sábado, 11 de novembro de 2017

COM QUANTAS VARAS SE TECE UM FEITICEIRO?

.
Margarida Cepêda, Ela, o violino e as vagas
.
.
Há um tempo de exaltação, amor primeiro,
há um tempo de decisão, embrião fagueiro,
há um tempo de enfrentar medos, de corpo inteiro,
há um tempo de solitárias preces, patamar cimeiro.
Afinal... com quantas varas se tece um feiticeiro?
.
.
Os caracteres surgem um pouco maiores que o habitual a fim de tentarem acompanhar, ingloriamente, a dimensão da tela. Tão só.
.
.

25 comentários:

  1. Enfrentar medos... de corpo inteiro... com uma postura recta... e ainda assim, procurando afugentar, iluminar e ver para lá do nevoeiro...
    Algo tão raro hoje em dia de se encontrar... que aparentemente... se poderá pensar, que tal, só com a ajuda de algum feiticeiro...
    Magnifica inspiração, para uma não menos, extraordinária pintura...
    Beijinho, AC! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  2. Poesia linda , beleza de tela...Gostei muito! abraços,chica

    ResponderEliminar
  3. Não há varas que cheguem para tecer tão belo feitiço,
    tecido na mais pura fantasia.

    Adorei as palavras, que acompanharam em beleza - a que o tamanho da letra é alheio - a grandiosidade da tela.

    Um beijinho grande, A.C. :)

    ResponderEliminar
  4. Em prosa ou poesia, o ritmo sempre dá ao texto um sabor especial. Gostei muito dos versos. Também gosto dos caracteres maiores, facilitam a leitura.

    Um abraço, tenha um ótimo final de semana.

    ResponderEliminar
  5. Lindíssimo e direi que com muitas ou poucas conforme a vontade do feiticeiro! Gostei da imagem porque de facto dá vida às tuas palavras: "enfrentar medos, de corpo inteiro"

    Termino com uma frase tua escrita há uns anos e que guardo com satisfação:

    "............Um poema é uma história com mil janelas abertas
    ............AC"

    Beijos e um bom domingo!

    ResponderEliminar
  6. Pois sinceramente não sei, ms sei que lhe bastam umas quantas palavras para elaborar um poema que nos encanta.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Tão só e tão bela, com a beleza das palavras, uma combinação perfeita.

    Beijinho AC

    Adélia

    ResponderEliminar
  8. Uma bela profanação das metáforas
    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Quem tece, assim, num entretecer perfeito,
    feiticeiro, como fermento no corpo da poesia,
    tem o dom da alquimia da palavra, é seguramente poeta.

    Abraço.
    ps gostei da leitura feita.

    ResponderEliminar
  10. Bela poesia, eu diria que um feiticeiro real não precisa ser tecido, ele é que tece destinos, adorei

    ResponderEliminar
  11. Caro Agostinhamigo (II)

    Belíssimo poema! Não admira ninguém porque a poesia está dentro de ti, e ninguém a pode retirar!

    Abç do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  12. Ummm! Diria que são infinitas as varas. Um bom feiticeiro tem sempre uma vara de reserva para tecer mais um feitiço, seja ele qual for.
    Gostava de saber tocar violino eu :)
    Bjs AC

    ResponderEliminar
  13. Sublime!!
    No texto e na imagem.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  14. AC,
    Fiquei "presa" no "embrião fagueiro" que segue a tomada da decisão.
    Porque o mar é revolto, temperamental, impetuoso, por um lado concordo contigo, há uma serenidade indispensável para enfrentar tal parceiro, por outro... Gosto de me sentir livre, também nas emoções que me regem, para com espontaneidade reagir ao imprevisto e me desinquietar, apaixonar, angustiar, rir, e dançar de igual para igual com o poderoso mar.
    As varas... Quantas são? Quem saberá ao certo daquilo que é feito? Quentinha na capacidade de ser flexíveis para não quebrarem, de serem fortes para o susterem, de serem hirtas de quando em vez ;) , que para um mar assim... é preciso audacia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ups!
      "Que tenham a..."
      Não "quentinha"
      Ahahaha

      Eliminar
  15. A profundidade dessas palavras denunciam a infinitude do alcance, a asa da borboleta. Um beijinho! :)

    ResponderEliminar
  16. Feiticeiros das nascentes e da sede são os poetas.E não sabem quase nada de varas...
    Belíssimas palavras e imagem.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  17. Pequenos nadas que compõem a nossa existência e a que chamamos vida...!Beijinho AC

    ResponderEliminar
  18. Mas não somos todos feiticeiros quando estamos apaixonados? Aqui encontro, pelo menos, dois: o poeta e a artista que pintou tão bela tela.
    Abraço, boa semana
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  19. Poesia bonita com um quê de mistério !
    A imagem linda nos remete a imaginar !

    abraços

    ResponderEliminar
  20. Um cenário de fantasia a foto.
    E um 'mago' poeta que nos remete a sentimentos vários, dentre eles a 'exaltação do amor' que é cada dia mais indispensável.
    Adorei AC

    ResponderEliminar
  21. Com as necessárias para que a natureza , tão bem ilustrada ,
    nos deslumbre .

    Um beijo , AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  22. Curto e profundo...os medos são sempre complicados de enfrentar
    A imagem muito bela.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar