terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

MEMORANDO

.
.
.
Ouvia-te, sabia que eras uma igual. Falavas como nuvem despegada, aparentemente sem rumo, mas num tom único, depurado, avesso a ruídos de fundo. Ambos sabíamos, caminheiros de muitas veredas, que na vida há muitos imponderáveis, a maioria fora do nosso controle, mas que é nisso que reside o seu âmago: querer romper, para lá das amarras, em busca da sensação de que todos contamos, amparados num calorzinho que não tolha, mas que amplie.
Procurei dar-te a mão, cúmplice, pronto para retomar a jornada.Também eu sabia que as ilhas, como essência, não nos levam a lado nenhum.
.
.

17 comentários:

  1. «Sabíamos que na vida há muitos imponderáveis, a maioria fora do nosso controle, mas que é nisso que reside o âmago da vida: querer romper, para lá das amarras, em busca da sensação de que todos contamos, amparados num calorzinho que não tolha, mas que amplie.»

    Disse isso mesmo, ontem, falando de mim...

    ResponderEliminar
  2. Verdade AC, embora achemos por vezes que nos bastamos a nós proprios, na maioria das vezes isso não é assim. "sozinhos vamos mais depressa, mas juntos vamos mais longe".
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Esta música é fabulosa! Não devemos viver em ilhas mas alargar o que de melhor temos a horizontes mais largos. Sobretudo..."de mãos dadas".

    Parabéns pelo post!

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito, que lindas vozes!
    Bjs, uma boa semana!

    ResponderEliminar
  5. Na verdade, para seguirmos o caminho que nos conduza a bom porto, não podemos ter uma ilha como essência em nós. A jornada faz-me melhor e com mais ânimo, se feita de mão dada com quem conheça bem os trilhos e nos proteja dos perigos e das pedras... :)

    Quem é a Joana Sobral, que mencionas, nas etiquetas? Não conheço.

    Um beijinho, AC. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joana Sobral?! Haverá, com certeza, alguém com esse nome, mas também não conheço, confesso. A Luísa vai-me desculpar, com toda a certeza. :)
      Obrigado, Janita.

      Eliminar
    2. Foi essa a minha estranheza, AC...junto do Zambujo figurar outro nome que não o da Luísa. Por isso não comentei mais cedo. Tenho andado a debater-me com o dilema entre falar ou calar.
      Desculpa, só agora me apercebi que talvez tivesse sido mais ético ter-te perguntado por mail, mas juro que nunca me passou pela cabeça que não houvesse uma explicação.

      Para mim, tu és como um Deus, e os deuses nunca erram!!
      Ainda bem que estava enganada...

      Beijinhos, e bom fim-de-semana, AC! :)

      Eliminar
    3. Oh, Janita, eu nunca erro?! Deixaste-me de sorriso à banda. :):)
      Já agora, e à laia de curiosidade, assisti a um concerto da Luísa em meados de Dezembro, em modo intimista, num pequeno estúdio. Aquela menina tem qualidade, foi fabuloso!

      Um beijinho :)

      Eliminar
    4. ;) Sorriso à banda?

      Há Deuses de carne e osso, não sabias, AC?! Ehehehe

      E sim, a Luísa Sobral é fantástica, também gosto muito dela.

      Beijinhos!

      Eliminar
  6. E por aqui, há sempre com cada memorando, mais memorável!... E com um belíssimo complemento musical, hoje!...
    Uma dupla deliciosa de se ouvir, num tema que muito aprecio!
    Gostei imenso, AC! Beijinho! Feliz fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  7. Lindo demais demais! Como sempre sempre! Arrasa! Beijo

    ResponderEliminar
  8. Há imponderáveis entre as ilhas que sempre se encontram na união perfeita da harmonia.Belo texto em perfeita união com a melodia.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Um texto belo e pleno de amor. Gostei da melodia que o acompanhou, a vida é isso mesmo e o ser humano não foi criado para existir isolado…

    Abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. Poeta , não haveria pano de fundo melhor que a linda música que se entrelaça ao seu texto , Post perfeito .
    Beijos

    ResponderEliminar