sábado, 25 de fevereiro de 2012

MERGULHO EM PRAIA NÃO VIGIADA

.

Pintura de Margarida Cepêda
..
.
Cansaste-te dos muros de betão, e algo te impeliu a mergulhar nas profundezas da memória em busca do fio condutor.
Ignoraste as trombetas anunciadoras do brilho, pois do efémero já tu sabias, e ousaste penetrar nos segredos da caixa da dor. A tua segurança, forjada no cinzento dos dias, debateu-se, mas sentias que, para nela entrares em pleno, terias que abraçar os fantasmas do medo. E, nesse acto único, gritaste aos quatro ventos os contornos das brumas da fera, um grito que se transformou em sopro.
Quando regressaste, ainda combalida, sabias que as tuas vestes nunca mais seriam as mesmas. A tua nudez estava agora bem presente.
.
.
.

77 comentários:

  1. Quando se grita ao Vento, o regresso nem sempre é calmo....Mas é um recomeço...uma espiral de luz e esperança...
    Fechar a porta à indiferença....porque estamos vivos e devemos enfrentar esses fantasmas...
    Até já
    Abraço
    Marta

    ResponderEliminar
  2. Surpreendida pela sua presença na minha «CASA», agradeço parabéns.
    Seu texto é muito interessante.

    Bom fim de semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Parece-me ser de caráter psicanalítico este seu texto,mas é difícil encarar os próprios medos...conseguir deve ser realmente uma libertação.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. desvelada, assim, uma vez e para sempre


    abraço

    ResponderEliminar
  5. Lindo e profundo!!beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  6. Olá, amigo AC!
    É-nos inviável nos libertar das inúmeras grades, que nos aprisionam, sejam concretas ou abstratas; sejam interiores ou exteriores.
    Nossos trajes não cobrem a nudez íntima.

    Esse texto está esplêndido!

    Abraços do amigo de além-mar e ótimo fim de semana para ti e família!

    ResponderEliminar
  7. AC...
    As brumas da fera, existem muitas vezes no mais profundo do nosso EU...
    Gritando...
    Deixa de inibir o impeto da mudança...
    Sem vestes e com a nudez presente...
    Grite, grite muito e solte-se ao Vento...
    Simplesmente eu, que nado despida no mar...

    ResponderEliminar
  8. Quantas vezes precisamos de mergulhar no desconhecido, mesmo que isso nos traga dor, para vivermos!
    ADOREI como sempre.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. AC meu amigo
    Os muros sempre nos aprisionam.
    muitas vezes são dificeis de encarar e lebertarmo-nos dos nossos medos.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  10. É pela dor que exorcizamos os medos e recuperamos a liberdade.
    Nem sempre sabemos compreender.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. carissimo quando, buscamos a nós mesmo dentro desta praia que somos, muitas vezes nosso grito realmente vira um sopro. Porque nem sempre tem alguém por perto para nós ouvir ou que realmente nos conheça de forma a saber realmente a intensidade do nosso sentimento.
    sabes teus poemas estão cada vez mais intensos, estou gostando, é claro.
    tenhas um lindo final de semana.

    ResponderEliminar
  12. Só mergulhando nos nossos medos poderemos conhecer porque apareceram e nos acompanham na caminhada pela vida.
    Frutos de fantasmas que, muitas vezes nos criaram e só nós podemos vencer.
    Foram bem escolhidas as imagens de Margarida Cepêda!
    Parabéns

    ResponderEliminar
  13. Senti saudades e vim ...

    SOL DE INVERNO



    Está sol...
    Sol envergonhado...
    Sol frio...
    Sol de inverno...
    Mas... sol...
    Como a vida...
    Que muitas vezes é...
    Vida fria...
    Vida de inverno...
    Vida... sem vida...
    Mas... Vida...

    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  14. Por vezes a dor que trazemos dentro da alma é tão grande que faz bem gritar ao vento ou sozinha em casa e deixar os medos para trás e pensar que certos fantasmas devem ficar trancados lá no passado. obrigada pela visita e és bem vindo sempre que desejares

    Carla Granja

    ResponderEliminar
  15. nasceu para si mesma,
    "um grito que se transformou em sopro".


    bela poesia.

    beijo, AC!

    ResponderEliminar
  16. Com a alma desnudada e o coração livre.

    :)

    Um beijo, AC!

    ResponderEliminar
  17. Há mergulhos infindáveis que nos lavam a alma, e nos fazem renascer ainda que combalidos, prontos para a vida, para uma nova vida.
    Adorei!

    ResponderEliminar
  18. querido AC, essas palavras fazem eco em mim. Reconheço cada uma delas na minha pele nua.

    lindo!
    beijo :)

    ResponderEliminar
  19. Mas a nudez é a verdade...
    E no fundo é o belo!

    ResponderEliminar
  20. A liberdade também exige uma dose de sacrifícios.
    Um belíssimo domingo!
    Boa semana!
    Beijinhos.

    ¸.•°`♥✿⊱╮
    ღ°ºMinas♫º

    ResponderEliminar
  21. AC,os seus escritos desnudam a arqueologia das emoções humanas. Lê-los é tomarmos um pincel nas mãos e, descobrir para lá da patine do tempo, a trama dos afectos.
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  22. É a coragem de nos despimos do supérfluo e limparmos a névoa dos excessos que frequentemente nos ofuscam, para enfrentarmos com lucidez e resolução aquilo que verdadeiramente importa. O mergulho pode ser extenuante, mas será certamente purificador.

    Um abraço e uma semana plena :)

    ResponderEliminar
  23. Estamos sempre em busca desse inicio...de como e onde tudo começou...abraços de boa semana pra ti meu amigo.

    ResponderEliminar
  24. Bom dia.

    Livre das amarras... (Lindo!).
    Essa tela é maravilhosa.

    Beijos.
    Maria Auxiliadora (Amapola)

    ResponderEliminar
  25. E nunca é um único mergulho. São vários, recorrentes, porque a busca também é constante.
    Este título foi extremamente bem achado para coroar este texto :)
    Beijinhos e contiuação de bom domingo.

    ResponderEliminar
  26. Meu amigo por muito dolorosa que seja a libertação da nossa alma e dos nossos medos, vale sempre a pena. Como sempre brilhante!
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  27. AC,
    Passamos a vida a mergulhar sempre na expectativa de emergirmos mais fortes, apesar da nudez, não é?
    A tela de Margarida Cepêda é fantástica e casa muito bem com esta alegoria.
    Beijinhos!:)

    ResponderEliminar
  28. O medo, as vezes e por vezes, penso: o que seríamos sem ele a dar o tremor nas pernas, o suor nas mãos e o frio gélido no rosto antes do mergulho. Esta nudez supera o castigo.

    bjs nossos

    ResponderEliminar
  29. É preciso coragem para esse mergulho.

    Brilhante!

    Beijos e boa semana, AC :)

    ResponderEliminar
  30. VAmos todos mergulhar numa crise, mas isso já sabias e vamos ficar nus tb
    kis :=)

    ResponderEliminar
  31. em busca do fio condutor,

    mais uma vez a mulher esmaga a cabeça da cobra


    cansados dos muros de betão, revestimo-nos e somos outros

    AC, príncipe das metáforas

    um abraço!

    ResponderEliminar
  32. Acto único, mas corajoso! Contra os muros e fantasmas, quer sejam externos...ou não...!
    Olhar no espelho e ver que as vestes conhecidas se foram... pode ser revelador!

    ResponderEliminar
  33. Cada mergulho tende a despir-nos mas a nudez servirá para nos revelarmos, para nos sabermos mais rente à pele que nos (re)veste.
    E assim terá valido a pena...
    A busca pelo "eu" implica sempre algum risco.

    Boas leituras, sempre, aqui!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  34. Querido Poeta

    Um mergulho por dentro da alma...em cada palavra que escrevemos desnudamos as emoções.
    Como sempre profundo.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  35. Nudez necessária para nascer no novo plano pura como deveria ser.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  36. É sempre bom vir aqui.

    Grande abraço e uma boa semana.

    ResponderEliminar
  37. A ousadia pode ser alvo de punição...
    Belíssimo texto...como sempre, meu querido.
    Obrigada por tua amizade!
    Obrigada por te sentir presente.
    Bj
    BS

    ResponderEliminar
  38. será que ao abraçar os fantasmas se esquece o cinzento dos dias?
    mesmo esquecidos eles vivem lá

    beijinho
    LauraAlberto

    ResponderEliminar
  39. Quanto mais fundo chegamos, mais a nudez se acentua.
    Um belo texto, como de hábito.

    Grande abraço, AC.

    ResponderEliminar
  40. Sempre um prazer viajar por aqui

    mesmo considerando
    que nunca a nudez de tudo
    intangível

    ResponderEliminar
  41. Olá, AC!

    Trocar o cinzento triste mas seguro,pela descoberta daquilo que uma vez sonhámos ser, é ideia que sempre nos perseguirá, passo tentador, acto de coragem - nem sempre isento de riscos...
    Lindamente escrito, como sempre.

    Abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  42. A nudez sempre é bela mesmo quando revelada a medo.
    Quebrem-se os muros de cimento que tanto nos aprisionam.
    Belíssimo.

    Beijo

    ResponderEliminar
  43. Está a musa deste texto e estou eu: cansadas de tanto murro em betão.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  44. Quando entramos de alma e coração dentro da nossa essência para expurgar os nossos medos, sai-se sempre mais forte, ainda que a aparência mostre o contrário. Bonito texto.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  45. deste mergulho só se sai desnuda...
    belíssimo ..
    beijo querido,sempre...

    ResponderEliminar
  46. mergulhando no próprio medo...expurgando-o.

    :)

    abraço

    olinda

    ResponderEliminar
  47. Lindo, belas palavras.

    Ter liberdade ou ser livre não implica que em nós não exista medo, muitas vezes, ele está bem escondido no nosso íntimo.

    Parabéns, pelos escritos.

    Bjs

    ResponderEliminar
  48. A sua poesia tem uma voz toda especial.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  49. AC
    Acho mais dificil cultivar a liberdade do que ser feliz!
    Eu nao teria coragem de nadar em total liberdade!
    .com amizade Monica

    ResponderEliminar
  50. Lindo, profundo...com toda certeza liberdade requer coragem...
    Beijos AC,
    Valéria

    ResponderEliminar
  51. Que lindo, AC

    E assim somos após abrirmos a caixa.

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  52. Impressionante imagem a de uma "caixa de dor".
    Não sei que tamanho pode ter. Se é como a de sapatos, se de um chapéu, se de um vestido de noiva ou algo muito maior ou menor mas tão intenso que seja impossível dizer o peso.
    beijoss
    Você é brilhante!

    ResponderEliminar
  53. Penso que o grito alivia, mas onde gritarmos à vontade? Gostei do contraponto entre o efêmero e o profundo, enfim gostei muito. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  54. E agora cuida, para não te encobrires com panos e idéias.

    um bj

    rromí

    ResponderEliminar
  55. Hola!

    Não se vive uma vida sem um mergulho que nos custe um desnundamento sem medos.

    Perfeito!
    Bjs.

    ResponderEliminar
  56. Há dores que têm necessariamente que ser paridas.
    Lindo e profundo texto onde é um prazer mergulhar.
    beijinho

    ResponderEliminar
  57. Pensei escrever palavras lindas
    como forma de agradecer seu carinho comigo.
    O quanto é importante para mim sua visita.
    Já disse isso tantas vezes mais é inevitavel repetir.
    desejo um lindo e abençoado final de semana.
    Beijos no coração e na alma.
    Evanir....

    ResponderEliminar
  58. a sublimação e ascese. pela dor...

    por vezes é necessário perder. para ao âmago.

    abraço

    ResponderEliminar
  59. ..."para chegar ao âmago" - corrijo

    ResponderEliminar
  60. Belíssimo texto, como sempre. Escolhes muitas vezes telas de Margarida Cepêda!és só admirador ou também conhecido? sou sua amiga de infância...
    Bjs

    ResponderEliminar
  61. Querido, AC, qual alma nua não sente a lâmina do vento?
    Belíssimo texto poético!
    Bj imenso

    ResponderEliminar
  62. Um pequeno interessante e muito bem escrito!

    Saudações poéticas!

    ResponderEliminar
  63. AC, boa noite!
    Libertemo-nos pois dos nossos medos, mesmo que isso implique a nudez da alma!

    Belíssimo!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  64. Só depois desse percurso , estará pronta para outro , que é dificílimo , o da simplicidade .

    Um beijo , A.C. ,
    Maria

    ResponderEliminar
  65. Um belo sábado pra ti meu amigo...abraços fraternos..

    ResponderEliminar
  66. Ir em busca do fio condutor é mesmo muito doloroso!!! Só para verdadeiros corajosos !!!!Mas vale a pena correr esse risco...nunca mais somos os mesmos...nunca mais ...é verdade sim!!!

    Beijo:)

    ResponderEliminar
  67. Não será fácil mergulhar na dor e perder o medo de despir todas as vestes, mas é a única forma de se viver por inteiro a verdade do que somos.


    Um abraço, AC

    ResponderEliminar
  68. Lindo este seu texto, muito interessante,
    Abraços

    ResponderEliminar
  69. sempre um prazer, mergulhar nessas metaforas

    um beij

    ResponderEliminar
  70. Aprender a lidar com a nudez da alma, aceitar e viver de forma verdadeira.

    Intenso!
    abraço
    cvb

    ResponderEliminar
  71. Voltar ao princípio é doloroso e até cansativo, mas só assim viveremos verdadeiramente.

    Belo!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar