sábado, 18 de fevereiro de 2017

CLARIDADE

.
Fotografia de Júlia Tigeleiro
.
.
Há dias em que, quando a claridade chega, teimas em te enfeitar, vestindo as roupas mais claras. 
Dizes, com invejável serenidade, que cada hora tem os seus rituais, que a harmonia se alimenta de estados, de vontades, de comunhões. Se recebes claridade tens que, em humilde postura, ser elo transmissor, que a reflectir para tudo o que te envolve, te rodeia, para a diversidade do mundo que, até ao momento, conseguiste abranger. 
Ainda argumento, em exercício simulado, só para te ouvir, que a luz poderá ter mil leituras, com postos de recepção diferentes, mas tu, leitora atenta da forma e da tonalidade das nuvens, limitas-te a sorrir, persistindo em transmitir a claridade que te envolve. É assim que sentes a vida, é assim que a tentas abraçar. 
.
.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

ACERCA DA LEVEZA DA NEVE, EM MODO CONFORTÁVEL

.
Fotografia de AC
.
.
quando cai neve
nada prescreve
nada se deve
tudo parece leve
.
quando neva
nada me leva
tudo me enleva
.
.
Fotografia de AC
.
.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

TEAR

.
Fotografia de AC
.
.
Gosto do teu sorriso, sempre gostei. Lembras-te quando, em delicioso jogo de permanente descoberta, teimavas em escondê-lo, dissimuladamente, para eu o adivinhar? Era no tempo em que apenas tinhas olhos para o brilho das rosas, inebriada pelo seu perfume, deixando na sombra uma infinidade de pequenos sinais. 
Agora, quando sorris, o toque é mais discreto e profundo. Aprendeste que o dia não é só feito de alvores e ocasos, que é nesse intervalo que muito se conjuga da consistência dos passos, nem sempre embalados pelo canto das aves. Caminhaste tanto que, quando olhas para as coisas, o sorriso, mesmo em esboço, é bordado pelos mais finos teares de compreensão da vida.
Hoje, eterno cúmplice de mil estradas, já não espero pelo teu sorriso. Sei que, para lá dos humores do tempo, acabaremos por nos encontrar em qualquer parte do dia.
.
.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

RASTEJAR, ALEGREMENTE, NA AUSÊNCIA DA SEMENTE

.
Fotografia de AC
.
.
A semana foi intensa, com as exigências do trabalho a ofuscar qualquer olhar circundante, possível passaporte para amenizar a ditadura da obsessão produtiva. 
A escola, meu local de realização profissional, está a tornar-se, cada vez mais, epicentro único do percurso educacional, relegando a família para segundo plano. Por melhores que sejam as intenções, a verdade é que a maioria dos alunos deste país - há excepções, todos sabemos - apenas convive com os pais ao deitar e ao levantar e, quase sempre, com uma disponibilidade deficitária: à noite estão todos cansados, de manhã é o desagradável despertador a ditar leis, dando o sinal de partida para nova correria. Nas escolas, assumindo múltiplas facetas (professor, pai, psicólogo, enfermeiro, confidente...) os professores - alguns, é certo, mas creio que parte significativa - fazem o que podem, tentando que a compreensão da estrutura da vida faça sentido; lá fora os pais esforçam-se por cumprir as exigências, cada vez mais musculadas, dos horários de trabalho, moldando-se à luta pela sobrevivência, ao mesmo tempo que aconchegam, por mais discreta, a esperança dum amanhã mais desanuviador; os políticos fazem contas às metas, analisando obscuros mapas e gélidas grelhas, procurando ir ao encontro das exigências do verdadeiro poder, que se esconde na sombra, sob um imposto denominador comum: o obscurecer da essência humana; a maioria dos meios de comunicação social, adaptados ao papel de modernos necrófagos, teimam em explorar a miséria das pessoas; discute-se, na Assembleia da República, o incómodo tema da eutanásia, mas os argumentos são mais calorosos que esclarecidos; as alegrias e tristezas da tribo refugiam-se, cada vez mais, em obscuros futebóis, verdadeiro muro das lamentações...
Curiosamente, ou talvez não, e atendendo à efervescência do Facebook, toda a gente parece contente, radiante, a vida parece um mar de rosas. É preciso, acima de tudo, parecer, enquanto, paralelamente, os radicalismos se insinuam, cada vez mais, para lá das sombras.
Lá fora, enquanto escrevo, a chuva não cessa. Já ousei desafiá-la para ver a horta, devidamente protegido, embora não consiga passar por entre os pingos. As ervilhas, os alhos e as favas estão sorridentes, os tempos correm-lhes de feição. E, na mais pura candura, começam a exibir um verde claro, vivo, próprio de quem se quer criar. Sinto a energia positiva a invadir-me, rasgando o meu sorriso. Estava em défice, confesso.
Procuro uma fotografia para ilustrar o texto, mas a semana, amordaçante, não foi propícia à captura de novos olhares. Recorro ao ficheiro e detenho-me numa recente: a entrada da toca dum rastejante. Bem vistas as coisas, talvez os tempos estejam propícios a isso.
.
.