sábado, 10 de fevereiro de 2018

OUSAR RECUSAR, OUSAR APRENDER A VOAR

.
AC, Gardunha
.
.
Olhei em volta. Havia uma constante resignação, que não dava, mas queria, que não sonhava, mas tolhia. 
Havia um constante matraquear, que não se ouvia, mas sentia. 
Que fazer?
Rompi para lá da névoa, descobri um poiso de aves e instalei-me nas proximidades. A pouco e pouco, sem ruído, comecei a aprender a voar.
.
.

21 comentários:

  1. Que paisagem maravilhosa!
    Sempre que o lei neste tipo de registo, fecho os olhos a minha imaginação levanta voo nessa direcção.
    Pelas bandas de cá ou se fazem escaladas pelas alvenarias de betão e tijolo acima, ou caminhadas pela praia, mas tem que ser ao raiar da aurora, caso contrário tropeçamos todo uns nos outros, lolol.
    Bonito momento introspectivo, AC.
    Beijinho com estima e amizade.

    ResponderEliminar
  2. O silêncio é essencial para a aprendizagem do voo, havendo muito ruído não há poder de concentração. Convém não ousar demasiado, sem ter alguma prática...ir ensaiando a forma de voar, é garantia de conseguir pousar no ponto mais alto dos nossos sonhos...e poder voltar ao lugar de partida, se o desejarmos.

    Bom fim de semana, AC.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. E preciso romper névoas e ouvir os pássaros para aprender a voar... Uma perfeita metáfora da vida. Abraços.

    ResponderEliminar
  4. Cenário lindo pra fazer esse aprendizado. seja voar interiormente ou de verdade! abraços,chica

    ResponderEliminar
  5. Antes de tudo o resto, devo escrever, AC, que a foto é muito bonita, ajuda-nos a respirar, e quase que é uma janela aberta para o seu mundo. Deixe-me que lhe diga que esse mundo vale ouro, ouro todo ele transformado em ar e céu azul.

    Quanto ao título, o título deveria ser sinónimo disso de viver. De bem saber viver. Apenas. E só.

    O texto cheira a uma mistura de alecrim e alfazema ao natural.

    Beijinho, AC, tenha um bom fim-de-semana :)

    ResponderEliminar
  6. Pois em resposta aqui à minha amiga Marta, as palavras têm essa capacidade, de nos fazerem voar no sonho, na imaginação, elevando-nos da nossa pequenez inata. Porque não?
    Em breve vou respirar ar puro para esses lados. Quem sabe consigo voar?
    Abraço, um lindo domingo
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
  7. Não sabes as vezes que me apetece encontrar um local silencioso que me arranque do reboliço da cidade (da cidade que eu adoro), do matraquear, da resignação, da névoa.
    Não é fácil encontrar um local sem pessoas. E em que a natureza seja ela própria, desordenada, rebelde, silvestre.
    Na maior partes das vezes acabo por encontrar refúgio no mar.
    Mas voar...
    Voar...
    Há uma ou outra pessoa que me ensina a voar.

    ResponderEliminar
  8. Sempre maravilhoso pousar por aqui... e ler algo... que nos faz voar por dentro...
    Beijinho! Feliz domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
  9. Na natureza e ou perto do mar sem ninguém...é onde treino a minha inquietude e solto a minha alma que voa sem destino.

    PS: Oxalá que a tua Gardunha recupere dos incêndios!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. A foto é magnifica. O texto como sempre muito profundo!

    Boa semana AC e um beijinho.

    ResponderEliminar
  11. Viu o filme Byrdman?
    Lembrei-me do filme ao ler este seu texto.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  12. O seu texto, tão belo! De repente lembrei-me do que escrevi há muito tempo: "Para aprender a voar nos bastava o começo e o fim de uma linguagem pessoal, em que as mãos, impacientes, despissem a paisagem e, apenas por um instante, se tornassem asas"...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  13. Todos os dias voamos, fortalecendo as asas, em voos maiores ou menores. Vai, antes que os horizontes se esgotem, os ventos se cansem, e as asas mirrem. Gosto muito deste seu vôo. Um abraço AC.

    ResponderEliminar
  14. Quanto mais nos aproximamos do simples, melhor aprendemos a voar!...
    Muito belo!
    um abraço.

    ResponderEliminar