quinta-feira, 2 de abril de 2020

PERDOAI-LHES, PAI...

.
Hieronymus Bosch, Jardim das Delícias Terrenas
.
Este blogue sempre fez questão de apenas publicar textos originais do  seu autor. Contudo, e porque sim, há sempre uma primeira vez para tudo. No abrir da excepção, deixo-vos com uma crónica de Antonieta Garcia, minha antiga professora, publicada na semana passada no Jornal do Fundão.
.
.
Eis que de repente o axioma do progresso contínuo cai, o Coronavírus entra em cena e dá a volta ao mundo. Roído de miasmas de tédio, embarcou. Vestiu-se de mandarim, pôs a coroa. Cruel, compilou memórias doridas da maldade humana, sentiu prazer, inoculou-se com o fascínio da violência. Agora, viaja, contagia, ceifa vidas, não dá tréguas. Encerrou-nos no Medo, excluiu a Vida. Maledictus! Tanto que sonhámos com a construção de uma parúsia humana, iluminada pela Ciência, pela Cultura, pela Arte… Onde se ocultam as luzes? Agora, somos uma bastilha tomada por mensageiros de ignorância. Aqui, habitam senhores construtores de fronteiras, xenófobos, que afetam as relações entre povos, poluem emoções…. Há refugiados em peregrinações de angústia, a suplicar solidariedade e não se salvam. Que incapacidade de amar o próximo é esta? O céu vê, ouve, emudece. 
Germinam, agora, mil diabos que atormentam. Levantam muros de crueldade. Novos tiranos tanto negam como afirmam; as palavras desfazem-se-lhes em bolor lento, enterram-se na vala comum das redes sociais, os mais recentes pilares dos senhores do mundo. Por ali, formigam robôs em textos formatados. Manipulando glórias quixotescas e grupais, soltaram a hipocrisia e são feras vigilantes de comportamentos e falas. Tuítam e regurgitam ódio, brigam furiosa e desesperadamente com o Tempo devorador de certezas. 
Quem abre as janelas à fraternidade? Que mistério rege a doença do poder, do conformismo e da indiferença? 
Já se ouvem profetas da desgraça a apregoar o valor purificador do sofrimento, a lembrar Job, o homem justo, protagonista do texto bíblico, que ousa debater com a divindade o seu tormento e manifestará um desejo: 
Pereça o dia em que nasci! E Cristo perdoará aos fariseus: Perdoai-lhes Pai, porque eles não sabem o que fazem. Mas em cada dia, no mais fundo de si, os meninos da Síria que enregelam de frio e todos os peregrinos de fomes e vizinhos da morte hão de repetir a súplica de Jesus: Afasta de mim este cálice, Pai! 
Mil diabos atormentam o nosso tempo; fervilham ideias que agigantam o deserto do espírito. O mundo empobreceu pela banalização; a verborreia caótica, oca e ruidosa infernizou a sociedade. O “fascismo da vulgaridade” (Steiner) irrompeu. Agora, a nostalgia alia-se ao desencanto de um período que divorcia a Humanidade da ciência, da arte, da filosofia. O dinheiro tornou-se deus de um público massivo, formatado, antítese da auctoritas, da cultura animi. Quanto ódio suscitam intelectuais, artistas… 
Por todo o lado, reina uma inquietação a enfrentar a Esfinge, a tentar romper a teia enovelada em expectativas disfóricas alimentadas pelo Medo do futuro, pela fatalidade do fim. Agora, o reino é o da roleta russa. E o Coronavírus jogou. Como é Senhor Trump e apaniguados? Que é do Muro para o impedir de entrar, para o deter? Com que armas vai refrear a contaminação do Coronavírus, microscópico, mas dono do mundo? 
Ai, que anseio tão forte de alívio! Ai, o desconcerto entre a solidão da doença e o desejo de amar, entre o odor sufocante de tantos cadáveres e o sopro de vida… 
O Coronavírus vestiu-se de mandarim, fez-se deus do mal. Agora, que ressoe a esperança numa voz louca de amor e enrouqueça a gritar que a vida gira que gira, geração em geração…. 
Quantos somos os que ajudamos a virar? Estamos tão cheios de fome do Sol, das cerejas…. Queremos tanto abraçar todos os amigos!
.
Antonieta Garcia
.

