terça-feira, 19 de maio de 2020

A FLOR MURCHA

.

.

O pai partira cedo. E, desde que se recorda de ser gente, habituara-se a ver na mãe um rochedo imenso, imune às intempéries. Aquela caixa-forte, sem aparente palavra-passe, levara de vencida todos os escolhos da vida que se lhe foram deparando, construindo uma reputação de determinação e solidez.
Rita foi crescendo à sombra daquela imponência, demasiado assustada para perceber ou questionar. E a mãe, de tão ocupada que estava na sua luta, esquecera-se da matéria frágil de que é constituída uma flor.
Os anos passaram e, à medida que a lenda do rochedo se cimentava, também a fragilidade de Rita se acentuava. Quase irreversivelmente.
Um dia o tempo, inexorável, bateu à porta do rochedo. Este, vencedor de mil batalhas, sabia que o novo obstáculo era intransponível. E começou a fraquejar. Rita, que de tão frágil nunca chegara a entender a grandeza da mãe, escolheu o momento impróprio para amuar, atribuindo-lhe a sua fragilidade. E cultivou a distância.
O rochedo ficou à deriva. E só quando este se desfez em pó é que Rita percebeu que tinha perdido a oportunidade de se tornar uma flor viçosa. 
.
.

Reedição
.

22 comentários:

  1. Esta foi, de facto, uma oportunidade irremediavelmente perdida.

    ResponderEliminar
  2. Penso que sempre houve, ao longo dos tempos, flores que murcharam e secaram à sombra de rochedos, que as fragilizaram pensando que as protegiam das agruras da vida. Muito mais frutuoso seria se tivesse havido mais calor e afecto, do que segurança e conforto.
    O final, acaba sendo desastroso para ambas as partes.
    Pelo menos aqui! :)
    Claro que, como sempre, esta é a ilação que tiro do teu texto, mas a intenção de qualquer escriba/argumentista, é deixar que o leitor interprete o 'filme/mensagem' à sua maneira, verdade?

    Beijinho, AC.
    Fica bem!

    ResponderEliminar
  3. Como esta, se não tomamos atenção, tantas oportunidades perdemos na nossa vida.

    ResponderEliminar
  4. É preciso estar atento aos mistério da vida para se chegar a tempo a alguma parte.
    Um bela prosa poética, AC
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  5. É a história de muitas vidas; Mudam-se os nomes, apenas.

    ResponderEliminar
  6. Uma história, vezes demais repetida. A rocha, ciente já do que é a vida, protege. A flor que em botão quer rapidamente ser rosa, e nessa tarefa não ter tempo de ver com olhos de ver.

    Boa noite, sô AC

    ResponderEliminar
  7. Oportunidades desperdiçadas... lições aprendidas, talvez tarde de mais. A vida é assim AC.
    Boa noite

    ResponderEliminar
  8. Essa flor, viveu sempre na sombra do rochedo e quando este desmoronou, percebeu que já não havia voltar atrás...infelizmente uma realidade frequente.

    Gostei muito!

    Um beijinho, AC. :)

    ResponderEliminar
  9. Vou levar teu texto às minhas filhas
    e nada fazer
    para que a mãe delas não o leia

    ResponderEliminar
  10. Quantas Rita não há por esse Mundo fora!
    Que depois choram lágrimas de crocodilo quando perdem o rochedo.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  11. Como a aparência reverberou e criou um hiato entre o rochedo e a flor...

    (Saí tão reflexiva após a leitura)

    Um texto profundo, como sempre e para mim, carregado de metáforas e desdobramentos.

    Beijinhos, A.C.

    ResponderEliminar
  12. Deste uns belos retoques e pois é AC quantas Ritas não haverão por aí?
    Muitos "rochedos" deixados em lares agora nesta altura é que querem visitar num nham nham tal rosa murcha...e os rochedos ainda com laivos de memória dizem NÃO!

    Oportunidades perdidas de quem só vive em torno do seu umbigo.

    Repito que gostei imenso:)

    Aquele abraço sincero

    ResponderEliminar
  13. Diz o povo que quem semeia ventos, colhe tempestades.
    Ensinar a reciprocidade não é fácil especialmente para as mães-rochedo. E ninguém escolhe a forma como é mãe... nem como se aprende a ser filha...
    Soubessem umas e outras que por detrás dos rochedos há frágeis flores...

    ResponderEliminar
  14. Às vezes o rochedo sufoca a flor. Por força, ou por ignorância.
    E quando o tempo tira a força ao rochedo, à flor já não resta fôlego para reagir.
    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
  15. AC

    quantas ritas existem por aí que nem sabemos e
    quantos rochedos também!

    gostei da imagem de suporte.

    saúde e beijinhos
    :)
    http://olharemtonsdemaresia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  16. Lindo, tocante, emocionante...Leitura maravilhosa, como sempre! abração,chica

    ResponderEliminar
  17. Um texto belo e surpreendente. Uma reflexão profunda. Entristeceu-me, mas a vida tem muitas pautas desafinadas.

    Um beijo, caro amigo AC.

    ResponderEliminar
  18. Que texto fantástico, e como se vê Ritas por aí, sem rumo, sem eira nem beira... ficou como ficou. Só dá pena.
    Parabéns, AC, por rico texto!
    Bjus, um bom fim de semana.

    "Rita, que de tão frágil nunca chegara a entender a grandeza da mãe, escolheu o momento impróprio para amuar, atribuindo-lhe a sua fragilidade. E cultivou a distância.
    O rochedo ficou à deriva. E só quando este se desfez em pó é que Rita percebeu que tinha perdido a oportunidade de se tornar uma flor viçosa."

    ResponderEliminar
  19. Ótimo testo. Bela imagem. Adoro flores assim, deixo-as assim no meu jardim, são as "dried flowers". Um grande abraço

    ResponderEliminar
  20. Cultivar as distâncias... algo que nos é pedido, expressamente, nos tempos actuais... como a vida consegue ser irónica... dependendo do contexto...
    Mas em relação ao espírito primordial do texto... quantas Ritas existem... quando os afectos e os rochedos, se têm como certos!...
    Só quando os nossos rochedos dão algum sinal de finitude... é que pensamos seriamente no nosso distanciamento deles... mas às vezes... nem sequer se está perto, para poder ler ou entender tais sinais...
    Pobres Ritas... quando as fragilidades se transformam em distância... e se transformaram na próxima geração de pedra... pelos piores motivos... tendo de conviver de perto, com a sua consciência (se ainda a conservam), sem poder resgatar o passado... e sem poder resgatar-se... nada fácil!
    Mais uma belíssimo texto... que de uma forma transversal, aborda a problemática da generation gap... que a pressa da vida, cada vez mais acentua... e dita cada vez mais cedo... com que idade rondará agora, o que os jovens de hoje entendem por " ser-se cota"?... :-))
    Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  21. Tão cheio de tanto !
    Tanto que se perde.
    Ficou um nó na garganta.

    ResponderEliminar