sábado, 7 de novembro de 2015

PRESSAS

.
Hélio Cunha,Táxi
.
.
Caminhava, apressado, contornando as pessoas com a ligeireza própria dum desesperado. Estava atrasado, mais uma vez, lutando contra relógios, guarda-chuvas, buzinas, semáforos, polícias, carros, vendedores ambulantes, turistas, pombos... tudo quanto lhe aparecesse pela frente. 
Não era sina, era apenas a consequência de tudo querer, quase sem regra, como se o mundo se fosse desintegrar a qualquer momento. Levava demasiado a peito a ideia de falência do sistema, esperança era palavra ofuscada do seu vocabulário. E corria, corria muito, em prol de se satisfazer, às tantas nem sabia bem do quê. Apenas queria viver, tentar viver tudo num instante, com urgência, mas sem procura, sem filtragem, sem aprendizagem...
Corria, interpelava, clamava por um táxi. Com tanto frenesim, nem descortinava que era ele que, rapidamente, se começava a desintegrar.
.
.

48 comentários:


  1. Assim é... na selva de pedras!...

    Bom fim de semana com tudo de bom!!!
    Beijinhos.
    ✿˚° ·.

    ResponderEliminar
  2. Oi, A.C....visão esclarecida dos "Tempos Modernos".. Correr para quê ou de quê?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Algo que ainda não aprendemos... não podemos querer tudo... ser tudo... ou estar em todo o lado...
    Não nos podemos desdobrar... somos humanos... e como tal... falhamos!
    Perante nós... ou perante os outros... e falhar, às vezes... é mesmo a última réstia de humanidade, que a sociedade, na sua correria diária, insiste em querer apagar de nós... tornando-nos autómatos... e infalíveis...
    Excelente texto e excelente suporte em imagem!
    Beijinho! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  4. As novas tecnologias surgiram e surgem à velocidade do som e o homem, burro para cacete, entre dessa correria e se chegar a uma idade em que se pensa mais, olha para trás verá resmas de pele, neurónios e afins espalhados pela sua estrada.

    Pior é a actual geração, habituados a terem tudo...não sabem falar, comunicar e são poucos os pais, educadores e até avós que lhes mostrem que há mais vida para além de, que o dia continuará a ter 24 horas e sobretudo lidarem com REGRAS, para não se desintegrarem como dizes.

    O querer tudo...já vem de longe.

    Foi a minha sincera interpretação e gostei, porque algo escrito por alguém tem uma interpretação, lido por dez poderá ter dez diferentes, certo?

    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Verdade AC! É exatamente isto que está ocorrendo no mundo!
    Uma pena! É a vida passando em brancas nuvens...
    Ótima reflexão.
    Abraços!
    Mariangela

    ResponderEliminar
  6. É preciso contrariar e disciplinar a ânsia urbana.
    Quem quer viver a correr, não vive, sobrevive, e mal.
    Mais um belo momento de prosa poética.
    Fica um beijinho, AC.

    ResponderEliminar
  7. Na verdade

    é preciso parar
    para ver como se anda

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Quando era menina, o tempo demorava a passar, tinha tantos sonhos, para viver, e nunca mais crescia. Depois o tempo passou a correr. Alguns sonhos se perderam pelo caminho, outros continuam comigo, e continuarão até à hora derradeira. Mas hoje já não tenho pressa. Aprendi muito nestes quase 70 anos. Pena que só saibamos lidar com a vida, quando ela já caminha para o fim não é mesmo?
    Um texto muito bem escrito.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. Nossa maior dificuldade é "estar presente no presente".
    Precisamos fazer tudo ao mesmo tempo, então nos falta tempo!
    Adorei sua reflexão!
    Beijo carinhoso!

    ResponderEliminar
  10. Impossível evitar uma pontinha de identificação, principalmente quando se vive nos grandes centros urbanos.

    ResponderEliminar
  11. Eu ando depressa sem estar com pressa. As vezes me convenço que é preciso aproveitar o caminho, então vou mais devagar, mas quando vejo, lá estou eu mais uma vez sem ar. Uma tristeza! Adorei a prosa, AC e eu ri com os pombos.rs

    Beijinhos e bom domingo.

    ResponderEliminar
  12. De tanto correr, quase deixamos de viver.

