terça-feira, 11 de outubro de 2016

FIGOS

.
Fotografia de AC
.
.
O sol já se inclinava quando, de cesta na mão, te abeiravas da figueira. Os pássaros, de papo cheio, já não cirandavam por ali. Debitavam poemas, por perto, à beira do ninho, e as suas estrofes, repetidas no dia a dia, como se tivessem atingido, há muito, o zénite da existência, tinham o condão de te apaziguar, de te embalar.
Olhavas, medias, colhias os figos mais maduros. Depois, com a cesta plena de ternos poemas, regressavas a casa, inundando-a com o sorriso das pequenas coisas. 
.
.

32 comentários:

  1. Meus pais cultivavam figos no quintal. Foi uma bela recordação...

    ResponderEliminar
  2. ...e com a doçura, não só da alma, mas também dos figos!

    :)

    ResponderEliminar
  3. Como sempre, muito bem escrito ! :)
    ... e quanto aos figos, ...como eu os adoro de todas as qualidades, frescos e secos, mas especialmente os "pingo de mel", excepcionais ! :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. "Os aviões sobrevoam os ares" as naves espaciais buscam incansavelmente um não sei quê em outras bandas distantes, como se os filhos desnaturados desta nossa pobre mãe terra tivesse capacidade ou vontade para cuidar dessas bandas mais que longínquas; dizem que faltam recursos para dar pão aos mais deserdados desta nossa humanidade desumana e andam esses homens ditos inteligentes a esbanjar só para " fazerem xixi nas estrelas" ( musica de Guilherme Arantes) . E para quê?
    Aqui, neste nosso planeta azul está a belissima figueira, carregadinha de dourados figos, alguns também verdes, arroxeados, mas todos doces feito mel, prontinhos a fazerem as delicias de quem deles se aproximar, de cesta na mão .Nela fazem ninho os pássaros , " cirandeiam, chilreiam de" papo cheio" e nós , embalados por tão belo poema, sentamos, saboreamos os deliciosos figos e seguimos, apaziguados pela" beleza destas" pequenas coisas" Deixemo-nos de realidades virtuais, sonhos fantasmagóricos e cuidemos das nossas figueiras, sabendo repartir os figos que elas nos oferecem sem nada pedirem em troca; Usemos toda a nossa capacidade para valorizar cada árvore, cada fruto, cada flor e cada pássaro deste nosso lindo planeta e com certeza não faltarão sorrisos a alegrarem esta nossa caminhada. Dois textos lindissimos, com mensagens que nos obrigam a refletir. Parecem distintos e são, com certeza, mas ambos , me levaram a pensar na essência da vida. Claro, cada um vai senti-los de modo diferente e só tu, ao escreve-los sabes onde querias chegar. Mas eu sei, amigo, que tenho de agradecer os teus sempre belos escritos e por eles dar-te os parabéns. Obrigada! Um beijinho
    Emilia

    ResponderEliminar
  5. Uma texto "de ver" e de saborear. E como gosto destas cenas campestres plenas de harmonia e simplicidade.

    Lídia

    ResponderEliminar
  6. Um belo texto poético , na doçura da natureza encontramos o belo da Vida e na simplicidade do cotidiano das estações a presença do divino.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. E como é doce e autêntico o sorriso das pequenas coisas...
    Como sempre, mais um texto encantador, por aqui... que dá gosto saborear...
    Beijinho! Boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  8. e a pingar mel e ternuras, mais um texto, delicioso de ler

    beijinhos

    :)

    ResponderEliminar
  9. Das "pequenas coisas" se vive grandes momentos, como os poemas na cesta!
    Adoro figos.

    Um beijinho meu amigo

    ResponderEliminar
  10. Que linda a tua maneira de contar cenas do quotidiano. Tens mesmo alma de poeta! Terá sido contigo que os passarinhos, que debicaram os figos, aprenderam ? Tenho a certeza que sim!!
    Um texto tão doce e saboroso de ler, quanto os teus figos, pingo de mel, devem ser...

    Beijinhos, A.C. :)

    ResponderEliminar
  11. Um texto doce como o fruto.
    Figos, maduros ou secos, com queijo camembert e uma bolachas de água e sal são uma perdição e pequeno-almoço habitual no fim-de-semana.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  12. Doce de figo... um doce simples e delicioso... adoro...

    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Os figos...
    Que sabem tão melhor ao serem colhidos da figueira.
    E saboreados dos lábios de alguém... ;)

    ResponderEliminar
  14. A natureza é um caminho harmonizado de ser e
    sentir poesia.

    Viva estas joias raras das pequenas coisas!

    Belíssimos: o texto e a foto, AC.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  15. Um texto cheio de poesia, AC, como os trinados dos pássaros e os figos do outono!
    Parabéns pela beleza conseguida!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  16. Os pássaros cantavam uma melodia doce, porque tinham o papo cheio de dulcíssimos figos. É tempo de nos despedirmos deles e dar as boas vindas às castanhas, aos diospiros, às uvas.
    Que nos saibam a poemas também.
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  17. Este texto apanha a melhor poesia da tarde. É que os figos. atingem, na boca, o zénite do paladar. Saboreei gostosamente,
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  18. A poesia também se come
    disse um grande poeta
    Abraço

    ResponderEliminar
  19. Sol. Figos. Cestas. Pássaros. Poemas. Calor. Pequenas coisas que fazem as pessoas grandes. Isto para quem acha que ser grande é importante. Grande sem ser em altura.

    Boa noite, AC :)

    ResponderEliminar
  20. Que bela imagem contém "o sorriso das pequenas coisas" tão infinitas! Beijo

    ResponderEliminar
  21. É de pequenas grandes coisas que os sorrisos se compõem .


    Um beijo , AC , e bom fim de semana ,
    Maria

    ResponderEliminar
  22. Tal e qual e numa narrativa tão simples e bela dizes a verdade: A vida é feita de pequenas coisas, o que acrescento, mas muitos de tão stressados que andam não as valorizam...e lá vêm as lamentações cinzentas de..."barriga cheia".

    A tua foto está fantástica e apetece mesmo apanhar e comer de imediato, sem lavar:))) o que faço tantas vezes quando me deparo com "figos à mão de semear:)))

    Beijocas e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  23. Que bela fotografia e que texto lindo,gostei imenso da tua publicação!!

    ResponderEliminar
  24. Parece a minha figueira que se realça com a luminosidade do texto!!!

    ResponderEliminar
  25. As pequenas e grandiosas coisas..

    bjo de luz

    liz@

    ResponderEliminar
  26. E os figos, assim, serão néctar dos sentidos...
    Delícia!
    Bjo, amigo :)

    ResponderEliminar
  27. Tamanha simplicidade que dá tanto sentido, beleza e doçura a vida!

    ResponderEliminar