sábado, 12 de abril de 2014

ETEREAMENTE

.

.
.
.
Enquanto subia foi afastando as urtigas, comichão impertinente, e sentou-se no alto da colina, resguardado de efémeros brilhos. 
Aconchegou-se nas estrelas, dimensão maior de todas as pegadas. O tronco do pinheiro onde se recostara era o elo de ligação ao lugar, base inglória de dados ao desvario. Esboçou a montagem do puzzle, ébrio na multiplicação de rotas sem fim, apenas respirava a intuição. Quase sem se dar conta - eterno navegante em busca de porto de abrigo - começou a procurá-la na imensidão, a dar guarida às memórias...
O apelo das estrelas redimensiona o olhar, dá-lhe lustro, mas é no pó que tudo começa, que tudo se forja. Quando voltar a subir a colina, em noite estrelada, as mãos estarão sujas de moldar o barro.
.
.

51 comentários:

  1. Poeta , obrigada por nos presentear com tão belo texto . Beijos

    ResponderEliminar
  2. Afinal, do que somos feitos, senão poeira de estrelas?
    um abraço

    ResponderEliminar
  3. Um texto mesmo de "interioridades": o ato de nos sentarmos num lugar que nos remete para uma memória de algo ou de tanta coisa em simultâneo, leva a uma reflexão sobre o nosso percurso, a nossa caminhada e a subjacente perplexidade perante a grandiosidade do Universo...
    No final do texto (magnífico) pareceu-me ver aí uma referência à última "subida" que um dia faremos...
    Bjo, AC :)

    ResponderEliminar
  4. Meu querido Poeta

    São momentos em que estamos com o nosso EU mais profundo.
    Como sempre um texto que vai muito além das palavras.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  5. As colinas da nossa inquietação.

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  6. É! O céu estrelado tem esse efeito em quem ousa levantar os olhos do seu umbigo. Sentir-se pequenino é um momento de grandeza, E acabo de constatar que há imenso tempo não me perco na contemplação do cosmos...
    Um abraço, caro AC, e um doce domingo
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  7. O sonho se avoluma e toca as estrelas, mas, não há como tirar os pés fincados no chão...
    Beijos, AC!

    ResponderEliminar
  8. Nossa!! Demais isso, AC!! Pude absorver cada palavra e sentir a intenção contida nelas. "Respirar a intuição". Sim, esse é o caminho a se seguir, sempre.

    Bjos

    ResponderEliminar
  9. "Quando voltar a subir a colina, em noite estrelada, as mãos estarão sujas de moldar o barro."

    Belissimo... belissimo...

    ResponderEliminar
  10. ~ As estrelas e o barro...
    ~ Um texto muito belo.

    ps
    ~ Em vez de ífenes, deveriam estar, virgulas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Majo, a formatação é uma coisa danada... :)
      (E eu nem sequer questiono a utilização das vírgulas no seu comentário)
      Gosto muito de a ver por cá, sempre!

      Um beijinho

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Uma pausa prolongadíssima, Majo, tendo em vista um blogue que ainda não existe. Talvez devido à meditação transcendental acerca do correcto uso da pontuação, será? :) Mas ele há-de surgir, tenho a certeza, com palavras medidas a régua e esquadro. Serei um seguidor incondicional, adoro a deformação profissional. :)

      Tenha uma boa semana!

      Eliminar
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    5. Majo, foi pena ter apagado o comentário, mas registei a sua insistência nos hífenes. Não são "hífenes", criatura, são "travessões".
      Socorreu-se, além disso, de "quiz" como forma do verbo querer. Eu sei que quis, mas faltou-lhe capacidade no que lhe sobrou de intenção.
      Uma boa semana!

      Eliminar
  11. Bela explanação da criação, do que somos caríssimo bjs. Tenha um lindo final de semana.

    ResponderEliminar
  12. a imobilidade e a perpetuação..
    perfeito.
    beijo AC

    ResponderEliminar
  13. AC, não me vejo com competência alguma para tecer qualquer comentário diante do que escreves que não seja: - Magnífico! Por diversas vezes não alcanço o significado do que dizes e crio o meu próprio. A poesia das suas palavras são incríveis. É assim que sinto. Um abraço, querido. Queria te convidar para ler a ultima postagem que fiz no meu Blog http://mulhermaeprofessora.blogspot.com.br/ Não há muito de poesia lá. Ou haverá? Quem sabe vc encontra isso também. Te espero. bjs

    ResponderEliminar
  14. O barro e as estrelas, as duas faces da da vida. Excelente!
    bjs

    ResponderEliminar
  15. Olhar em volta e se revigorar, à cada contemplação...
    Um beijo,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  16. Um texto concebido de uma dimensão maior, do que pode alcançar um olhar humano...as palavras transcendem-se em brilho, como se fossem o próprio pó das estrelas. Ou até o barro, iluminado pela poesia da sua alma.
    Muito belo, mais uma vez.