    ResponderEliminar
  13. Mudar o mundo não custa muito, leva é tempo.
    por isso a pressa é perversa.
    até diria
    que, em vez de acelerar, adia

    ResponderEliminar
  14. OI AC!
    ASSIM ANDAMOS, SEMPRE A CORRER, DEIXANDO DE APROVEITAR A BELEZA DA NATUREZA AO NOSSO REDOR.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  15. Às vezes um tempo ajuda....
    Bjbj Lisette

    ResponderEliminar
  16. Integrar-se, entregar-se, perder-se... A perda da identidade é a mais recente endemia de nossa sociedade. Na ânsia de participar deste mundo caótico, o homem deixa de se constituir como "alguém" para ser "todos"... Abraços, bom final de semana.

    ResponderEliminar
  17. Perdemos a noção de nós próprios...A correr para qualquer coisa que depois não é nada....e não gozamos o maior bem de tudo... Nós, a nossa vida...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  18. Urbano e voraz! Adoro estar aqui novamente. Bj

    ResponderEliminar
  19. Perfeito... é isso mesmo... somos nos que de tal forma entramos nesse ritmo de correria e stress que nao conseguimos frear a mente e acabamos em colapso...

    ResponderEliminar
  20. Pior que isso , é quem se desintegra , só porque se lhe atravessou no caminho .

    Boa semana AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  21. Um retrato fiel do nosso mundo! Em casa, nas escolas, nas ruas, nos empregos... e há pessoas que só sabem viver assim.... se por qualquer razão fazem uma paragem, é o fim do mundo, porque de repente vão-se confrontar com elas mesmas.... parar significa pensar, dar-se conta do eu.... e isso nem pensar!!!

    Beijinho AC :) (Gostei da ilustração!)

    ResponderEliminar
  22. A pressa sequestra o que temos de mais importante:
    a consciência, a vivência e a entrega...
    De fato tudo irá se desintegrar e é melhor
    viver de verdade até lá...
    Belas e profundas, a prosa e a imagem escolhida, AC!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  23. Excelente !
    Há tanta gente a viver assim, a desintegrar-se.
    Para quê ? Para onde? Porquê ?

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  24. Este é, sem dúvida, o grande problema dos dias que correm. E na pressa até se atropelam pombos. Coitados do pombos que se atravessam nas vidas corridas desta gente :))

    Tenho um truque, AC, mesmo de manhã quando uma pessoa sai para o trabalho, sair com tempo. Por vezes sabe muito bem ver a manhã deserta e caminhar devagar. O cheiro da manhã nem sempre é agradável, mas uma pessoa consegue esquecer por momentos essa parte. Também o faço no final da tarde, por vezes a chover torrencialmente sabe bem caminhar pelas ruas da cidade devagar. Parece que limpa a alma. É uma sensação única. Aconselho.

    Tenha uma boa noite, AC :)

    ResponderEliminar
  25. Poeta , descreve com bastante precisão o que se passa nos dias de hoje .
    Aqui onde moro , São Paulo , Brasil , corremos de manhã à noite .
    É bastante cansativo e temos que nos cuidar para que não nos desintegremos , no meio de um trânsito caótico e violento . Beijos e boa semana

    ResponderEliminar
  26. Só não chamo pelo táxi...mas começo a desintegrar-me...
    Um alerta sábio e poético.
    Bjs

    ResponderEliminar
  27. Tantos de nós vítimas dessa pressa, mas não podemos culpar o mundo nem nada nem ninguém, apenas a nós que devemos repensar o nosso tempo, a nossa vida :))
    Beijinho AC

    ResponderEliminar
  28. "Vamos a isto que é uma pressa" é uma pressa benigna, a das decisões em tempo certo. Outra coisa é o desgraçado frenesim que atropela tudo e todos.
    AC, caracteriza neste trecho uma DOENÇA que atormenta boa gente com que damos de caras todos os dias. Vivemos numa sociedade de extremos, do tudo ou nada. Em oposição aos apressados temos os imobilizados. Os do meio termo cada vez são menos.

    ResponderEliminar
  29. AC: corremos assim..em busca do tempo perdido..a espera de mais tempo...sem sabe nem pra quê? Grande angústia da atualidade..vale areflexão!
    abraços meus.