sexta-feira, 27 de março de 2020

ACERCA DO PÃO E DO AMOR, SUPREMA TATUAGEM DA VIDA

.
Margarida Cepêda, Eucaristia
.
.
Após manhã retemperadora em contacto com a horta, qual cuidador  mil vezes cuidado, reservo a tarde para abrir janela para o exterior. 
Sento-me, compenetrado, frente ao computador. Começo a teclar ao sabor da corrente, descuidado nas ideias, qual navegante em busca do melhor rumo. Após uma vintena de palavras, ainda sem terra à vista (Vivemos tempos agitados, esbracejando, a custo, para lobrigar novos paradigmas, enquanto as supostas certezas se esvaem, com grande estrondo, como edifícios de areia.), teimam em assomar à tona, como se de coisa natural se tratasse, esboços de saramagais ensaios, mesclados de cegueira e lucidez. Parei. Depois, ainda hesitante, reservei as palavras deambulatórias, voltei atrás e encetei nova tentativa de preâmbulo. Do descrito fica apenas a leve referência, com ressalvo parentesado,  para relembrar e maturar mais tarde, ultrapassando o risco de, nas linhas consequentes, me perder na teia linkada do emaranhado percurso da espécie humana, pejada de cíclicos recomeços. Por ora, para lá do livro de longo fôlego, fica apenas reservado espaço para o jornal do dia.
Por aqui, neste recanto onde a passarada se sente em casa,  procurando, da melhor forma, dar corpo à  mensagem resguardadora que a todos envolve, decidiu-se fazer pão.
Preparado o cenário, o acto é encarado com cerimonial ênfase. Trabalha-se a massa, sem pressas, qual diálogo ternurento em busca do melhor que ela encerra.  A meio, embalado na delicada carícia da textura, recordo, com satisfação, o texto doutras andanças, mas sempre actual, a carecer apenas de levíssimo retoque:
.
Envolvo-me com a farinha, a água, o fermento e o sal. O acto de amassar é cerimonioso, muito longe da aparente simplicidade, herdeiro que é de memórias profundas, plenas de significado: o esforço da sementeira, da ceifa, da moenda, etapas de um ciclo transportador de todas as esperanças, com risos, temores e cautelas. 
O acto de amassar não dispensa o fato das memórias. A pouco e pouco a massa rende-se à cadência cerimonial dos gestos, abrindo portas ao cimentar da dedicação e da perseverança. Cada gesto transporta a herança de mil gestos anteriores, ancestralidade feita sabedoria nas voltas do tempo.
Levedar é dar lugar à manifestação de alegria das carícias. E a massa, crente nas intenções, deixa-se moldar antes de entrar no forno, decisiva viagem com retorno anunciado.
O amor, o sempiterno amor, carece das voltas do pão. Precisa ser feito, constantemente refeito, por vezes reinventado, mas sempre com delicada cerimónia.
O amor e o pão, feitos com entrega, serão sempre eterna bênção.
.
Eternamente ligadas, muitas são as voltas da vida, muitas são as do pão. Mas sempre com um fio condutor, que as eleva: o amor.
.
.

sábado, 21 de março de 2020

ACERCA DA EMERSÃO DO QUE DE MELHOR HÁ EM NÓS

.
AC, Alho francês e cebolas
.
.
Os deuses, desesperados, parecem ter enlouquecido. Cansados da ambição desenfreada dos homens,  alimentada na incapacidade de percepção dos limites, lançaram invisíveis chispas que tudo tolhem, tudo paralisam, pondo à prova a capacidade de sobrevivência da espécie humana. Seremos, socorrendo-nos daquilo que de melhor existe em nós, capazes de vencer este desafio?
Aproveitando uma pausa da chuva, saio de casa  para uma rápida surtida pelo espaço da horta, qual piparote em cinzentas cogitações que me vão toldando o espírito. As cebolas, o alho francês, as alfaces, as cenouras, as curgetes e os tomateiros, recém inquilinos da terra, parecem-me bem instalados, agradados com as últimas chuvas. Ao lado, num verde mais volumoso,  em completa maturação, também as couves galegas e os repolhos parecem ter ganho uma nova vida, começando a piscar o olho para a colheita. Mais além, numa singular elegância, as ervilhas começam a pavonear-se medalhadas de belas e abundantes vagens. Espalhadas estrategicamente pelo terreno, também as novas árvores começam a dar sinal de si, a esboçar os primeiros sorrisos. Só as duas nogueiras parecem querer continuar no aconchego do saco umbilical, teimando em não dar sinal de vida. 
Um raio de sol começa a espreitar, timidamente, por entre as nuvens, enquanto a pardalada, em eterna omnipresença, se mostra incansável na procura de alimento. Duas andorinhas, chilreando, saem do telheiro da lenha, adaptado a condomínio privado há já vários anos. Lá em cima, num voo planante, quase majestoso, uma cegonha cruza os ares, talvez em busca de novos materiais para retocar o ninho. E, sem me dar conta, começo a abrir os braços, como que a querer abranger toda aquela grandiosidade, delicadamente tecida em simplicidade.
A chuva volta a mostrar-se. Regresso a casa, sem pressa, convicto do essencial: aquilo que de melhor há em nós vai continuar a emergir, qual força avassaladora que tudo reconverte, tudo redime. Sim, vamos vencer este desafio.
.
.

