terça-feira, 28 de março de 2017

QUADRAS À SOLTA - NA RUA DA MINHA TIA

.

.
"La poesía es algo que anda por las calles. Que se mueve, que pasa a nuestro lado. Todas las cosas tienen su misterio, y la poesía es el misterio que tienen todas las cosas. (…) Por eso yo no concibo la poesía como una abstracción, sino como una cosa real, existente, que ha pasado junto a mí."
Federico Garcia Lorca
.
Tendo como pano de fundo as palavras de Lorca, o Fundão, por estes dias,  está a vestir outra roupagem. De 19 de março a 4 de abril, com o patrocínio da União Europeia, através do seu programa Europa Criativa, esta pequena cidade do interior está a colocar no terreno o evento "Poesia na Rua", que se desenrola, em simultâneo, em Guadalajara (Espanha), Grenoble (França) e em Cologno Monzese (Itália).
Instado a escrever algo para um grupo de cerca de 100 crianças levar à cena, saíram-me estas quadras, todas à solta, onde se pretende recriar uma rua fantástica, maravilhosa - os miúdos simularão mesmo uma rua, povoada pelas personagens das quadras - onde tudo pode acontecer. Oxalá eles se divirtam.
.
.
Na rua da minha tia
Há constante descoberta
Espreitam estrelas p’la janela
Mesmo quando o sol aperta.
.
Na rua da minha tia
Há um burro a ladrar
Um sapato a dizer rimas
Um caracol a sprintar.
.
Na rua da minha tia
Há um leão voador
Rabisca planos de voo
Debaixo dum cobertor.
.
Na rua da minha tia
Os cavalos sentam-se à mesa
Pedem um fardo de palha
Com toda a delicadeza.
.
Na rua da minha tia
Há baleias a passar
Engomam as conversas todas
Sem nunca as arranhar.
.
Na rua da minha tia
Há formigas d’encantar
São todas namoradeiras
Todas gostam de dançar.
.
Na rua da minha tia
Há um tapete de velas no ar
A desenhar mil aventuras
Com as aves sempre a remar.
.
Na rua da minha tia
Os polícias andam descalços
Os sonhos são verdadeiros
Os ladrões são todos falsos.
.
Na rua da minha tia
A chuva não cai no chão
Faz piruetas nos telhados
Em forma de coração.
.
Na rua da minha tia
As borboletas usam redes
Para apanhar os poemas
Que respiram nas paredes.
.
Na rua da minha tia
Há um homem muito elegante
Conta memórias a toda a gente
Que herdou dum elefante.
.
Na rua da minha tia
Há uma quadra em cada flor
No aroma de cada uma
Se sente a palavra amor.
.
Na rua da minha tia
Há bailes de adivinhas
As respostas chegam p’lo ar
Trazidas por joaninhas.
.
Na rua da minha tia
Todos passam da cepa torta
As abelhas, quando chegam
Deixam mel em cada porta.
.
Na rua da minha tia
Os dragões não têm asas
Dão passinhos de balê
Enquanto pintam as casas.
.
Na rua da minha tia
As janelas abrem p‘ró mundo
Quanto mais a gente a olha
Mais a rua não tem fundo.
.
.
Adenda, pós actuação: A miudagem portou-de bem, interpretando a filosofia da coisa da melhor maneira, de tal forma que, no final da sessão, por entre efusivos parabéns, foram convidados para apresentar "Na Rua da Minha Tia" na sede do Agrupamento de Escolas, no dia aberto à população. Em finais de Maio eles lá estarão.
.
.

23 comentários:

  1. Uma iniciativa muito interessante.
    Gostei das quadras.
    Aqui, pelo Barreiro, tivemos ontem uma tertúlia poética, e amanhã e depois teremos apresentação dos poetas Eugénio de Andrade e António Boto, com leitura dos poemas dos dois. O meu grupo apresenta-se amanhã.
    As quadras estão muito giras.
    Quem não gostava de morar numa rua assim?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Fico ambivalente.
    Entre a dureza do mundo e o escape criativo para a ingenuidade infantil.
    E sabes o que me dizem as vísceras? - que o encanto tem de chegar na idade da inocência, e que têm de ser os adultos a criar espaço para a magia acontecer e continuar-se a acreditar na poesia !

    ResponderEliminar
  3. Que linda iniciativa esse da Poesia na Rua! E tuas quadras bem legais! Bela inspiração! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Começo por concordar inteiramente com o pensamento de Garcia Lorca; a poesia é algo que passa por nós em cada instante, logo bem real.
    Louvo a iniciativa e tenho a certeza que essas 100 crianças se vão divertir muito representando as 'personagens' das tuas engraçadas quadras. :)

    Agora, se me permites:

    Na rua da tua tia
    Há figuras bem bizarras
    Tem sapos a fazer rimas
    Tem formigas e cigarras

    Ai, quem me dera lá ir
    Dançar e cantar contigo
    Ver cerejeiras a florir
    E dar-te um abraço amigo.

