quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

TEAR

.
Fotografia de AC
.
.
Gosto do teu sorriso, sempre gostei. Lembras-te quando, em delicioso jogo de permanente descoberta, teimavas em escondê-lo, dissimuladamente, para eu o adivinhar? Era no tempo em que apenas tinhas olhos para o brilho das rosas, inebriada pelo seu perfume, deixando na sombra uma infinidade de pequenos sinais. 
Agora, quando sorris, o toque é mais discreto e profundo. Aprendeste que o dia não é só feito de alvores e ocasos, que é nesse intervalo que muito se conjuga da consistência dos passos, nem sempre embalados pelo canto das aves. Caminhaste tanto que, quando olhas para as coisas, o sorriso, mesmo em esboço, é bordado pelos mais finos teares de compreensão da vida.
Hoje, eterno cúmplice de mil estradas, já não espero pelo teu sorriso. Sei que, para lá dos humores do tempo, acabaremos por nos encontrar em qualquer parte do dia.
.
.

22 comentários:

  1. Quase eternos sorrisos
    na inconsistência
    das salivas
    pela vida adentro

    ResponderEliminar
  2. Maravilha de texto. Poesia pura em cada frase. Adorei.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Sorrio enternecida com estas palavras tecidas com o mais belo e terno fio, feito de carinho e afecto. Feliz da dona desse sorriso, que ainda agora, mesmo sem sorrir, sabe que em qualquer dia, qualquer hora, os vossos caminhos se vão entrelaçar...Que coisas lindas de se ouvir, e mais ainda de se sentir :)
    És um Mestre na arte de enfeitiçar...

    Beijinho, A.C. :)

    ResponderEliminar
  4. Simplesmente maravilhoso!
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  5. Que bonito AC!
    Este teu texto traz desses sorrisos, que nascem de dentro, quase imperceptíveis.
    E ao mesmo tempo uma dor nostálgica do tudo o que é partilhado e mesclado no desafio de se acompanhar de dentro a vida de outrem.
    Muito bonito!

    ResponderEliminar
  6. Trouxeste um sorriso, para mim matinal, mas é a luz que procuras e encontras em qualquer parte do dia. Uma teia - de seda - bem urdida, caro AC.

    ResponderEliminar
  7. Li, Encantei-me e sorri. Que lindo. Aqui às vezes as palavras faltam-me...!!! Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Um sorriso que amadureceu como um fruto que se quer doce.

    ResponderEliminar
  9. O título faz jus ao texto.
    Belos, ambos, amantes com
    (e nos)sorrisos.
    E o dia faz-se como é (foi) feito este belíssimo texto que, num encontro com a vida, dá razão ao amor, mesmo que o acabe por "encontrar em qualquer parte do dia."
    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Mas que lindo, AC!
    Fica um sorriso daqui até aí :)

    ResponderEliminar
  11. Uma prosa poética de rara beleza.
    A valorização da cumplicidade, que borda
    gestos de uma compreensão num caminho
    único, raro e belo.
    Sublime inspiração, AC!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. O sorriso cativa, assim como uma graciosa mirada... ótima composição texto -fotografia!
    Feliz domingo! Feliz semana!
    Um beijo

    ResponderEliminar
  13. Poeta , que lindo o que escreveu ! Obrigada . Beijos

    ResponderEliminar
  14. "Creio que foi o sorriso,
    O sorriso foi quem abriu a porta.
    Era um sorriso com muita luz lá dentro,
    apetecia entrar nele, tirar a roupa,
    ficar nu dentro daquele sorriso.
    Correr, navegar, morrer
    naquele sorriso."

    Eugénio de Andrade

    São sorrisos mágicos esses AC, feliz quem os tem e quem os dá a alguém. Bom resto de domingo

    ResponderEliminar
  15. Tãooo lindooo!
    Gosto de todo o texto, mas a conclusão é soberba!
    Parabéns!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  16. Lindo sorriso AC, que com certeza nos toca e continuará a tocar sorrisos destes sem palavras que nos fazem voar. E cá entre nós referente ao seu último comentário - você sabe cutucar hein. Beijinhos! 😊

    ResponderEliminar
  17. A teia e a trama de um sorriso no tear da cumplicidade...
    Magnífico texto.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  18. De tanta sensibilidade!
    Sorriso como chave para o reencontro...

    Beijinho, AC

    ResponderEliminar
  19. A boca e os olhos, AC. Na impossibilidade de mentirem escancaram num rendilhado subtil a intensidade de luz que provém do interior.
    Um texto esculturalmente belo. Ou se preferires, tecelão, bordado por exímias mãos. Acho o penúltimo parágrafo de superior beleza.
    Todo o tempo é de namoro mesmo se o tempo de bezerro vai longe. É que a terra fica mais fagueira.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  20. Bateu fundo e com o meu olhar turvo...não consigo dizer mais nada!

    Um enorme abraço

    ResponderEliminar
  21. Uma maravilhosa cumplicidade traduzida em palavras...
    Vou ficar com este texto sublime, debaixo de olho, para qualquer dia o destacar no meu canto, se não se importar, AC...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar