sábado, 14 de novembro de 2015

EM BUSCA DO FUTURO

.
Margarida Cepêda, Berço
.
.
Eram nómadas por convicção. Traziam consigo, coladas no dorso, conchas de outras eras, medalhas naturais adquiridas no seu deambular.
Vislumbraram há muito o padrão das estrelas, mas continuavam sem encontrar correspondência nos seus passos. Sabiam dos limites da explicação do claro-escuro, perpetuadora de fronteiras, e percorriam os caminhos em busca de novas tonalidades. Tentavam de todas as formas geométricas, mas o brilho almejado, sem eclipse, teimava em não se revelar.
Na sua tentativa de descobrir o futuro, ser nómada tornara-se condição. E, por entre as carícias do vento, a música e a dança tendiam a suavizar o caminho.
.
.
Dezembro de 2011
.
.

31 comentários:

  1. O mar une... e o mar separa...
    O mar termina... no mesmo sítio onde o mar começa...
    Por entre as carícias do vento... as ondas do mar, terão um mundo inteiro por descobrir de incoerências... e se as há no mar... imagine-se as incoerências que não existirão em terra...
    Serão nómadas por condição, sim...
    Para mim... são as ondas do mar... procuram chegar mais além... descobrir o futuro... talvez para entender o presente...
    Adorei o texto!... E o enigma que deixa transparecer...
    Beijinho! Bom domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
  2. E essa busca faz parte do ser humano, sobretudo de quem mais sofre às mãos de governantes "sem adjectivos".

    Um bom domingo

    ResponderEliminar
  3. Um belo poema feito prosa. A busca do futuro sempre foi o sonho da humanidade. Talvez por isso o presente seja tão mau. O futuro é uma miragem, não existe. O amanhã quando lá chegarmos será presente. E a humanidade,já não vive. Sobrevive entre as recordações do passado e os sonhos do futuro.
    Um abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
  4. Creio que todos somos nômadas à procura de nós próprios. Um ponto, uma luz que nos ajude a descobrir o paraíso....
    Um texto para reflectir....
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  5. Tão belo, tão belo!!
    Fiquei no silêncio percorrido, neste brilho
    que a grande e sublime poética nos abarca...
    A imagem é um poema!
    Beijo, AC.

    ResponderEliminar
  6. Só um espírito nômada e lutador consegue fazer do presente um futuro condigno.
    Mais um belo momento de prosa poética, AC.
    Fica um beijinho e continuação de um bom domingo.

    ResponderEliminar
  7. Que belo texto!
    Todos trazemos coladas essas conchas. Já em busca constante nem todos andamos, isso já requer audácia ou algo superior a impelir-nos.
    Beijinhos, bom domingo :)

    ResponderEliminar
  8. Uma vida nómada, uma luta sem fim pois o futuro é sempre amanhã. Beijinho AC

    ResponderEliminar
  9. Pura viagem..através do nosso tempo imaginário!!!abraços meus a ti.

    ResponderEliminar
  10. E somos mesmo todos nômades.
    Belo, AC.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  11. Oi, A. C....sempre num sonho distante a descoberta das maravilhas do feminino que trazem no seu bojo o destino do mundo ...as nômades que descobriram as artes do
    tempo que se embaralham nas cartas e nas palmas das mãos..
    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. Linhas bem tecidas para reflectir! Ser nómada será uma virtude, uma missão?
    Beijinhos, boa segunda!

    ResponderEliminar
  13. Caro A.C,

    Agradeço o olhar generoso sobre o meu texto. E o que digo sobre as nômadas?
    Nômadas por convicção, como se lhes faltasse alguma coisa. E lhe falta, já sabemos.
    É tudo mesmo assim, se pouco sabemos dos imensos rios, ainda menos do futuro, que o digam as nômadas!

    Forte abraço,

    ResponderEliminar
  14. A devolver a visita!
    :)
    Vou voltar com mais tempo!

    ResponderEliminar
  15. Uma viagem que não tem fim, talvez por isso seja tão aliciante.
    Um belíssimo texto poético e uma pintura linda de Margarida Cepêda,

    Um beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  16. hóspedes da Vida se fizeram nómadas...

    os teus textos são sempre "revelação" poética.

    forte abraço

    ResponderEliminar
  17. Vidas vertidas num bloco de notas recheado de poesia.
    No final pareceu-me ouvir um tilintar. Reconforto duma canção?
    Nas esquinas moram oportunidades para encontros de realidade.
    Na cidade? Na poeira dos caminhos?
    Cada vez mais nómadas afloram nos que cá estão.

    Obrigado, amigo AC.

    ResponderEliminar
  18. E somos todos nómadas...é preciso fazer caminho.
    Abraço*

    ResponderEliminar
  19. E não somos todos, um pouco, nómadas?
    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
  20. O nomadismo da memória e dos afectos... Ao ler este excelente texto lembrei-me do poema de Kavafis: "Não te apresses nunca na viagem. É melhor que ela dure muitos anos, que sejas velho já ao ancorar na ilha, rico do que foi teu pelo caminho..."
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  21. Que grande diferença existe entre ser nómada por convicção e a "obrigatoriedade" de ser nómada!
    Belo texto!
    xx

    ResponderEliminar
  22. Olá meu Amigo

    Hoje vim apenas deixar o meu beijinho.

    Até breve.

    Adélia

    ResponderEliminar
  23. acho que também sou um pouco nómada,..
    curto e belo AC
    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
  24. Uma vida nómada, com ou sem futuro...uma eterna busca.
    Bjs

    ResponderEliminar
  25. Magnífico texto, já que todos somos um pouco nómadas...
    Gostei imenso, parabéns.
    Tenha um bom fim de semana, caro amigo AC.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  26. Belíssimo... mas só penso no cavalo, como um errante paladino ao serviço sazonal de quem o tem...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  27. Todos somos nómadas na vida.
    Excelente texto
    Um abraço
    Maria

    ResponderEliminar
  28. Ser "nómada por convicção" faz toda a diferença: é a escolha da aventura e da descoberta pela proximidade aos lugares, às gentes. Admiro pessoas com esta "convicção".
    Mais um belo texto, amigo.
    Bjo :)

    ResponderEliminar
  29. Admiro quem tem esse espírito sem fronteiras! Nos dias que correm as pessoas são obrigadas a viajar em contra mão! Não é a mesma coisa!
    O teu texto poético é uma verdadeira aventura aos nossos sentidos!

    Beijinho, AC :-)

    ResponderEliminar