sábado, 10 de maio de 2014

FRAGRÂNCIAS DE MAIO

.
Fotografia de AC, Gardunha
.
.
.
Descia a rua, enlevado, refém da fragrância das flores de Maio.
Quando passava à tua porta, epicentro do mundo, a varanda era o local dos milagres por acontecer. Sentia-te por perto, sabedora dos meus passos, o viço dos manjericos era o sorriso que perpetuava o perfume dos sentidos.
O coração, rendido, teimava em ficar, mas continuava a descer a rua trauteando ária interior. As papoilas já se insinuavam na seara, em breve chegaria a época do trigo maduro.
.
.

.

32 comentários:

  1. Lindo , como sempre!! Gosto de te ler! abraços,chica

    ResponderEliminar
  2. Que rico lirismo de "ária interior", de flor-signo, da música deste peregrino que sabe o lugar do "epicentro do mundo".
    Abraços, caro AC,

    ResponderEliminar
  3. Ouvindo sempre essa voz....Rica, profunda, apaixonada....
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  4. Postagem perfeita trazendo á tona os sentimentos profundos do amor...
    um abraço

    ResponderEliminar
  5. Poeta , lindas estas fragrâncias de maio . Beijos

    ResponderEliminar
  6. Como é bom saber , e sentir , onde se encontra o epicentro do mundo,


    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  7. Um texto que liga bem com a canção fantástica de António Zambujo.
    A fragrância de Maio é o melhor da Primavera.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  8. °✿彡º°。
    Bom domingo!
    Boa semana!
    .°º。✿
    Beijinhos carinhosos.
    ✿✿⊱.Minas°º。✿° ·.

    ResponderEliminar
  9. Poeta, fotógrafo, bom gosto musical e belas palavras AC me vi andando entre as flores de Gardunha. Tenha um lindo final de semana. Um abraço.

    ResponderEliminar
  10. Bonita Composição letras imagens sentimentos!
    Saudades dos montes floridos e das fragrâncias de Maios longinquos...

    Abraço dos Alpes

    ResponderEliminar
  11. Olá, AC!

    Quando o centro do mundo morava numa casa duma rua a descer...Ou linda forma de recordar amor que não se esquece.

    Um abraço e boa semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
  12. Que belo! E uma grande escolha , o A. Zambujo!
    Maio é a Primavera plena, o Maio maduro dos frutos vermelhos e das maçãs de rosto vermelhas pelo fogo que pode abrasar os sentidos.
    Muito bonito, AC. Tudo!
    xx

    ResponderEliminar
  13. A este texto eu chamo poesia pura.
    Boa escolha musical.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  14. A maturação chega sempre, apenas necessita de tempo.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  15. Época de cores, aromas e flores.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. é, o coração é teimoso e irracional, e ainda bem, porque
    a primavera com todas as suas fragrâncias e cores tem que ser vivida em pleno, com toda a alegria possível, é nela que retemperamos todas as energias positivas e necessárias ao nosso viver [tão atribulado pelas dificuldades impostas...]

    essa serra está linda!
    beijo.

    ResponderEliminar
  17. Também eu adoro este momento em que a Natureza explode, com as papoilas e as margaridas em contraste, na beira da estrada. Com os pássaros em alegres volteios, felizes na sua liberdade. Com o céu de um azul imenso e o vento que nos traz cheiros e cheiros... Ah!
    Abraço amigo AC
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    P.S. Respeito perfeitamente a sua aversão a selos e redes sociais (por isso não o indiquei). Encaro-o como uma das muitas idiossincrasias de cada um. Também tenho muitas diferenças, manias (o que lhe quiser chamar): umas grandes, outras pequenas, outras simplesmente estranhas!

    ResponderEliminar
  18. Adorei a 'Noite Estrelada' de António Zambujo. Desconhecia. A letra é deliciosa. Gostei muito da foto salpicada de amarelo. O texto tranquilo a cheirar a flores de Maio. Um mistura explosiva. De bom gosto.

    Tenha uma excelente semana, AC :)

    ResponderEliminar
  19. bela urdidura de sentimentos...

    abraço

    ResponderEliminar
  20. Voltando para o blog fiz questão de visitar vc que sei que é pura poesia e sentimento à flor da pele.Tenha uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  21. Posso imaginar, quantas vezes o coração passou feito louco, pela varanda dos milagres...
    Beijo, AC!

    ResponderEliminar
  22. Maio em todo o seu esplendor. Quer nas fragas quer nas palavras coloridas e amor!
    Beijo!

    ResponderEliminar
  23. A estas fragrâncias de maio, eu chamo de um belo poema acompanhado com a fantástica canção de António Zambujo.

    Obrigado AC por este momento

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  24. Em espera!... O tempo desfia-se no trautear lento de uma canção.

    Lindo!

    ResponderEliminar
  25. Simplesmente encantador contactar com as tuas palavras, que evocam

    um sentir que nos amplia por dentro, levando as fragrâncias das

    flores de maio, bem dentro da alma...

    A leitura é sempre especial aqui, AC!!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  26. Gostei de te ler...as flores de Maio são poemas que nos saltam para as mãos e só temos de os entrançar e com a música do António Zambujo...a poesia ficou numa pauta apetecível
    Graça

    ResponderEliminar
  27. Corações em harmonia com a natureza.Sempre lindo te ler, AC.

    Adorei conhecer o poema do Eugénio de Andrade.É realmente linda a forma como ele escreve.Obrigada, querido.

    Beijinho e bom fds.

    ResponderEliminar
  28. Lindo, bom fim de semana beijo Lisette

    ResponderEliminar
  29. As tuas fragrâncias de maio tocaram-me fundo! senti-as minhas!
    Bjs

    ResponderEliminar
  30. Pensei que tinha comentado...
    Maio é o mês do olhar ficar mais colorido: os verdes já despontaram, os amarelos inundam a paisagem e os vermelhos salpicam-nos. Depois os frutos vermelhos...
    O impressionismo que captamos na natureza. É, de facto, um texto de "enlevo", AC.
    Bjo :)

    ResponderEliminar
  31. O epicentro da poesia nasce, assim, na simplicidade de uma varanda e nas fragrâncias de Maio. Até se veem estrelas em noite escura!
    Beijo.

    ResponderEliminar