sábado, 14 de março de 2020

E COMO AS VERDADES SÃO O QUE SÃO, PELO SIM, PELO NÃO, SAIA UMA TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

.
Ferdinand Barth, Goetthe's Werke (1882)
.
.
Havia um vale, restrito, em que cada um sabia quem era quem.
Agora há um vale, global, em que cada um cogita para saber quem é quem, ficando sempre muito aquém. E, neste espaço imenso, fértil, propenso à cogitação, uma minoria manobra, porque sim, semeando falsos deuses de perlimpimpim, os outros são apenas o que são -  manobrável multidão -  limitando-se a beber a água que lhes dão.
Por detrás da cortina, devidamente mandatados e submersos na escuridão, aprendizes de feiticeiro ensaiam caldos químicos em profusão, à procura do melhor grau de combustão. Mas no fundo são humanos, coitados, e, distraídos, serviram ontem, à mesa, um bichinho que lhes "fugiu" da mão, provocando a maior agitação.
Hoje, é bom de ver, o mundo é uma enorme confusão. Ou será apenas, bem vistas as coisas, mera teoria da conspiração?
Em jeito de remate, e tentando aproveitar a lição, o bichinho concedeu, pelo menos, um condão: o de olharmos, com outra atenção, para quem temos mais à mão. E o que se descortina, para lá da rima, é que de todos nós se poderá gerar a vacina.
.
.

