sábado, 3 de dezembro de 2016

PARA LÁ DO TORPOR, RESPINGOS DE COR

.
AC, Gardunha
.
.
Subíamos a serra, confiantes, em busca de sinais, de pequenas telas metamorfoseadas de vida.
Para trás ficavam as amarras, a cada dia mais fortes, na sua, mais que estudada, subtil forma de se insinuarem. Via-te desperta, atenta a cada passo, mergulhando, cada vez mais, no irrecusável convite da paisagem. A amálgama de cores preenchia-te, sem dramas, dando forma à tua ânsia de respirar, à tua necessidade de construir. Mantinhas-te tranquila, transpirando serenidade, o sorriso que esboçavas dizia-me que a libertação, embora a prazo, ganhara asas.
Sentíamo-nos bem. Continuávamos a subir, destilando a harmonia da sã convivência entre cerejeiras, carvalhos e castanheiros. Parávamos, aqui e ali, dando corpo ao prazer das pausas, para acentuar impressões e visões de renovadas arquitecturas. Só nos detíamos quando começávamos a divisar os limites da tela. 
Invertíamos a marcha. Sabias, como eu, que o cerco era cada vez mais estreito, que a Roma, à míngua de pão, sobrava-lhe cada vez mais circo. Para além dos devaneios, em busca de novas galáxias, restava-nos a cumplicidade, a dignidade na convicção do caminho a percorrer.
.
.

37 comentários:

  1. O título remeteu-me para Pessoa e a épica travessia para lá do Bojador, mas depois a poesia transportou-me para uma paisagem calorosa. Sentimo-nos bem no meio destas pinceladas.
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos que ousar pincelar, Ruthia, há já demasiado tempo que os outros pincelam por nós.

      Abraço

      Eliminar
  2. Oi, A. C. ...um belo passeio real ou metafórico...é necessário aproveitar todos os bons momentos .
    um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Guaraciaba, por vezes o real e o metafórico misturam-se. Assim haja o equilíbrio necessário.

      Abraço

      Eliminar
  3. Que bonitas são as cores da serra. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São sempre, Luísa. Durante o ano vão mudando de roupagem, mas o encanto é permanente.

      Eliminar
  4. Gostei muito do texto em forma de poesia e da poesia em forma de uma linda tela. Amei
    beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Gardunha é um infindável manancial de telas.
      Obrigado, Léah.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Aqui, não vejo nem sinto torpor.
    Vejo, sim, as cores verde-acobreadas das árvores que ladeiam esse caminho sempre a subir. Vi e gostei. Da cumplicidade, e dessas pausas prazerosas, que o corpo pedia.:)
    Uma beleza, como sempre. Parabéns, A.C.!

    Um beijinho. Bom Dezembro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tua alma de poetisa vem sempre ao de cima, Janita.
      Grato.

      Eliminar
  6. Gostei deste poético passeio, pela memória de partilhadas sensações.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um passeio que vale a pena, Elvira. Garanto-lhe.

      Abraço

      Eliminar
  7. Respostas
    1. ...há entradas e saídas. Embarcas, Eufrázio? :)

      Eliminar
  8. Linda foto - gosto muito das cores do Outono...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aqui, a cumplicidade de cerejeiras (embora só se vejam, na foto, ao longe), castanheiros e carvalhos dá à paisagem uma tonalidade única.
      Obrigado, Marta.

      Eliminar
  9. Gostei para lá de muito. Parecemos nós, eu e ele a subir a serra de bike... Beijinhos AC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho a certeza que, tu e ele, se deslumbrariam por aqui.
      Beijinhos, Gaja :)

      Eliminar
  10. OI AC!
    UM BELO PASSEIO, REAL OU IRREAL, MAS, UMA BELA TELA SE DESENHOU.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  11. Uma vez mais e sempre
    pelo sonho é que vamos

    ResponderEliminar
  12. Que belezura de fotografia AC! Uma narrativa leve e cheia de sentido. Beijos

    ResponderEliminar
  13. Sensações compartilhadas em pleno outono... que delícia de visão!
    Um beijo e ótima semana

    ResponderEliminar
  14. Que bonito. Acedeu minha imaginação!

    abraço.

    ResponderEliminar
  15. Memórias de tempo vividos??
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  16. Chego a casa com a alma sempre tão limpa e perfumada destes caminhos percorridos seu lado.Um abraço AC.

    ResponderEliminar
  17. Olá, AC
    Eu diria que nem todos sabem contemplar a natureza e que é um privilégio saber contemplá-la e ter tempo para a desfrutar.
    Tão bem que fala sempre da terra e dos seus encantos, AC!
    É bom ouvi-lo!
    beijinho

    ResponderEliminar
  18. A cor das árvores no outono. As cumplicidades. Os passos acertados um pelo outro... Que belo texto!
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  19. Uma fruição cúmplice, subindo a serra ...
    Que leveza, AC!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  20. E os caminhos a percorrer ganham outro encanto, quando existe alguém com quem partilhar a caminhada.
    Um grande abraço
    Maria

    ResponderEliminar
  21. Uma belíssima cumplicidade... que nos inspira a percorrer caminhos e galáxias sem fim...
    Um texto lindíssimo... leve e sereno... e ao mesmo tempo, de uma profundidade inacreditável...
    Adorei cada palavra! Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar
  22. AC

    respingos de core e cumplicidade

    um texto muito belo e escrito com muita serenidade.

    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
  23. Uma prosa poética que nos sinaliza a importância da
    cumplicidade nos vários caminhos de subidas e descidas
    da vida!...

    Sempre presente a riqueza filosófica nos
    seus excelentes textos, meu amigo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  24. Paisagens que nos levam a sonhar e sobretudo voar! Gostei como sempre:)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  25. Uf!!! Fora do estupor vim trepar à Gardunha, aspirar a cor e ar de liberdade, sem romper véus, sem o sacrílego abuso da inocência que paira no trilho das giestas, sem a sofreguidão cega adolescente, que os amanhãs continuarão perfumados pelos deuses. Como escapar à ara pura da natureza com os apelos de AC?
    Abraço.

    ResponderEliminar
  26. Subidas íngremes, cerejeiras, carvalhos e castanheiros, a natureza em todo o seu esplendor, a descoberta, a curiosidade, o acerto do passo, o retomar o fôlego, a vontade de continuar - uma bela metáfora da vida.
    Foi um prazer acompanhá-lo nesta caminhada.

    Um beijinho, AC

    ResponderEliminar
  27. Tenho a certeza que li e quase jurava que havia deixado comentário...Quanto mais íngremes são as subidas, mais o esforço é premiado, independentemente da origem da escalada.
    Bjo

    ResponderEliminar
  28. Ahhhh... as paradinhas... assim mesmo: 'aqui e ali', como são deliciosas... estas lacunas, aonde se faz silêncio e tudo é um profundo sentir.
    A foto está magnífica!

    ResponderEliminar