sábado, 27 de outubro de 2018

GÉMEOS

.
.
Nasceste, começaste a crescer. Tudo te parecia seduzir, tudo parecia ter o condão de te fazer cantar.
Continuaste a trepar, em tamanho e dimensão, e começaste a reparar que os obstáculos faziam parte da paisagem. Às vezes onde menos esperavas, que dois mais dois nem sempre são quatro, mas nada que te fizesse arrepiar caminho. Sentias que o mundo estava à tua espera, abraçá-lo era só uma questão de oportunidade. 
Às tantas começaste a interrogar-te. A princípio por conveniência, depois por condição, mas o certo é que começaste a reparar que as arquitecturas, as cores, os cheiros e os sentimentos, todas essas coisas que interferem com a vida, por vezes pareciam deslocados. E começaste a contestar, acreditando que a tua crença poderia fazer a diferença.
Mais à frente, depois dalgumas quedas no escuro, que hoje te fazem sorrir, sentiste que a contestação, para fazer sentido, carecia ser irmanada na visão de novos caminhos, em algo que contemplasse, não só a tua visão, mas a de todos. E começaste a pregar a tua verdade.
Procuraste cumplicidades, partilhaste angústias e utopias, despiste a camisa para mostrar o peito. A tua voz, mesmo à distância, parecia autêntica. Mas, por cada nova cumplicidade, multiplicavam-se os atropelos e as caneladas, vindas de frente e de trás.
Gritaste, rasgaste, vociferaste. Procuraste um porto de abrigo. Então, qual sentença de Salomão, sentiste repartir-te em duas partes. 
Uma seguiu a estrada dos contactos adquiridos, em proveito próprio, vendendo ilusões à multidão desgrenhada: não vai Maomé à montanha, vai a montanha a Maomé. A outra, mais resistente à dor, não abdicou do seu rumo: afastou-se da multidão, é verdade, mas apenas a uma distância prudente. Instalou-se, de biblioteca e piano, numa quinta, começou a cultivar frutos vermelhos. 
De vez em quando entravam em contacto, a longa estrada percorrida ensinou-lhes que, por mais voltas que o mundo dê, é preciso estabelecer laços: um para escoar os produtos, o outro para maquilhar a imagem.
Reúnem-se, mensalmente, para vestir a mesma pele. E, com os filhos em volta, em modo de sorriso, ficam sempre bem na fotografia.
Eles andam por aí, sempre andaram.
.
.

11 comentários:

  1. Gostei tanto de ler esta retrospectiva, escrita com a benevolência e o carinho de quem muito ama! :) Mas sabes? Em todos nós habitam dois gémeos!!
    Que maravilha acompanhar a leitura deste desfiar de memórias, com a deliciosa sonata...Dupla levitação!! :)

    Obrigada por estes belos instantes, AC.

    Um Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Sensibilidade apuradíssima como sempre.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  3. Somos dois. E às vezes somos tantos. Cada um a fazer o que a vida permite... E lembrei-me de um poema de Casimiro de Brito: "Toda a gente nos quer transformar, melhor resumir, numa só pessoa e cada um de nós é uma multidão desorientada…"
    Gostei imenso do seu texto magnífico.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Fogo pá...gostei tanto que não sei o que dizer para não estragar o texto!

    Beijocas e uma boa tarde

    ResponderEliminar
  5. Belíssimo texto, adorei ler-te ouvindo este magnifico som!

    Obrigado por este momento de calma que me transmitiu.

    Beijinho AC

    ResponderEliminar
  6. Um retrato escrito de forma tão bela, que me deixou sem palavras.
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Jamais imaginei que ficaria tão encantada com um texto.Tu és esse encanto. Então é o que é cada ato, ou escolha.
    Maravilhoso AC

    ResponderEliminar
  8. Pedaços de vida, tipo diário íntimo. E há cada percalço! Gostei imenso da abrangência do texto.

    Beijos, AC.

    ResponderEliminar
  9. Deliciosa dualidade... com a qual me identifico na perfeição... ou não fosse eu mesmo... do signo Gémeos!... :-))
    Maravilhoso texto!!! Já tinha saudades, de passar por este inspirador cantinho... finalmente, estou de volta, ao mundo dos blogues... depois de uma alargada ausência... para me sentir mais presente, em tudo o que faço...
    Beijinho! Bom feriado!
    Ana

    ResponderEliminar
  10. Belo texto, cheio de sentimento e sensibilidade.
    Obrigada por partilhar
    Adorei este momento
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Não bastasse o texto incrível ainda nos presenteia com uma música fabulosa carregada de imagens espetaculares!! AC sou tua fã! Um beijo!

    ResponderEliminar