sábado, 23 de maio de 2020

ESBOÇO DE TELA DO TEMPO PARADO

.
Imagem tirada daqui
.
.
A meio da tarde, quando a brisa era apenas leve rumor, percorrias o caminho do rio e, de livro na mão, ias sentar-te na velha sentinela granítica, ancorada à beira d'água, plataforma de mergulhos da pequenada nas longas tardes de verão. 
Abrias o livro, tentavas embarcar nas palavras, mas não por muito tempo. A quietude do lugar insinuava-se, parecia querer abraçar-te e, num diálogo silencioso, acabavas por embalar nas águas calmas, onde as libelinhas, numa velocidade estonteante, pareciam bailar por entre os juncos. Mais além, junto do velho salgueiro, um guarda-rios ousava um voo picado na mira de um peixe. Sentias-te bem, divagavas, o tempo parecia querer parar para te ver. 
Quando partias, qual secreta tentação juvenil, escolhias, com esmero, uma pedra achatada e lisa. Depois, num movimento de anca, atiravas com firmeza, na horizontal, deleitando-te enquanto a vias saltitar à superfície da água.
.

29 comentários:

  1. Peguei "saindo do forno"...
    Que linda foto e adorei as palavras.
    Um texto que parecia assistir ao vivo a cena. Num lugar assim, eu também não conseguiria ler concentrada. Preferiria viajar no silêncio e também atiraria uma pedrinha pra seu barulhinho, ploc, na água ouvir!

    Adorei! abração, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Este país, é um pontinho no mapa mundi, mas é também um enorme ponto de exclamação no que se refere a beleza natural. E é nosso. E tristemente, são os estrangeiros que mais valor lhe dão.

    Boa noite, sô AC

    ResponderEliminar
  3. O livro é apenas pretexto...
    Um abraço, tenha um ótimo domingo!

    ResponderEliminar
  4. Desta vez trazes a quietude mansa do 'meu' Guadiana. Gostei tanto.
    A imagem descritiva é correspondente aos vagarosos sentires alentejanos.
    Adorei! Sabes que isso de saber atirar um seixo à água e fazê-lo roçar a superfície, batendo várias vezes de modo a formar círculos contínuos, é uma arte, um feito tal que só os rapazes mais experientes conseguiam levar a cabo. :)

    Tem uma boa noite, AC, e toma lá um beijinho, prá sossega! :)

    ResponderEliminar
  5. Fiz como recomendaste
    Peguei na pedra lisa e achatada,
    e,num gesto que figura na receita
    atirei a pedra à água
    A pedra mergulhou
    mas juro que nadou
    Não consta que neste mundo trágico
    nenhuma pedra, até hoje,
    se tenha afogado

    ResponderEliminar
  6. Oi, A.C. que bela imagem poética que descreve com perfeição a poesia que existe na natureza e sempre nos transmite à alma.Obrigada.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Boa noite tudo bem? Sou brasileiro, carioca e procuro novos seguidores para o meu blog. Eu também posso te seguir. Novos amigos também são bem vindos.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderEliminar
  8. Lavaste-me longe à quietude da Lagoa do Panguila onde passava grandes momentos sozinha. Mal chegava o resto do grupo ganhava quase sempre no saltitar das pedras sobre a águas.
    Um momento que gostei como sempre AC.
    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
  9. Há lugares mágicos que os olhos abarcam e nem todas as palavras chegam para se descrever o sentimento do coração. Mas há poetas que o fazem na perfeita forma de nos incutir toda a beleza captada. Foi o que fez com este texto lindíssimo.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. Tudo se move
    mas por vezes apetece parar o tempo
    menos as águas do rio

    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Poeta , seu texto nos leva junto da paz descrita .
    Agradeço a partilha como também os parabéns que deixou ao Felipe .
    Mãe e filho sentiram-se abraçados .
    Beijos

    ResponderEliminar
  12. Lembrei um tempo, ido há muito, quando meu pai me ensinava a lançar as pedras a saltitar no mar na maré baixa. Bem que podia ter parado nesse momento :)

    ResponderEliminar
  13. Imagem e texto em perfeita harmonia.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  14. Creio que esse voo rasante da pedra solta a imaginação. E toda a ambiência do lugar. Impõe-se, apanha-nos e depois ... solta-nos nas asas do sonho.
    Adorei.

    Beijo, amigo AC.

    ResponderEliminar
  15. A foto é a sintonia perfeira para o texto calmo e belissímo.
    Quase que sou eu a atirar a pedra para ver cair na água.
    Gostei deveras.
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  16. Sempre desejei viver perto de água mas acabei em doca seca!
    Esses saltos das pedrinhas estão na minha infância onde havia uma enorme lagoa durante o inverno.

    Abraço

    ResponderEliminar
  17. Ao ler seu texto, a sensação que temos é que, a partir dos nossos ouvidos, a narrativa é conduzida, porque há a forte presença da sua voz, desde "os domínios" da sua memória, que como um guia, nos leva aos lugares mais fundamentais da construção literária.
    Como se para além das suas reminiscências dessas memórias, fosse possível ver a personagem principal da narrativa, a natureza ao derredor, que não só compõe o cenário, como é também outra personagem e, nós os leitores-espectadores, que completamos as peças deste belo panorama "prosopoético".

    Parabéns!

    Abraços, A.C.

    :)

    ResponderEliminar
  18. Diálogo silencioso, me encanta esa frase. Enhorabuena por este relato, me ha gustado mucho y la foto también. Saludos desde el norte de España.

    ResponderEliminar
  19. Num imperfeito a querer ser presente a singularidade das coisas autênticas: o rio, a mão, o livro.
    Abria-se a mão e o livro até ao coração. O rio, esse, corria.
    Uma pérola, caro AC, aqui mostrada.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  20. enquanto a via no espelho em reticências...
    (ficou-me por escrever)

    ResponderEliminar
  21. Ante un paisaje que trasmite serenidad al alma, no creo que se pueda leer un libro. Bello texto e imagen. Saludos.

    ResponderEliminar
  22. Que bela imagem, a foto e a descrição das palavras... Vim agradecer sua visita. Desde o Brasil. Obrigada.

    ResponderEliminar
  23. Foto e texto em perfeita sintonia de paz e serenidade.

    Bom fim de semana, AC

    Beijinho

    ResponderEliminar
  24. Qualquer palavra minha destoará de tudo que você disse com uma delicadeza incomum. É só murmurar diante da fotografia e da simplicidade com que você descreve o sítio.
    Daqui respiro esta tranquilidade...
    Um abraço, caro AC

    ResponderEliminar
  25. Uma verdadeira pintura em palavras... esta paz tão bem delineada nesta poética tela... para inspirar profundamente!... Também a plenos pulmões... para desintoxicar destes tempos carregados de mil inquietações!...
    Sublime texto, AC! Parabéns! Beijinho! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar