sábado, 17 de julho de 2021

QUANDO OS SINOS AMEAÇAM COMEÇAR A DOBRAR

.
Margarida Cepêda, Metamorfose e labirinto
.
.
Sei como gostas duma canção suave, ancorada num fim de tarde apaziguador, com o murmúrio da brisa a desenhar nas árvores, por entre as aconchegantes solaridades da despedida, a tua sensação de bem-estar. Sei, mas não vou por aí.
Hoje, nem sei porquê, apetece-me falar da avidez dalgumas formigas, que tudo invadem, do escorpião que se aventura para lá da porta escancarada, das moscas que pousam em qualquer porcaria, das andorinhas que de tudo dão conta e comentam, das pombas que, contrariando a ideia do ramo de oliveira no bico, vão benzendo a terra num constante cerimonial de ácidas fezes.
Que é isso?, questionas tu. Que fel te amarga os dias para proferires tais impropérios? Não vês que, qual eterno sinal de esperança, continuam crianças a nascer?
Não, não vou mesmo por aí, nem por além. Apenas queria recordar-te que, nestes tempos conturbados e sem memória, a cantilena que nos fazem ouvir apenas nos induz ao cultivo dos extremos: ou se aplaude, com o sorriso n.º 5, ou se dá largas à vaia, com o cenho bem franzido. Com esta a ganhar por ippon, que a reputação do circo das desgraças não se constrói com falinhas mansas, apenas nos resta resistir e, em simultâneo, tentar construir algo de novo. Não há outro caminho, por mais que doa, mas o espaço e o tempo são cada vez mais curtos. E eu, que raramente rezo, tendo a tecer esboços de mil e uma orações, por entre algumas acções, que me vão rasgando os calções. Em prol das crianças que nascem, acima de tudo. Elas merecem um futuro com maior luminosidade.
Lá no alto, aparentemente indiferentes a tudo, as aves de rapina planam, ao sabor da corrente, à espera da melhor oportunidade. Elas sentem que o seu momento vai chegar.
.
.

15 comentários:

  1. Palavras fortes ,mas cheias de sentido para o mundo de hoje! Gostei de ler! abraços, chica

    ResponderEliminar
  2. Não tenho palavras para tanta beleza. Um texto intenso. Gostei de ler! :)
    **
    Os pensamentos mudaram, e tu cresceste ...
    -
    Beijo, e um excelente fim de semana..

    ResponderEliminar
  3. Achava que só por aqui as pessoas estavam se tornando amargas por conta da pandemia (ainda que não só por ela). Que a nova semana traga dias mais luminosos e cheios de esperança para todos nós.

    ResponderEliminar
  4. Em que mundo, AC, nascem estas crianças?
    A presente realidade é amarga.

    Gostei de ler.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. A amargura dos ou nos mais velhos tende a desanimar mas quem tem a felicidade de lidar com netos(as) pequenos, crianças e adolescentes verifica que haverá sempre um futuro à sua espera e a maioria sabe bem o que quer. Outras crianças que são criadas ao Deus dará em Instituições credíveis e outras nada credíveis já teremos motivos para...
    Gostei e escreves p'ra caramba!!!:)
    Beijocas e um bom domingo

    ResponderEliminar
  6. Dias de sol limpo virão.
    Um abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  7. Nem sempre é fácil fazer uma reflexão sobre o que se espera deste mundo, principalmente para as crianças que não têm culpa nenhuma dos desvarios humanos. O seu texto é forte. Dá que pensar. Mas precisamos de guardar a esperança. Que ela não nos falte.
    Continue a cuidar-se bem.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. Amargo e doce são ingredientes da vida e necessitamos de ambos para ter coerência e lucidez. Gostei deste agridoce.
    ~CC~

    ResponderEliminar
  9. Em prol das crianças AC_ só por elas a gente vai lendo poemas, ouvindo canções e tentando exorcizar toda essa balburdia que acampa em todos os meios, com as tais orações que tu evocas.
    O bom é cuidar para que as aves de rapina não nos roubem a ternura das crianças, porque ouço 'sinos dobrando' até nas nossas escolas.
    grande abraço AC obrigada pela boa leitura.

    ResponderEliminar
  10. Obrigado pelo texto.
    É sempre bom este espaço do qual já tinha saudades.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Um texto intenso. Uma pedrada no charco da nossa indiferença. Não é fácil quando olho as netinhas, imaginar o futuro que a vida tem para elas.
    Abraço, saúde e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  12. Oxalá não!

    Magnífico texto, apesar de te contrariares a ti mesmo e te forçares a desder da árvore.
    Que boas brisas nos toquem!

    Um beijo, caro amigo AC.

    ResponderEliminar
  13. Um texto que me tocou a rebate !
    Que me foi ao âmago da alma, pois diz tudo.
    Só nos " resta resistir e, em simultâneo, tentar construir algo de novo."
    Será que vamos conseguir ?

    Obrigada, amigo AC por este momento de reflexão.

    Vou fazer uma pausa, tentar encontrar algum rumo .
    Até breve, fique bem, um beijinho.

    ResponderEliminar
  14. Poeta , só tendo esperança em dias melhores podemos sobreviver .
    Gostei demais do seu texto , como sempre .
    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Um murro no estômago.
    Excelente texto.
    A ver se as aves de rapina abalam para muito muito longe.
    Abraço*

    ResponderEliminar