sábado, 8 de abril de 2017

EU, TU, NÓS

.
Pintura de Barbara Issa Vagnerovà
.
.
Trauteando uma música do Abrunhosa, eu estou aqui. Logo, tu estás aí, ou ali, ou além. Seja como for, estás.
Olhemos em volta. Estejamos onde estivermos, há sempre algo a delimitar o perímetro, a povoar a área, a preencher o volume. A dimensão dos números, a ter algum interesse, apenas depende de nós, da capacidade que tenhamos para enfrentar, ousar, redimensionar ou relativizar, toda a chuva de meteoritos informativos que invade, constantemente, a nossa órbita. E é dentro desta premissa que tudo acontece, que se consagra aquilo para que nascemos, nesta complexa amálgama química designada por vida, eterno labirinto especulativo.
Ontem, quando passei por ti, pareceste-me vagamente preocupada, receosa, desassossegada. Hoje, quando te olhei, a aura da tua convicção ameaçava o cerzir das fronteiras, sempre maleáveis, que acordámos convencionar. Cheguei a tentar-me no porquê, mas para quê? Por ora apenas interessa o que vislumbro, o que pressinto. Quando resolveres partilhar o que transportas, talvez tenhamos que alargar a linha do horizonte. Bem vistas as coisas, e por mais paradoxal que pareça, filtrando a pressa que nos tentam incutir temos todo o tempo do mundo. Para nós.
.
.

18 comentários:

  1. Devemos ousar,ir um pouco mais, aumentar a linha do horizonte...enquanto o mundo roda...

    Beijos...

    ResponderEliminar
  2. Por ora estamos!
    Fazendo a vida acontecer ou a vida acontecendo em nós?
    A sensibilidade pulsa nas palavras!
    Beijo carinhoso!

    ResponderEliminar
  3. mente aberta em espírito são...
    e o que for, será.
    logo se verá...
    há sempre um horizonte à nossa medida.
    Um abraço, AC

    ResponderEliminar
  4. Ainda bem que alteraste o título do post, acho que este se ajusta mais ao teor do texto. :)
    Uma vez mais, e como já nos habituaste, em cada palavra em cada frase, páro para meditar e no que dizes me revejo. Há tanto de realismo no que escreveste, que me atrevo a dizer que; se o texto é poético, há poesia em tudo o que fazemos e sentimos no nosso dia-a-dia...

    Um beijinho, A.C. :)

    ResponderEliminar
  5. Forçando a pressa...seremos nós, olhando em redor! Temos que sê-lo!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Por vezes esses limites aprisionam-nos e precisamos de um tempo para nos libertarmos de novo.
    Um texto muito reflectivo.

    Um beijinho AC

    O Toque do coração

    ResponderEliminar
  7. Podemos sempre fazê-lo, alargar os horizontes abre-nos outras perspectivas, mas corremos o risco de nos perdermos neles. A própria vida é um risco, avancemos. Boa noite AC

    ResponderEliminar
  8. Tudo tem o seu tempo, o seu momento adequado.
    Até lá resta-nos aguardar.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  9. Tudo o que descreves é a essência da vida numa complexidade onde cada dia há sempre algo diferente...nada é igual.

    Gostei.

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
  10. O que sentimos ou pressentimos deixa sempre um horizonte labiríntico à roda daqueles que nos cercam...
    Um excelente texto!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  11. Essencialmente a vida, no sentido da amplitude das realidades
    do mundo, em alguns momentos pesam. Mas, sempre no nosso centro
    interior, o labirinto da realidade se transforma no
    jardim singular a Ser!...
    Que bela conjugação; a imagem e o vídeo-música a ecoar
    a preciosidade do teu texto poético, AC!
    Grata pela presença e comentários atenciosos no
    meu espaço, meu amigo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. acho bom sermos um conjunto fechado com infinitas possibilidades dentro dele...assim quando possível a intersecção entre dois ou mais conjuntos revelam maravilhas!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  13. Estar .
    O que nos define .

    É fácil ? Não , porque ser não o é .

    Um beijo AC ,
    Maria

    ResponderEliminar
  14. Tudo tem o seu tempo. Importa é estar presente e atento aos sinais.
    Mais um excelente e pertinente texto.
    Bjinho, AC

    ResponderEliminar
  15. há sempre um momento certo para exteriorizar o que vai no intimo de cada um
    uma pausa necessária para equilibrar o momento e estar atento
    gostei do texto, como sempre
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  16. Um texto que se percorre e nos deixa a tentar reler o mundo à volta e as tais fronteiras mal cerzidas.
    Um tema bem explorado!

    Beijinho, AC

    ResponderEliminar
  17. Tudo nesta vida, tem o espaço, a dimensão, o tempo e a importância que se lhe quiser dar... assim tenhamos a capacidade de deixar os outros entrar... na nossa linha de horizonte... com todo o seu espaço, dimensão, e importância... apenas uma questão de se refazer os cálculos... quando acharmos que tal... será um tempo bem empregue...
    Como sempre, mais um texto incrível... de leitura imparável, assim que se começa...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar
  18. Estamos, mas às vezes tão longe...!Lindo como sempre. Um abraço AC.

    ResponderEliminar