domingo, 8 de março de 2020

A PROMESSA

.
Imagem retirada daqui
.
.
A auto-estrada há muito ficara para trás. Após desenvencilhar-se da estrada municipal, com passagem por meia dúzia de aldeias, começou a ladear a montanha por uma estrada estreita, em mau estado, pejada de curvas. Os incêndios tinham deixado marca, era notório, mas ainda se via, aqui e ali, um ou outro pinheiro, além um carvalho, ilhas isoladas no mar de urze e giestas que entretanto tinham desabrochado, sobreviventes duma tragédia há muito anunciada.  
Continuou a viagem, tentando redescobrir traços da paisagem doutros tempos à medida que vencia cada curva. No Braceiro, onde as courelas, outrora, alimentadas pela água das nascentes, eram cultivadas com esmero por um rancho de pessoal cantante, tinham soçobrado à invasão das silvas. A vegetação, indiferente à pegada humana, nem de caminhos ou veredas deixara rasto.  Digeriu a mágoa, meteu nova mudança e galgou mais algumas curvas. Às tantas, ultrapassada a Fraga da Moura, viu-se na Portela das Almas, ponto de encontro nocturno, segundo estórias de antanho, das almas do outro mundo. Não conseguiu evitar um sorriso com a lembrança, como se regressasse ao tempo em que a avó maravilhava com gestos e palavras nos serões invernais. Encostou o carro, saiu e aproximou-se do enorme tronco do velho castanheiro, centenária sentinela de tudo quanto a vista abrangia. Pôs a mão direita por cima dos olhos, à laia de pala, e divisou, lá ao fundo, sobranceiro ao serpentear da ribeira, o Vale da Ponte, ancestral ninho onde tudo começara. Olhou, demoradamente, para o conjunto de casas. À medida que as ia identificando, sem pressas, o pincel da memória ia dando colorido a cada uma delas, pintalgando-as de mil e uma recordações bordadas com algumas travessuras. Sentiu o coração palpitar, sentia-se de regresso à eterna casa.
Olhou para o relógio. O tio e o alemão já deviam estar na loja da Belmira, um misto de mercearia, taberna e posto público, epicentro das poucas novidades do lugar, aguardando a hora para a consumação do acto que ali o trouxera. Estava tudo tratado e falado, a internet facilitava muito estas coisas. O alemão, saturado da vida urbana, procurava reencontrar a autenticidade da vida no contacto com a natureza. Ele, por sua vez, incapaz de se libertar das teias com que a vida o foi tecendo, viu naquele estrangeiro a oportunidade de cumprir a promessa que fizera à mãe: as terras herdadas da família em Vale da Ponte nunca seriam abandonadas.
Reentrou no carro e encetou a descida. O contrato, por sua exigência, não contemplava a venda dos terrenos. O alemão instalava-se, cultivava, podia introduzir todas as ideias que lhe povoavam a mente, dar livre curso à sua utopia. No entanto, após o consumar da sua vida, as terras voltavam à posse da família. Talvez os filhos, ou os netos, quem sabe...
- Frank Bauer?
O sorriso desenhado e a mão estendida diziam tudo.
Almoçaram em casa do tio, conversaram sobre as gentes e o lugar e depressa ultimaram as pontas soltas daquele inusual contrato. Após mais um aperto de mão, de olhos nos olhos, faltava a parte mais solene, aquilo que verdadeiramente ali o trouxera. Dirigiu-se para o cemitério, empurrou o velho portão de ferro e procurou a campa familiar. Depois, em acto solene, justificou-se:
- Ouve-me bem, mãe. Prometi que um dia voltaríamos para este lugar, a terra que sempre amaste, que corre nas nossa veias, mas as minhas batalhas foram mais que muitas e os teus netos andam distraídos com outras lides, correndo em busca não se sabe bem do quê. Mas renovo a promessa: um dia havemos de voltar, como tu sempre quiseste, mas parece-me que, por ora, as nossas terras ficam bem entregues. Sabes, tu havias de gostar do Frank. Os olhos brilham-lhe quando fala da terra, está prenhe de planos, até já fala em construir uma mini-hídrica. Bem sei que não era isto que sonhavas, mas podes ficar descansada, mãe, ele vai saber cuidar da terra como ninguém. Adeus, mãe. Tal como o poeta,  já podes ir com as aves.
.
.

domingo, 1 de março de 2020

TRABALHAR DESCANSANDO OU DESCANSAR TRABALHANDO?

.
AC, Vista parcial do "grande" ginásio
.
.
A opção já tem alguns anos, mas a convicção renova-se a cada instante: estar em contacto com a Natureza, longe da galinha da minha vizinha, que é maior do que a minha, é lição de vida permanente.
Nos últimos tempos, no "meu pequeno paraíso", a prioridade tem incidido na preparação dos terrenos para a horta de verão. Este ano o projecto é alargar a diversidade de espécies, de modo a que a horta, para além de abastecer a casa, possa ser centro de partilha com familiares, amigos e vizinhos, daí a necessidade do terreno disponível aumentar proporcionalmente. Em suma, é preciso cavar terra. 
Em prol do bom desiderato do plano, o sítio transformou-se num grande ginásio, com exercícios bem cadenciados no manuseio da enxada, marcados pelo arfar do corpo. É então tempo de, mentalmente, improvisar lengalengas, obedecendo, sabe-se lá como, a um qualquer ancestral artifício: 
Um, dois, três,
Vamos lá outra vez
Quatro, cinco, seis,
Lá se foram os reis
Sete, oito, nove
Qual a força que me move
Dez, onze, doze,
Não é frete, mas é dose
...
A empreitada vai-se cumprindo, sem pressas, embalada na cantilena e na omnipresença da passarada. As pausas, oh, as imprescindíveis pausas, têm sempre lugar marcado. É então que o olhar aproveita para se distender, de forma circundante, absorvendo o tecer duma vida em constante laboração: nas aves, nos insectos, nas plantas, enquanto renovo, sem me dar conta, os laços naturais com o que me envolve.
Acabada a pausa, de bem com o mundo, volta a mental cantilena:
Um, dois, três,
Vamos lá outra vez...
.
.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

