sábado, 3 de maio de 2014

UMBIGUICES

.
Hélio Cunha, Hiroxima, meu amor
.
.
.
Socorrias-te dos oráculos, mas eles apenas te segredavam o que querias ouvir.
Improvisavas danças ao luar, tentavas descodificar as nuvens, mas a plateia apenas aplaudia, comedida, até justificar o convite e a ceia.
Lançavas as cartas, tentavas ver para lá do espelho, sobressaltavas-te com o despertar dum gato preto. Querias entender, ter tudo ao alcance da mão. Desesperavas.
Hoje, quando acordaste, quiseste ajustar contas com o mundo. Hoje, como sempre, esqueceste-te de olhar para lá de ti. E, inacreditavelmente, a vida continuava.
.
.

31 comentários:

  1. Sensibilidade e beleza!!! LINDO! abraços,chica

    ResponderEliminar
  2. A vida é feita de pequenos passos...Temos que a descobrir, deixar que floresça connosco e surpreender o horizonte....
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  3. É tão importante olharmos para nós mesmos como sabermos ver o que nos rodeia. Só isso nos completa e faz a vida continuar... Gostei muito do texto.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Todos os oráculos são dúbios
    assim como equívoco é o tempo que os desfaz

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Caro amigo, o grande problema da humanidade é não conseguir outra visão para além do próprio umbigo. Poucos sentirão esse ligeiro de desconforto, resultante da sensação de que existe qualquer coisa mais lá fora...
    Um abraço, um doce fim-de-semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    P.S. Muito obrigada pelo seu comentário tão amável lá no meu cantinho

    ResponderEliminar
  6. Não é saudável buscar só os aplausos, sem nunca querer ouvir a voz interior...
    Beijo, AC!

    ResponderEliminar
  7. ... e não é que reconheci algumas pessoas nessas acertadas palavras :)
    Muito bom. Parabéns!
    (agora vou ter o gosto de 'passear' mais um pouco por aqui)
    Beijinhos :)
    mariam

    ResponderEliminar
  8. Uma estrela nunca é mais que apenas uma estrela na noite. O espírito de oráculo sequestra-nos no nosso próprio eu, e não existe profecia seja ela qual for que nos possa "trazer" o futuro ou colocar-nos o mundo ao alcance da mão. Além disso nunca se deve tentar acertar contas com o mundo... nem com os outros. Façamos de conta que o nosso umbigo não existe.
    Obrigada, AC, pela leitura de mais um excelente texto.
    A pintura também é muito bonita.
    xx

    ResponderEliminar
  9. Ver e ouvir além de si, é tarefa quase impossível, para muitos..
    Um beijo, AC.

    ResponderEliminar
  10. a vida é mais..
    perfeito AC.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Aqueles que olham apenas para o próprio umbigo se tornam cegos.

    bjs

    ResponderEliminar
  12. Poeta , adorei as "Umbiguices ".
    É bem assim . Tem muita gente que sofre deste mal . Agradeço o presente em forma deste belo texto . Beijos

    ResponderEliminar
  13. Olhar para dentro é sempre difícil porque a perfeição é difícil de atingir.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  14. Muito bem, gostei imenso como sempre.

    Feliz dia da mãe

    ResponderEliminar
  15. Não deve doer o pescoço de quem passa a vida a olhar pro próprio umbigo? Assim como deve, também, doer-lhes a alma pela falta do amor que vem de fora para dentro. Por que dentro não cabe mais nada além de si próprio.

    Um abraço, AC.

    ResponderEliminar
  16. Impossível controlar tudo ou ter todas as respostas...
    Sábio texto!

    ResponderEliminar
  17. No espelho das águas

    tudo é mais claro

    ResponderEliminar
  18. As batalhas devem ser travadas em combate!

    Boa semana meu amigo AC

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  19. Maravilhoso, profundo...por certo a vida é sempre tão mais do que cada ser e suas umbiguices... beijos,
    Valéria

    ResponderEliminar
  20. o maior cego e o que não quer ver...

    excelente texto

    abraço

    ResponderEliminar
  21. Agostinhamigo


    Como certamente já sabes, estou (infelizmente…) de volta a este vale de lágrimas em que os criminosos que dizem que nos governam reina a felicidade e até consegui(mos?)ram uma saída limpa (???) depois de quase três anos de sofrimento, de penúria, de pobreza e de resignação. Somos assim, masoquistas, gostamos de levar na cabeça, que raio de vida e de estar de cócoras.

    Goa ficou para lá voltar no próximo ano. Entretanto, estarei por cá e tentarei ir acompanhando, como habitualmente faço, este teu blogue. E, sempre que possível, comentando. Mas, hoje, ainda não comento…

    Abç

    ResponderEliminar
  22. Há gente que não muda nunca.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  23. Continua . . . para além da morte , e só possuímos e levamos , o que escavamos e exploramos em nós .

    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  24. Olá, AC!

    Centro do universo, é assim que alguns se vêem. E rodeados de satélites dados à lisonja - só conseguindo enxergar o que está perto,e aquilo de que gostam...Gente com um umbigo grande...

    Um abraço
    Vitor

    ResponderEliminar
  25. AC, há cada vez mais gente a pensar apenas em si!!!Uma selva de egoísmo ! O teu texto está maravilhoso como sempre.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  26. Antes de tudo, há que olhar para lá do espelho de nós. Depois é o espelho do outro que nos ilumina...
    Sempre muito bons, os teus textos, AC
    Bjo :)

    ResponderEliminar
  27. AC.

    o ligação parte de um ponto central e não se desvincula porque não se consegue viver a propria vida, neste caso, nos 2 pontos. Mas a vida sempre vai continuar.

    Bjs

    ResponderEliminar
  28. Este espelho é o sino do anoitecer, é preciso estarmos atentos ao seu badalar, à sua serenidade, à sua paciência, pois no outro dia a vida continua...
    Abraços, caro AC.

    ResponderEliminar
  29. um sobressalto de sensibilidade.
    obrigada por tanta...

    e peço desculpa pela falta de visitas. também a mim tenho faltado :))

    abraço

    Rosário

    ResponderEliminar