOME SEM NOME

.
Hélio Cunha, Memórias do Absoluto
.
.
.
Deram-te um nome, número identificador dum qualquer exterior. Lá dentro, contudo, no mais recôndito de ti, habita algo único, que te caracteriza, que verdadeiramente te identifica. Isso é a tua força, aquilo que tu és, substância sem nome de que nem sempre te dás conta.
Cultiva-a, dá-lhe brilho. Na tua ânsia de respirar, tenta dar forma a esse nome sem nome.
.
.

40 comentários:

  1. tenho as palavras cada vez mais perdidas de mim...
    beijo, AC

    ResponderEliminar
  2. Lindo texto! Apesar de tantos números, rótulos, crachás, NÓS sabemos o que somos e o que temos por dentro...

    abraços,chica

    ResponderEliminar
  3. Esse "algo único, nome sem nome" é nossa essência e acompanhar-nos-á, a todos, eternamente...
    Bonito, AC, beijos!

    ResponderEliminar
  4. É a voz...As memórias, as palavras, os sonhos...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraos
    Marta

    ResponderEliminar
  5. Adorei o "nome sem nome",libertar do uso constante da apropriação...

    O contato com a essência, o brilho do que eu sou e não

    do que aparento ser...

    Adoro o brilho essencial da tua escrita, AC!!

    Bj.

    ResponderEliminar
  6. Sabemos ... não sabemos ...
    Cultivemo - nos!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  7. a inominação que nos identifica como verso

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Nome sem nome. O conteúdo do invólucro que mostramos ao mundo. Como as páginas de um livro que só nós escrevemos e só nós lemos.
    Um abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
  9. Que bom saber que ainda há quem pugne pela identidade!

    Ser único.

    Belíssimo.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Maravilhoso mundo este que ainda guarda nas entranhas, "eus" escondidos que rebentam da terra nos primeiros perfumes das frésias!
    Pode-se ser um número, mas jamais o EU da essência que É em cada um.
    Magnífico, AC.! Magnífico!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Costuma dizer-se que nomear é tirar de certa forma o sentido. Neste caso não o é propriamente, mas apenas essa identificação exterior que na verdade nada acrescenta ao que verdadeiramente somos.
    Mas tudo ao redor tenta fazer com que nos esqueçamos que somos únicos, porque ser único é mais que ser raro. Ser único é ser valiosíssimo.
    xx

    ResponderEliminar
  12. Um texto muito significativo que leva a uma reflexão profunda. Tu brilhas quando escreves!
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Eis a verdadeira identidade. O nome que se pronuncia por dentro. O vazio.

    bjs

    ResponderEliminar
  14. Poeta , muito bonito seu recado , como sempre . Com certeza , devemos estar atentos ao nosso brilho interior que lá permanece como um farol a nos lembrar a dádiva do viver . Obrigada pela partilha e pela presença no meu espaço . Beijos

    ResponderEliminar
  15. É esse o nosso grande desafio enquanto pessoas, todos os dias! Excelente reflexão a que aqui nos deixou!

    Um beijo, boa semana

    ResponderEliminar
  16. Sempre somos algo mais do que percebemos.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  17. Olá, AC!

    Um nome e número que nos identificam, mas que não revelam afinal quem somos - felizmente...

    Um abraço e bom Domingo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  18. Aqui tem nome, sim: interioridades.

    ResponderEliminar
  19. Agostinhamigo

    Em Goa está-se muitíssimo bem. Infelizmente, volto daqui a um mês, a 1 de Maio. O tempo não ajuda muito (prevê-se granizo, quiçá neve...trovoadas diversas, etc. Temperaturas: em terra - 34/34º; no mar 28/29º; céu azulíssimo, nuvens nem pó... Enfim, sofro...~

    E a vida cada vez mais cara. No mercado principal de Panjim (peços aproximados): gambas: 1,90 €/quilo; mangas: 2,80 €/quilo; Peixe serra (Kingfish) 2,30 €/quilo. E nem digo mais nada.

    Abç

    ResponderEliminar
  20. Gostei muito, de ter passado por aqui. Vou ficar.
    Boa semana
    Beijo.
    Nita

    ResponderEliminar
  21. Nomear é a prioridade. Daí a necessidade da Poesia - a desocultação do Ser, a Verdade, conforme nos diz Heidegger.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  22. A substância é o que somos na realidade!
    Belíssimo que me faz reflectir.

    Boa semana meu amigo AC

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  23. Nós somos a nossa própria essência.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  24. Nós nos tornamos verdadeiramente alguém só quando descobrimos que há em nos esse nome sem nome.

    Muito bom, AC.

    Beijos

    ResponderEliminar
  25. Lá dentro, no íntimo, guardamos o que realmente somos e esse não tem nome, não tem endereço mas vive e por vezes morre. Bonito.

    ResponderEliminar
  26. Uma mensagem que convém ler atentamente e aplicar o mais rapidamente possível no dia-a-dia. A força. A força é fundamental para que a vida não nos destrua com um simples estalar de dedos.

    Tenha uma óptima semana, AC :)

    ResponderEliminar
  27. Gostei muito do comentário de Lidia Borges. Concordo com ela inteiramente.

    Beijo

    ResponderEliminar
  28. Obrigada por dares a conhecer aqui paisagens do seu interior.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  29. Ser. Ser na interioridade de si. Ter um nome que nada nem ninguém pode referir, porque tem uma alma...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  30. "nome sem nome"... e todos os nomes...

    belíssimo texto.

    abraço

    ResponderEliminar
  31. Mais que lhe dar nome , o importante é existirmos nela , respeitarrmo - nos e sem cedências .

    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  32. O ser é sempre um compreender-se num único sopro.
    Grande abraço, AC

    ResponderEliminar
  33. AC: bem lá dentro..encontram-se nossos tesouros..poucas vezes revelados...amei td.abraços meus.

    ResponderEliminar
  34. Palavras muito significativas. Mais que o nome a essência.

    bjs

    ResponderEliminar
  35. O quadro é lindo e o texto lembra onde reside o que somos: não é no nome...

    :)

    ResponderEliminar