    ResponderEliminar
  17. AC saio em silêncio, pensando! Amei simplesmente.

    Boa semana meu amigo


    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  18. E aqui está o homem . . . pó da terra e das estrelas , tentando afastar as urtigas da vida , que lhe dificultam a subida .

    Há algo , neste belíssimo texto , que me trouxe Van Gogh ! ?

    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  19. Estamos sempre a apreciar a beleza das estrelas e me pergunto se no fim de tudo é perto delas que iremos ficar. Ah, esses mistérios do pó ao universo...

    Beijos e uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  20. Gosto e me impressiona a forma como você descreve as imagens que me vem à mente enquanto leio as suas palavras...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  21. a essência da vida, na sua caminhada.
    Gostei imenso.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  22. Interessante a tarefa árdua da moldagem para se poder chegar à luz.
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
  23. És um filósofo, Agostinho, pois não?

    Beijos :)

    ResponderEliminar
  24. Para descobrir o verdadeiro caminho das estrelas, e para que elas tragam esse lustro ao olhar, é necessário primeiro partir muita pedra, ou neste caso moldar muito barro.
    Um texto muito belo, como sempre, AC.
    xx

    ResponderEliminar
  25. Olá, AC!

    Olhando o céu com os pés plantados na terra, lugar onde afinal tudo começa e acaba...e entre os quais sempre viveremos.
    Inspirado filosofar!

    Uma Feliz Páscoa, com um abraço
    Vitor

    ResponderEliminar
  26. AC: misturar-se com os sonhos...desafiando os limites..sempre!!
    Adoro seus escritos querido amigo.
    abraços meus.

    ResponderEliminar
  27. O pó das estrelas no barro de que somos feitos... Um texto excelente com muito para decifrar nas entrelinhas.
    Abraço e Boa Páscoa.

    ResponderEliminar
  28. Um texto que nos leva a reflectir. Palavras muito significativas.
    Gostei imenso.

    Beijos e uma boa Páscoa

    ResponderEliminar
  29. Mais um belíssimo texto

    mesmo visto das estrelas que pairam no chão
    que pisamos

    Abraço

    ResponderEliminar
  30. Quando se respira a intuição penso que estamos no bom caminho. Não há que ter medo. É subir a colina embora existam urtigas pelo caminho.

    Um resto de boa semana, AC :)

    ResponderEliminar
  31. AC

    Deixei um pequeno presente no link abaixo! :)

    http://instantaneospretobranco.blogspot.pt/2014/04/um-presente-recebido-presentes.html

    Boa Páscoa!

    ResponderEliminar
  32. Oi poeta
    Que belo texto. Lindas metáforas!
    Amigo deixo o link do novo blog http://momentosdeamorepoesia.blogspot.com.br/
    Um carinhoso abraço

    ResponderEliminar
  33. "´... é no pó que tudo começa..." e é a alma - ébria de luz - que guia as mãos do "oleiro" e faz cintilar as palavras - perfumadas - com o fresco aroma dos pinheiros, que eu adoro :)
    Beijinho AC, obrigado pelo carinho e tenha uma Santa Páscoa!

    ResponderEliminar

  34. " Quando..." será sempre um paradoxo do (in)finito.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  35. A beleza do universo... O silêncio e o comungar com a natureza e o tempo...
    Gostei muito
    Obrigada pela visita
    Boa Páscoa
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  36. As estrelas são desejos...
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  37. Um dos melhores textos que li por aqui...

    UM abraço

    ResponderEliminar
  38. Um caminhar numa construção por dentro da casa (interior),

    com todas as janelas e portas abertas para o brilho etéreo

    que redimensiona o olhar para a rota infinita...

    Sempre belo e profundo texto que possibilita

    um olhar revolucionário,AC!

    Bj.

    ResponderEliminar
  39. Um belo texto, AC.

    É realmente no pó que tudo começa
    e que tudo acaba...

    Aproveito para deixar votos de uma Páscoa feliz.
    Beijo :)

    ResponderEliminar
  40. O céu e nós, grande mistério, navegadores e caçadores de sonhos ... o pó das estrelas é rasto de magia. É preciso acreditar! Feliz Páscoa

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  41. Subir a colina...dessa forma etérea...suprema caminhada. Belíssimo. Excelente a escolha do título.

    Bjs

    ResponderEliminar
  42. AC
    Adoro demais tudo o que escreve. Faz tempo que não venho aqui. Mas vou voltar para ler palavra por palavra as postagens do seu blogue , uma preciosidade ímpar.
    Vim desejar FELIZ PÁSCOA.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  43. Uma rota com o lustro poético de uma estrela: AC.

    ResponderEliminar
  44. Excelente. Bastante introspetivo!
    Da raíz, ao fruto que somos, para em seguida fazer-mos inevitavelmente, o caminho inverso.

    http://diogo-mar.blogspot.com/

    ResponderEliminar