quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

LÍMPIDAS ÁGUAS, ETERNOS LABIRINTOS

.
Hélio Cunha, Quantum
.
.
.
Navegas no rio, sorris, pareces querer abraçar as margens.
No apear, como quem pressente a sombra, dissertas, de súbito, sobre a brevidade, o tempo que se esvai, a areia que se some por entre os dedos.
Noto o teu desassossego, uma quase tristeza, um esboço de baixar os ombros. E sinto que, por mais que tentamos, nunca entenderemos as linhas com que se tece um labirinto.
.
.
.

46 comentários:

  1. Enganas-te, simplesmente de apanhaste num pequeno momento de descontração. Ombros baixo? Sorriso? É isso, apenas um momento...

    ResponderEliminar
  2. É caríssimo quem entende, eu a bem da verdade não entendo e tão pouco compreendo.
    beijos.

    ResponderEliminar
  3. Quando as águas correntes se libertam
    das margens
    um lençol de espelhos se derrama
    no chão das árvores
    para desassossego dos contornos
    da sombra à pergunta do princípio

    ResponderEliminar
  4. Nem todos sabem caminhar em águas límpidas. Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Lindo te ler!! Muito lindo! abraços,chica

    ResponderEliminar
  6. É feito você tivesse escutado o eco do meu imenso vazio...

    Beijo, querido.

    ResponderEliminar
  7. AC, às vezes temos medo de bater as asas e voar...Beijos!

    ResponderEliminar
  8. Talvez não tenhamos que entender tudo...
    Navegar sorrindo, já me parece bem.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  9. Ainda não entendi mesmo. É uma vontade de remar contra a maré e não saber como...

    Abraço,
    MLM

    ResponderEliminar
  10. saber deixar-se ir, sem porto, sem destino
    de nada vale tentar entender...
    é só deixar-se ir

    beijinho

    ResponderEliminar

  11. Não é fácil aceitarmos os nossos limites, a existência palpável de forças que nos sufocam e não podemos controlar.

    Lindo o seu texto. Comentar é quase pecado. Estraga!...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  12. Bom é navegar e sem destino. Ao apear, o real mostra sua carranca nos "afogando" em labirintos, catalogando dúvidas, enumerando os dilemas...
    Abr.,

    ResponderEliminar
  13. O ser humano tem o "dom" de imaginar, até criar, tempestades em águas calmas... E, sem essa capacidade de complicar, não teria metade da piada!
    Beijinho
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  14. Caminhar e não questionar nada mais...assim será bem melhor. Beijos!!

    ResponderEliminar
  15. Pq tem que se entender tudo?
    As vezes o melhor é se deixar levar...

    ResponderEliminar
  16. inútil é tentar entender o que existe apenas para ser sentido
    navegar é preciso, viver também
    AC, meu querido, tua voz é sempre espantosa, como um oceano bom de se navegar
    bj imenso, poeta raro

    ResponderEliminar
  17. os labirintos florescem a cada fio: há de se tecer



    abraço

    ResponderEliminar
  18. O labirinto apesar de despertador de tristeza e angústia pode ser um desafio. Transpô-lo é uma vitória.
    Bj.
    :)

    ResponderEliminar
  19. AC,obrigada pelo carinho da visita, fiquei bem feliz com isso!
    Lindo texto, a Vida é assim, quem entende "...as linhas com que se tece um labirinto"?
    Abraços!

    ResponderEliminar
  20. Olá, AC!

    Labirintos: Percorrê-los, nunca foi fácil;porque não não voltar ao princípio...?

    Abraço amigo, bom fim de semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
  21. Ás vezes, temos que seguir o Mundo...Não o podemos mudar, apenas encontrar o equilíbrio...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  22. Vim retribuir a visita e comentário lá em meu blog e deparo-me com um labirinto
    Desafio, acertos, erros, dúvida, ímpeto, sabedoria, cansaço...
    Labirintos há em nós, a nossa volta, além
    Asim como há amplidões, espaços abertos, retas, círculos, completudes.
    Que tenhamos um pouco de tudo, para asas e raízes serem partes de nós.

    ResponderEliminar
  23. São os desafios que, refletindo, calmamente, poderemos superar...dependendo da tecitura...

    Beijos

    ResponderEliminar
  24. Muito lindo seu texto! Podemos não entender o labirinto, mas podemos buscar o equilíbrio.

    Meu carinho! :)

    ResponderEliminar

  25. Labirínticas águas, visualizações eternas de tão límpidas.

    Somos.

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  26. Os labirintos não se entendem .
    Entra - se neles ou não .

    Um beijo , AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  27. as águas até podem ser límpidas, neste momento acho que todos os portugueses as sentem turvas e pesadas

    e talvez tudo seja um eterno labirinto

    gostei muito de ler

    (como sempre)

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  28. Navegando encontrei este espaço, entrei, fui bem recebida e fiquei.
    Beijo.
    Ana

    ResponderEliminar
  29. Ainda bem, A.C. Os labirintos existem para que nos percamos neles...

    Bom domingo,

    Deixo-lhe um beijo :)

    ResponderEliminar
  30. Poeta ,

    Primeiramente , agradeço sua carinhosa visita ao meu blog .
    Depois , reitero o que sua escrita faz pelos seus seguidores : a sensação de poder chegar perto do mais genuíno de alguém .
    Beijos e boa semana

    ResponderEliminar
  31. AC, é espantosa a forma como plasma sentimentos e imagens em palavras!
    Beijinhos e boa semana!
    Madalena

    ResponderEliminar
  32. Os mistérios insondáveis da vida tecidos no tempo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  33. Insondáveis os caminhos por onde a vida nos leva!

    ResponderEliminar
  34. Sempre ficam tantas dúvidas...

    Beijos.

    ResponderEliminar
  35. Talvez seja melhor não tentar entendê-las, reservando as energias para não se prender a elas. Bjs.

    ResponderEliminar
  36. É porque dentro de cada um existem mistérios que mal são compreendidos por si muito menos pelos outros.

    Bjs

    ResponderEliminar
  37. Sinto bem forte o desassossego e tem dias que me vejo dentro do labirinto, sem uma luz para me guiar.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  38. Percepção é a chave e sobrenome do poeta.

    Navegar é preciso, viver...

    Abraços AC e continue costurando em versos.

    ResponderEliminar
  39. Bela e poética descrição da natureza humana: um misto de alegria e desassossego, um sentir e pressentir que inquietam e turvam as águas que singramos. Labirintos atraem em sua impenetrabilidade. Abraços, boa semana.

    ResponderEliminar
  40. as palavras articuladas, articulando coisas nunca cansam de me surpreender...inda bem :) bons ventos me trazem sua prosa boa... andarei por aqui :) obrigada pela visita aos meus escritos

    ResponderEliminar
  41. Porque nas águas translúcidas
    Também existem pedras,
    Por vezes é preciso remar demasiadas vezes,
    Para chegarmos ao começo, e talvez o começo seja o fim.

    Gostei imenso.
    Beijo

    ResponderEliminar