sexta-feira, 20 de novembro de 2020

MENINA DO MAR

 .
.
.
Corria a praia, manhã após manhã, à procura nem sabia bem do quê. Por vezes, quando as ondas vinham de mansinho, levantava a saia e deixava que a água lhe acariciasse pernas, como que a manter viva a chama de algo que sentia, mas ainda não vislumbrava. E assim se deixava andar, praia fora, qual personagem de romance a quem estava destinado um papel de realce, à espera dum qualquer sinal.
O tempo ia passando, em manhãs repetidas, e de sinais apenas a satisfação da carícia das águas, do cheiro da maresia, da arquitectura do voo das gaivotas... Mas persistia, tecendo convicções mil, acreditando que os elementos acabariam por recompensar tanta devoção, tanto crer.
Hoje, quando alguém a vê passar, os mais velhos, moldados que estão na luta pela sobrevivência, já nem ligam. Os mais novos, porém, ávidos da abertura de novos portais, a princípio estranham, mas acabam por respirar os desafios lançados no ar. E, como que conduzidos por mão invisível, sentem-se impelidos a desvendar os desígnios daquela senhora, eterna Menina do Mar. E, embora lentamente, começam a redimensionar o seu navegar.
.

12 comentários:

  1. Um bonito texto poético bem adaptado à letra da canção de Luísa Sobral.
    Tão melodioso, envolvente e encantatório quanto a melodia e a voz.
    Gostei muito!

    ResponderEliminar
  2. Li o post com uma pontinha de tristeza, sentindo, na imaginação, toda a riqueza dos aromas, do vento e dos sons que vêm do mar. É que tendo passado quase a vida toda mais perto do Atlântico, estou, hoje, distante, e a situação da pandemia inviabiliza uma viagem para matar a saudade. Obrigada pelo texto, a leitura reavivou memórias.

    ResponderEliminar
  3. Um conto que merece continuar...
    Muito bonito:)

    ResponderEliminar
  4. Apaixonada que sou pelo mar, acompanhei os passos da jovem sonhadora, com prazer. O tempo passou para a Menina do Mar, sempre abraçada a sonhos e mistérios. Texto poético lindo, em total consonância com a música que escolheu.

    ResponderEliminar
  5. Assim sou eu:))))))) e mais não digo:)

    Esta música da Luisa é p'ra lá do belo.

    Beijos e um bom domingo e também para o "novo rebento" da família

    ResponderEliminar
  6. Oi, A.C. muito bonita a integração entre a letra e a música e o texto poético...foram se formando imagens em minha mente e visualizei o cenário e a emoção do desejo... o que reproduzi em minha mente poderia ser como um filme de Fellini.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Ai ai... mar o meu nome do meio :-)

    Boa noite, sô AC

    ResponderEliminar
  8. Há quem quase enlouqueça de tanto amar o mar... Esta eterna "menina do mar" nunca se cansou de o olhar. Magnífico! Gostei de ouvir a Luísa Sobral.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Quem não se envolve à beira mar? Quem não sente a vibração das tuas palavras e não redimensiona o passo?
    "Chamo-me Menina do Mar e não tenho outro nome."

    Gostei imenso, meu amigo AC.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Ai a vida que corre e escorre pelos dedos... Aqui de volta no susto e com prazer. São voltas que a vida dá, nos levam para longe, mas as marés nos trazem de volta... Beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. Um belíssimo texto que me recorda a minha infância correndo assim não no mar mas ao longo do rio, sonhando. E quantos desses sonhos ficaram pelo caminho.
    Adorei o tema musical que ainda não conhecia.
    Abraço saúde e boa semana

    ResponderEliminar
  12. Esqueci de agradecer o novo tamanho da letra. Muito mais fácil paea mim.
    Abraço

    ResponderEliminar