    Desejo que o tempo esteja sempre de feição e te divirtas tanto quanto as crianças, nessa bonita Rua da tua Tia.
    O Fundão merece!!! :)

    Um beijinho grande, A.C. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita,
      O "Na Rua da Minha Tia" vai entrar em cena na próxima terça-feira, dia 4, cerca das 14:30, na Praça do Município. Se apareceres, é desta que te vou dar um grande abraço. :)

      Eliminar
  5. Pelo que vou vendo, é mesmo nas pequenas cidades que se vão fazendo grandes coisas. Bonita a iniciativa, bem bonito o seu contributo :-))

    ResponderEliminar
  6. Ah, linda proposta e que delícia de quadras!

    Beijos =)

    ResponderEliminar
  7. Quem me dera que a minha rua, fosse assim parecida... :-D
    Adorei a iniciativa! E as quadras, de uma criatividade incrível, certamente farão o maior sucesso, interpretadas pelas crianças!
    Beijinho! Continuação de uma boa semana, e do maior sucesso para esse evento, que está a decorrer!...
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Oi, A.C....descobri a criança em mim! Agradeço por mim e pelas crianças.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Gosto muito desses eventos culturais.Nossos jovens merecem ser testados com novas experiencias, novos estímulos.
    Amei demais a rua da 'minha tia' e claro respirei amor.
    Beijo AC

    ResponderEliminar
  10. Uma rua muito movimentada e muito sui generis.
    Que deu origem a belas quadras.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  11. E a rua nunca mais será a mesma com estes saltos poéticos.

    É tão feliz a ideia como a repercussão que tem em quem a vive.

    Que delícia, AC!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  12. Excelente com cerejas nas orelhas
    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Quem disse que estas coisas de faz-de-conta não valem nada? Valem, sim Senhores! Ou julgam que viver são as trapaças de PSI-20?
    Parabéns à Tia com um sobrinho fora da caixa.

    ResponderEliminar
  14. Espetacular! Com uma guitarra, chouriço, queijo e vinhos, estes versos davam para uma boa tertúlia de amigos :))

    ResponderEliminar
  15. AC é imperioso que a rua da sua Tia se expanda por todo o mundo .

    Como deve ser bom viver nessa rua . Bom não , óptimo .

    Um beijo AC , e obrigada por estes bocadinhos de sonho que nos oferece ,
    Maria



    ResponderEliminar
  16. Caro Agostinhamigo

    Ó meu amigo de todos os dias
    próprias para o teu amor
    pois com tias ou sem tias
    revestem-se do esplendor

    Em Goa as coisas não correram muito bem, antes pelo contrário; uns problemas de saúde (meus) - ainda que bastante graves (Ver abaixo sff) - deram origem a situação pouco feliz - que ainda persiste. Irei escrevendo quando tiver a cabeça mais arrumada...
    Além disso no local não havia ligação Internet...

    ******

    1 de Abril - Parece-me que vou melhorando da recaída que tive da depressão bipolar - com ela terei de viver até ao forno crematório, pois é doença incurável.

    Vou pois andando devagarinho (sempre são 75 aninhos...) e um destes dias volto a publicar umas linhas. Aproveito para agradecer a todas/os que me acompanharam nestes momentos menos fáceis e sobretudo à Grande Mulher, a minha querida Raquel, que me amparou, cuidou de mim, amou como sempre, enfim teve a paciência de me aturar...

    Da viagem nem vale a pena contar: 29:30 de Dabolim (0 aeroporto de Goa) até ao General Humberto Delgado, com paragens em tudo que era sítio, incluindo 9:30 de espera no aeroporto de Mumbai (antiga Bombaim…)
    A Jet Airways – uma desgraça. Comida péssima, atendimento mau, tripulantes de cabina – trombudos. Em Paris (tínhamos pedido assistência pois continuo a ter dificuldades em andar) – não havia cadeiras de rodas suficientes e fartei-me de protestar; enfim veio uma – para mim – mas a Raquel que também tinha reservado outra teve de palmilhar que nem uma marchista... (de marcha, disciplina olímpica...) Enfim uma puta de uma viagem; não torno (amos) a cair noutra..



    Qjs & abçs

    Henrique, o Leãozão





    ResponderEliminar
  17. Sim, está tudo bem :). Aprende-se a eliminar expectativas dos outros e criar com suas próprias mãos a vida. Beijinho.

    ResponderEliminar
  18. Quero morar na rua da sua tia, tão mágica.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  19. interessante a rua da tia e as quadras muito bem rimadas.
    interessante a iniciativa também.
    um beijo
    :)

    ResponderEliminar
  20. Um bravo para tudo:iniciativa e sementes que frutificarão, o teu "engagement" perante ela e a tua participação traduzida nestas encantadoras quadras.
    Bj, AC 😊

    ResponderEliminar
  21. Meu amigo,

    Que projeto encantador no cenário poético sublime!
    Apreciei imensamente as Quadras, adorei as quadras das
    borboletas e a do elefante!...rss
    Um beijo.

    ResponderEliminar