MEMORANDO

.
.
.
Ouvia-te, sabia que eras uma igual. Falavas como nuvem despegada, aparentemente sem rumo, mas num tom único, depurado, avesso a ruídos de fundo. Ambos sabíamos, caminheiros de muitas veredas, que na vida há muitos imponderáveis, a maioria fora do nosso controle, mas que é nisso que reside o seu âmago: querer romper, para lá das amarras, em busca da sensação de que todos contamos, amparados num calorzinho que não tolha, mas que amplie.
Procurei dar-te a mão, cúmplice, pronto para retomar a jornada.Também eu sabia que as ilhas, como essência, não nos levam a lado nenhum.
.
.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

TELA QUASE PRIMAVERIL

.
Imagem "roubada" do Pinterest
.
.
Havia um ribeiro, de águas calmas e murmurantes, abrigado na sombra dos salgueiros. Em volta, nos campos enfeitados de alvas margaridas, as borboletas, num arroubo quase hipnótico, ensaiavam leves e delicados movimentos duma dança ancestral. 
Olhei, olhei…, que lhe faltava? Só quando surgiste, sorridente, na curva do caminho, é que percebi, finalmente, que a tela estava completa. E publiquei.
.
.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

PAISAGEM COM CORONA AO FUNDO

.
AC, Ervilhas
.
.
Começam a chegar dias mais soalheiros, por vezes gaiteiros, confirmando que a roda das estações anda a precisar de um bom ajuste.
A passarada, com um relógio biológico bem apurado, imune a cogitações humanas, faz-se notar, e de que maneira, a cada dia que passa. O olhar espraia-se, aprovador, deixando-se envolver pelo resultado das movimentações dos últimos tempos: já se apararam as quatro sebes; plantaram-se novas árvores; limparam-se os canteiros; queimaram-se alguns sobrantes; fez-se a poda de algumas árvores mais antigas; começou a preparar-se a terra para a horta de verão; as ervilhas, na horta de inverno, começam a sorrir...
Tudo parece no seu lugar, em harmonia, mas desta vez o pensamento não se liberta por completo. Insinuam-se os ecos do coronavírus que, de tanto matraquear, começam a fazer alguma mossa. Diz-me o instinto que eles, os deuses pardos, não nos estão a contar tudo, chinesices rima com segredices, que a coisa está muito longe de estar controlada. Aguardemos.
Indiferente às minhas cogitações, o Whisky, o canzarrão trazido pelas visitas de almoço, saltita à minha volta, insinuante, a salivar com um pau na boca. Ele tem razão. Vamos lá mexer essas pernas e brincar um pouco, amigo.
.

Domingo, 16/02. Os donos do Whisky estiveram cá novamente a almoçar e, claro, trouxeram-no com eles. Habitante de apartamento, o rapaz aproveitou para pintar a manta, quase sempre de pau na boca, envolvendo toda a gente na brincadeira. No final, satisfeito com as emoções da vida ao ar livre, mostrou pouca vontade de se ir embora. Começa por aqui a criar laços, o malandreco.
.
.

sábado, 25 de janeiro de 2020

ESTRANHA MELODIA

.
Imagem retirada daqui
.
.
Partira bem cedo, determinado, mas a ascensão não fora fácil.
Quando chegou, após curta pausa, olhou em volta, escolheu quatro pedras e colocou-as à laia duma rosa-dos-ventos. Sentou-se no meio, orientado para o sol, e olhou em volta, demoradamente, como que à espera que algo o tocasse. 
Fechou os olhos. O silêncio, a pouco e pouco, foi ganhando asas, abrindo portas a melodias até então alheias ao ouvido. A princípio, ainda imbuído do pó que trouxera das veredas do vale, não encontrava o copo com que beber as notas da pauta. Demasiada física, pouca química. Depois, já alheio à ditadura do tempo, começou a perceber o murmúrio da linguagem do vento na pele, nas pedras, nas ervas, bem distinta do esporádico canto do melro-azul. 
Fora bem agasalhado, mas começava a sentir-se nu. Às tantas já não havia ele, nem pedras, nem plantas. Tudo se conjugava, tudo se envolvia. Mergulhara, finalmente, nos acordes da profunda melodia.
.
.
Reedição
.
.