    ResponderEliminar
  30. "Eu confio" é um texto sobre a importância de escolher um suplemento alimentar de confiança, de uma marca que aposta em estudos científicos para demonstrar a qualidade dos seus produtos. Visita o blogue para descobrires mais sobre a Pharma Nord e o BioActivo Q10.
    O Histórias de Ariadne é um blogue pessoal em que podes encontrar textos sobre assuntos farmacêuticos, histórias pessoais, dicas/truques/artigos para alcançar o sucesso (seja pessoal, bem-estar ou profissional), fotos das minhas gatas (yup, sou uma daquelas pessoas que ama gatos e é viciada em café). Dá uma espreitadela, pode ser que até gostes do que por lá partilho.

    Beijinhos
    Ariadne
    http://historiasdeariadne.blogspot.pt

    ResponderEliminar


  31. sintese perrfeita da sufocante armadilha em que esbracejamos.

    forte abraço, meu amigo.

    prazer grande ler-te. sempre!

    ResponderEliminar
  32. assim é, na selva do dia a dia, e depois?! que resta?
    nem sabemos nós porque corremos, ou sabemos, e estamos agarrados ao sistema.
    realista este texto...
    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
  33. Também voltei, meu caro A.C. e tenho consciência de quanto tempo passou. Como o personagem que, em meio a tanta correria, não tinha olhos para uma plantinha ingênua crescendo.
    Nada mais sublime do que vê o tempo passando para não se desintegrar.

    Forte abraço, companheiro!

    ResponderEliminar
  34. Às vezes há pressa em agarrar a vida... e é tanta que se corre o risco de desintegração.
    A tela liga bem com o texto. Gostei muito.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  35. Gostei muito do quadro e do texto - este para nos fazer pensar.
    uma boa semana e um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  36. Óptima reflexão a deste conto! Geralmente pergunto-me porque corremos, vejo no trânsito matrículas e mais matrículas à frente... e para quê? Outras vezes pergunto-me se não teremos mesmo de correr ainda mais.
    Bjs

    ResponderEliminar
  37. E a vida passa e não damos pela sua presença como se fosse um dado adquirido. Sem tempo para saborear a simplicidade dos pombos que também comem a fugir...
    E nós...corremos atrás!
    Para parar e pensar, AC!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  38. Imagem certeira, AC: desintegramo-nos, somos mais uma partícula numa nuvem delas! De que adianta correr? Mais vale aderir ao slow motion agora em voga :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  39. Na correria diária deixamos muitas vezes, a vida passar por nós sem a vivermos.
    Um abraço
    Maria

    ResponderEliminar
  40. ~~~
    ~ Está muito interessante e especial,
    a abordagem que fez a este tema, no qual todos nos revemos um pouco.

    ~ Dias feltzes. Abraço amigo, AC. ~

    ResponderEliminar
  41. E quando resolver parar pode já ser tarde.

    Muito bom.

    Abraço

    ResponderEliminar
  42. A pressa. As correrias que nem se entendem. Mas corremos atrás de quê? Uma boa reflexão sobre este mundo urbano que devora o nosso tempo...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  43. Quem vive assim, não vive.

    Bom fim-de-semana para si:)

    ResponderEliminar
  44. O ritmo das frases conseguiu fazer-nos sentir o frenesim.
    Votos de uma linda semana, aproveitando o verão de S. Martinho e as castanhas assadas, porque o AC não é pessoa para se deixar desintegrar pela pressa.
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  45. A pressa permanente é uma doença... temos que variar o nosso ritmo conforme as situações.
    Um bom texto, gostei de o ler.
    Tenha um bom fim de semana, caro amigo AC.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  46. É bem assim a vida...Um correr desenfreado, onde nos vamos perdendo pedaço a pedaço.
    Fizerem-me correr as suas palavras :)
    Brisas doces **

    ResponderEliminar
  47. Demasiada pressa geralmente pode dar em longos e penosos vagares.
    O corre-corre da vida moderna afastou o homem da Natureza, que tem o seu próprio tempo, e da sua própria natureza. Sem tempo de liberdade que o ócio proporciona, a vida não passa de neg-ócio; negação da liberdade.
    Excelente, AC. Que reflitamos acerca das urgências e prioridades do nosso tempo.
    xx

    ResponderEliminar
  48. É uma forma de nos adiarmos a nós próprios, de nos ajuizarmos...
    Sempre a encantar, amigo!
    BJo :)

    ResponderEliminar